quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Coleção Histórica Nº 49


Nessa postagem eu comento sobre a 'Coleção Histórica Nº 49', formada pelas 5 revistas números 49: Mônica (1974), Cebolinha (1977), Chico Bento e Cascão (1984), e Magali (1991).

Com o Raposão na capa do box, que marca com o primeiro gibi do Cebolinha de 1977. Tiveram poucas informações de créditos das histórias e as tirinhas mais uma vez alteradas, como estão fazendo desde a CHTM # 47, sendo dessa vez foram principalmente em proporções dos desenhos, ficando muito feias. Além disso, resolveram colocar respostas nos passatempos das revistas da Mônica e do Cebolinha que não tinham nas originais, pois nos primeiros anos os passatempos não tinham respostas, e com isso, mais uma alteração boba em relação às originais.

Sobre distribuição, continua atrasando muito. Esse volume é de setembro e aqui chegou dia 10 de outubro (e como sempre vendendo 1 ou 2 exemplares por banca que vende), sendo que há reclamações que até hoje não chegou em lugares que costumavam ter.



Histórias de abertura e comentários gerais:

Mônica - "Napoleão, o cão" - Mônica ganha do seu tio um cachorro chamado Napoleão, que faz tudo de forma exagerada. Ele ainda ajuda a encontrar 2 bandidos que roubaram a fórmula contra a calvície de um professor.

Napoleão apareceu só nessa história e depois sumiu com a Mônica ficando sem bicho de estimação até ser criado o Monicão em 1994. Curiosamente, o tio da Mônica não apareceu, só foi citado pela mãe dela que o tio tinha deixado o cachorro e que estava no quintal.

Trecho da HQ "Napoleão, o cão"

Nos comentários foi falado que nessa edição estreou a seção de cartas "Vamos bater um papo?", mas não mostrou pelo menos uma miniatura da página para saber como era. Podiam ter colocado bem pequeno para gente ver a estrutura. Pelo menos foi citado, já que em 'Cebolinha Nº 17' não foi informado sobre isso na CHTM # 17 daquela revista. Nesse gibi foram reservadas só 4 páginas de comentários, correspondendo a 3 páginas de propagandas e 1 da seção de cartas da revista original, e, com isso, o gibi teve mais páginas com histórias. O normal são 6 páginas de propagandas (que agora com a seção de cartas, poderia ter sido 7). Então, histórias de 1 pagina não foram comentadas, diferente dos outros gibis desse Box que tiveram comentários.

Em relação a créditos, de 13 histórias comentadas, só a história "Pescar é uma arte" (em que a Mônica atrapalha o Cebolinha em uma pescaria), que teve créditos completos. Quase todas escritas e desenhada pelo Mauricio na época, mas não pode confirmar isso em todas, já que nessa história tiveram desenhista e arte-finalista diferentes. Na história "O desafio" (em que Cebolinha e Cascão fazem exercícios para ter mais condicionamento físico para correr da Mônica) fala que os desenhos estão diferentes e que já estavam começando a diversificar os traços, mas infelizmente não diz quem desenhou, não mostrando crédito nenhum dessa.

Esse gibi tem muitas histórias do Cebolinha e Cascão, apesar de ter participação da Mônica. Cascão dessa vez teve uma história solo, "Muito precavido", muda de 3 páginas, mostrando o Cascão se prevenindo da chuva com guarda-chuvas quando ele nota presença de nuvens. Essa até já conhecia republicada no livro L&PM "As Melhores Histórias do Cascão", de 1991. Normalmente saia história dele nos gibis do Cebolinha.

Na tirinha no final do expediente, colocaram o nome da Mônica no alto já que está inserido no quadrinho da tirinha e não no lado de fora, sendo que com a ampliação dos desenhos, ficou tudo desproporcional e diferente como foi na edição original de 1974.

Cebolinha - "Luta final" - Um vilão com cabelo em forma de fogo volta à Terra depois de 300 anos para ajustar as contas com o tetravô do Cebolinha, mas acaba confundindo o Cebolinha com o tetravô ancestral dele. Curiosamente, esse vilão não teve nome e só apareceu nessa história, assim como vários vilões da MSP. Este foi lembrado depois, participando em 'Cebolinha Nº 500' (Ed. Panini, 2014).

Esse é o primeiro gibi do Cebolinha de 1977 e a partir de agora  aos poucos vamos ver novos tipos de traços, que já estavam começando a ficar parecidos com os anos 80. A do Horácio nesse gibi (em que ele traz presentes para a sua turma depois de uma viagem), por exemplo, estão praticamente iguais aos anos 80. Terão novos tipos de traços e no final do ano começar a ter os marcantes traços superfofinhos.

Também vamos começar a encontrar algumas histórias republicadas nos almanaques da Editora Globo. Hoje histórias dos gibis do Chico Bento e Cascão da CHTM são quase todas encontradas em vários almanaques da Globo. Normalmente, eles republicavam histórias dos anos 80 mesmo, mas às vezes colocavam histórias do final dos anos 70 a partir de 1977, sendo mais frequente a partir de 1978, principalmente as de miolo que tinham traços bem parecidos com os atuais até então. Porém, nessa edição ainda não não teve nenhuma que saiu em almanaques da Globo.

Muito legal a história "Repousando", em que o Cebolinha descobre que a Mônica está doente e não pode sair da cama e resolve perturbá-la por causa disso. Nela, mais uma vez acontece aqueles tipos de cenas engraçadas com o personagem desesperado com a cara de raiva do outro, perguntando "Fulano? Que cara é essa!? Fulano!??" depois de ter aprontado muito com ele e ficando o mistério de como era a tal cara de raiva e o que ele ia fazer com o outro. Na cena que destaquei abaixo, mostra o Cebolinha desesperado com a Mônica irritada, depois de ter aprontado muito com ela, fazendo a gente imaginar que cara a Mônica fez e o que faria com ele, que foi só revelado no próximo quadrinho. Muito engraçado.

Trecho da HQ "Repousando"

Infelizmente a edição tiveram poucas informações de créditos e, com isso, não dá para saber quem desenhou cada história. De 11 histórias comentadas, em 6 não tiveram créditos nenhum. O Mauricio escreveu 3 histórias desse gibi. Histórias de 1 página foram comentadas, só a tirinha que não foi.

Em relação a alterações em relação à original, além dos Passatempos com respostas que não tinha na original, mais uma vez mudaram a cor do nariz do Zé Lelé na história "O galinho" (em que ele tem que se lembrar que tem que pegar um galinho no sítio do Nhô Lau durante o caminho). Nos anos 70, o nariz dele era alaranjado ou vermelho. Sempre que tem história dele dessa época eles mudam na CHTM, colocando da cor da pele para não ficar dando impressão que era nariz de palhaço e dessa vez não foi diferente. Não gosto dessa mudança, já que não preserva como saiu nos gibis originais e acho que tinha que manter assim na CHTM. A seguir comparação, com imagem da original enviada por André Felipe.

Comparação da HQ "O galinho": cor do nariz do Zé Lelé diferente

Na tirinha dessa vez apareceu o nome do Cebolinha no alto porque na original foi inserida no quadrinho, mas a proporção alterada de forma lamentável. Como ampliam os desenhos, eles ficaram muito diferentes, com quadrinhos retangulares em vez de ficarem quadrados como na original e, então, os desenhos ficaram desproporcionais com personagens mais gorduchos. Ficou horroroso assim. Abaixo a comparação, com imagem da original enviada por André Felipe. Lembrando que o espaço vermelho que deixo é porque o gibi original era 2 centímetros maior na altura:

Comparação das tirinhas de 1977 e da CHTM # 49

Chico Bento - "Um peixe fora d'água" - Chico salva um peixe de ser pescado, acaba caindo no lago, batendo de cabeça e, então, como gratidão, o peixe que o Chico salvou o transforma em peixe com intenção de salvar a sua vida.

Apesar de no gibi como um todo preservar o caipirês dos personagens como saiu no gibi original, teve alteração em relação a isso na história "Vai atender ou não?", em que o Chico é confundido com o cara que trabalha no posto de gasolina, causando muita confusão. Nesse quadrinho abaixo, mostra o Chico falando "chamando", sendo que na original era "chamano".

Trecho da HQ "Vai atender ou não?"

Além disso, teve uma suposta alteração na fala do Zé da Roça nessa mesma história. Quando começaram a colocar os personagens falando caipira em 1980, O Zé da Roça e o Hiro falavam caipira também, chegando até alterar isso nos almanaques da Editora Abril daquela época. Mas quando o Chico ganhou o gibi próprio em 1982, eles passaram a falar certo para dizer que são mais inteligentes na escola. No quadrinho dessa história, tem umas fontes diferentes, principalmente nas letras "R" em tom mais negrito, que podia ter sido "confiá" e "chegá", por exemplo, em vez de "confiar" e "chegar", respectivamente.

Em 1984, o Zé da Roça já não falava caipira. Então, ou na original saiu com ele falando caipira sem querer e alteraram isso na Coleção Histórica, ou na época eles colocaram o Zé da Roça falando caipira antes de finalizar o gibi e em cima da hora consertaram ficando as letras diferentes do que no resto. Só com o gibi original para confirmar isso. Abaixo, a cena:

Trecho da HQ "Vai atender ou não?"

Nos créditos nos comentários, de 6 histórias, só 3 que mostram roteirista e só na abertura fala quem foi o desenhista. Ainda nos comentários, fala de erro de cores na 2ª história do Papa-Capim desse gibi, mas não mostra o scan da original. Como história de destaque "Dentista?! Deus me livre!", em que a Dona Cotinha, mãe do Chico dá dinheiro para ele ir ao dentista para tratar da dor de dente e ele gasta tudo com pirulitos. História divertida e muito incorreta, mostrando um Chico desobediente com a mãe.

Como não teve tirinha no final, não teve alteração em relação a isso. Quando tinha uma propaganda na original, então na CHTM colocam no lugar só uma imagem do Chico pescando falando que não pode perder a CHTM.

Cascão - "A sobrinha que veio limpar o Cascão" - Cleide, a sobrinha das irmãs Cremilda e Clotilde, chega para armar um plano de namorar o Cascão para poder dar banho nele.

De 6 histórias comentadas, só 2 com créditos completos e em 3 sem crédito nenhum. As propagandas cada vez em tamanho menor que não dá para ler nada. Detalhe que não só as desse gibi do Cascão, assim como em todas desse Box. Já que não colocam em tamanho original, podiam colocar as propagandas de uma forma que dê para ler o texto.

Destaque da história do Bidu, "O dia em que roubaram o roteiro da historinha". Nela, alguém bate no Manfredo e roubam o roteiro da história do Bidu e eles arrumam um detetive para solucionar o mistério de quem roubou. Afinal, sem roteiro não tem como ter história. Muito engraçada, principalmente a parte que encontram um suposto cachorro que havia roubado e ele diz que nunca roubaria história do Bidu porque são chatas demais e que só dar risada com as do Chico Bento. Isso para mostrar que ninguém gosta das histórias do Bidu. Eu, particularmente, gosto.

Trecho da HQ "O dia em que roubaram a historinha"

Outra história bem bacana é "O fantasma do Cascão", que encerra o gibi, em que a Mônica tenta dar um susto no Cascão, e então ele finge que morreu e que virou fantasma para assustar a Mônica como alma penada e tirar proveito da Mônica pagar sorvete para ele. Interessante o aviso no início da história falando que se tem coração fraco e não aguenta emoções fortes que para não ler a história. Muito criativo.

Esse gibi também não teve tirinha pelo mesmo motivo de ter propaganda no lugar na original de 1984, e, então não teve alteração só por causa disso.

Magali - "Pão pão, beijo, beijo!" - Quinzinho pensa que a Magali namora ele só por interesse por ele ser filho do padeiro e arma um plano para tirar a prova, inventando que a padaria faliu.

Os traços dessa história são lindos, com desenhos fofos e com ângulos diferentes. O roteiro foi da Rosana, mas infelizmente nos comentários não falou quem foi o desenhista nem arte-final. Sempre nas melhores não mostram quem desenhou.

Comparação da HQ "Pão, pão, beijo, beijo!":  cabelo do Quinzinho com cores diferentes

Mais uma vez o tom do cabelo do Quinzinho saiu diferente.  O cabelo dele era claro e agora mudaram colocando marrom escuro, como sempre fazem na CHTM, mas deixando assim fica muito diferente da original. E só lembrando que o menino negro apareceu sem lábios, mas dessa vez não foi alteração. Realmente na original ele não tinha lábios. Abaixo a comparação do tom do cabelo do Quinzinho:

Comparação da HQ "Pão, pão, beijo, beijo!": cabelo do Quinzinho com cores diferentes

Esse gibi com muitas histórias de 1 ou 2 páginas, algumas dos anos 70 e de tabloides que foram aproveitadas. A história "Que tal" (com Magali e Cebolinha em uma lanchonete) é do final dos anos 70 e a da Branca de Neve havia saído em 'Cebolinha Nº 1' (Ed. Globo, 1987), sendo que na ocasião foi em 1 página e agora colocaram a mesma história com desenhos ampliados de forma que ocupem 2 páginas. Costumavam republicar as vezes histórias e tabloides de 1 ou 2 páginas antigas, quando faltavam número de páginas para concluir o gibi a tempo de chegar nas bancas. Afinal, em maio de 1991 saíram 3 gibis da Magali: Nº 49, 50 e 51.

De 7 histórias, 2 sem créditos nenhum. E com créditos completos, só "A hora da mama", que mostra a mãe da Magali comendo para caramba para ter leite suficiente par amamentar a Magali, ainda bebê. Outra história legal foi "Voando alto", em que a Magali voa ao segurar uma pipa para o Cascão de tão magrinha que ela é. Nessa nem mostra comida, e, sim, só a característica da Magali ser magra demais, que come e não engorda e passar sufoco por isso. Sempre rendiam ótimas histórias.

A tirinha no final foi alterada de forma lamentável, dessa vez não só em relação ao nome da Magali no alto que ficou omitido e ampliação de desenhos, mas também modificaram os quadrinhos dela. O texto ficou diferente no 1º quadrinho, mudando de "Puxa! é mesmo, Cebolinha!" para "Poxa! Obrigado, Cebolinha!" só porque a Magali não agradeceu no gibi original de 1991 e mudaram isso por causa do politicamente correto. É cada bobeira que fazem questão de mudar.

Além disso, a grama foi pintada de verde e fizeram um contorno no 1º quadrinho que não tinha na original e mudaram a arte do 2º quadrinho, tirando o contorno envolvendo os personagens, mudando para um quadrado padrão, e, com isso, tirando a arte da época. Afinal, era muito comum quadrinhos terem contornos diferentes para mostrar outras formas além do tradicional quadrado e retângulo e com essas alterações ridículas assim tiram a magia da época. Abaixo a comparação.

Comparação das tirinhas de 1991 e da CHTM # 49

A capa com pouca alteração, com leve redução do desenho, pouco degradê e tiraram o logotipo da Globo nas capas dentro da bandeja e nem colocaram os da CHTM no lugar, como já era de se esperar. Deixaram mesmo só a ilustração da Magali nas capas dentro das bandejas. Ao menos mantiveram o logotipo original das capas dentro das bandejas, ocupando todas a largura do gibi diferente do logotipo principal que não ocupou a largura do gibi na CHTM. Abaixo a comparação:

Comparação das capas de 1991 e da CHTM # 49

Ainda em relação à capa, a original de 1991 teve uma etiqueta de preço bem grande nos gibis que foram vendidos de segundo lote. As revistas sem etiqueta custavam Cr$ 100,00 enquanto que as com etiqueta custaram Cr$ 110,00. Como nos comentários o Paulo Back colocou que a revista custou Cr$ 100,00, a MSP têm a versão da revista com etiqueta. Bem interessante. A versão que eu tenho é sem etiqueta e então mostro como foi a versão com etiqueta, com imagem que pesquisei tirada da internet.

Capa de 1991 na versão com etiqueta

13 comentários:


  1. Agora estão mudando até o formato do quadrinho. Uma pena! A fase superfofa foi cheia de quadrinhos em vários formatos. Mesmo os quadrados, as vezes, tinham as linhas levemente curvas. E isso era um charme para os personagens superfofinhos e tornava a HQ um pouco dinâmica. O Bidu era quase branco nessa revista do Cascão. E esta semana abri um um almanaque de férias do Cascão, do tempo da Abril, que comprei on line e nele tem uma HQ que saiu na edição 47 da CHTM. "Cascão a serviço do mal" foi republicada neste almanaque e foi gritante a mudança nas cores dos quadrinhos. Chão, gramado, calçada mudaram completamente de cor. Se a grama era lilás antes, colocaram verde depois, só pra exemplificar. Eu jamais teria notado a diferença, tanto que tenho todas as revistas da CHTM 47 e não tinha percebido essas buscas mudancas. Isso e ruim, pois apaga todo um histórico próprio de tendências daquela época.

    E o que foi a tal da "surpresa" que o Mauricio fez no programa do Buddy. Será mesmo que alguém acreditou que ele tendo aparecido lá foi uma surpresa??

    Um abraço!

    No Almanacao de Ferias da turma tem a história da Magali "A FINA". Lembro dela bem vagamente. Anda estou decidindo se levo, pois só tenho um almanacao todo surrado do tempo da Globo. Confesso que os muitos passatempos contam em desvantagem pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " Isso e ruim, pois apaga todo um histórico próprio de tendências daquela época."

      Pois é, Fabiano, essas mudanças bruscas tiram a magia da época. Parece coisa boba, mas não é. Acho q tinham q preservar os erros de cores. E já pensou se eles mudam os quadrinhos redondos ou com cantos arredondados da fase fofinha? Lamentável essas mudanças.

      Esse programa com o Mauricio não vi, pelo q descreveu não deve ter sido surpresa.

      Sobre esse Almanacão Turma da Mônica nº 18 eu vi nas bancas, está muito bom, só hqs de 1987 a 1996, prevalecendo 1987 a 1990. Tem hqs de abertura de Mônica nº 47 e 48, Cascão nº 51, Chico Bento nº 5, essa da Magali nº 5 e Cebolinha nº 106. A do Chico é hilária com ele atendendo telefone na casa do primo.... A do Cascão é ótima, é desse gibi aqui:

      http://arquivosturmadamonica.blogspot.com.br/2015/09/capa-da-semana-cascao-n-51.html

      Mesmo vc não gostando do formato, muitos passatempos realmente estragam pq podia ter mais hqs, acho q devia dar chance dessa vez, ou então conseguir as originais.

      Abraço

      Excluir
  2. Estou ansioso para ver a fase superfofinha na CHTM. Essa fase é bem legal. Concordo que o que fizeram na tirinha da Magali foi avacalhação. Mudaram a fala da Magali e ainda o balão do Cebolinha ficou fora do quadrinho, diferente do original. Os gibis da Magali são os que eu menos tenho, mas consegui alguns, dentre eles a edição 39, a primeira de natal da Magali. Bem legal esse gibi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Põe avacalhação nisso. Mudar texto e formato de quadrinhos nada a ver. Ficou muito diferente, ainda mais com a ampliação dos desenhos e sem o nome da Magali no alto. Um horror.

      Acho gibis da Magali fáceis de encontrar em sebos. Com certeza os da Abril são mais difíceis. Só uma correção o 1º gibi da Magali com história de Natal foi o nº 12. Já capa foi esse mesmo.

      Excluir
  3. Na verdade,o Napoleão,fez mais uma aparição super rápida em um gibi do Parque da Mônica,não sei a edição,porque eu era uma criança maldita que rasgou a capa e parte da própria revista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! Não sabia disso, o Monicão já havia sido criado, deve ter sido participação rápida, tipo histórias para relembrar personagem antigo. Não tenho essa revista.

      Excluir
  4. Ridícula a mudança na tirinha da Magali. Fora que ela falou errado, o correto seria "obrigada". Eles quiseram deixar mais politicamente correto pra educar as crianças, mas estão ensinando errado português, kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk.... tem toda a razão. Eles querem consertar os erros da época, mas ficam piores essas mudanças de tão malfeitas que são.

      Excluir
  5. lista de motivos pra mudarem a tirinha da magali desse jeito:



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não apareceram os motivos que vc listou ai...

      Excluir
    2. eu tava sendo ironico, pq podiam republicar a tirinha muito bem sem essas porcarias de mudanças

      Excluir
    3. kkkk... ah tá, tem razão, não vi motivo nenhum pra mudarem essa tirinha. Coisa boba.

      Excluir