sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Dona Morte: HQ "A Morte ataca outra vez"

Mostro uma história em que mostra a Dona Morte passando sufoco em um baile a fantasia no Carnaval ao tentar levar as pessoas da festa para o além. Ela tem 6 páginas e foi publicada em 'Cascão Nº 3' (Ed. Globo, 1987).

Capa de 'Cascão Nº 3' (Ed. Globo, 1987)

Começa o narrador apresentando a Dona Morte, falando que ela era infalível, implacável e ceifadora de vidas humanas e alertando o leitor que ele poderia ser a próxima vítima. Dona Morte tranquiliza que não vai levar o leitor ainda e que a sua missão era em uma casa que estava acontecendo uma baile a fantasia.


Dona Morte entra pela janela na casa, usando a sua entrada nº 84, que sempre deixa as suas vítimas impressionadas. Ninguém acredita que era a verdadeira Dona Morte e pensam que era alguém fantasiado. Por isso, o pessoal da festa dá um  fora nela, reclamando de que como entra daquele jeito. Um cara vestido de coelho pensa que era seu amigo Francis fantasiado. Dona Morte diz que não é o Francis e o "coelho" não acredita, continuando a pensar que era o amigo.


Fabiana, a namorada do Francis pede para Dona Morte dançar com ela e se divertir, mas ela diz que não pode porque está de serviço. Ela acha graça, afinal eles estavam em uma festa. O jeito foi a Dona Morte dançar com ela e fica preocupada em perder o emprego por causa disso.

Nisso, chega o verdadeiro Francis fantasiado de Dona Morte. O "Coelho" estranha outra pessoa com a mesma fantasia, mas logo reconhece que era mesmo o Francis, que não gosta nada de ver outra pessoa dançando com a sua namorada e vai tomar satisfações e querendo briga. O "Coelho" impede, falando que foi só uma confusão. Francis aceita para não estragar a festa.


O "Coelho" oferece bebida a Dona Morte. Ela recusa e revela que foi ao baile para levá-los por chegou a hora deles. Mas, coincide ser meia noite, a hora de todos tirarem as máscaras. Todos tiram e o "Coelho" pergunta se a Dona morte não vai tirar o capuz. Ela fala que não pode, o cara tira assim mesmo e então todos descobrem que era a verdadeira morte.

Todos ficam assustados e perguntam se vão morrer. Dona Morte confirma, falando que um avião vai cair sobre a casa dentro de instantes. O pessoal fica triste, achando uma tragédia e o "Coelho" achando ridículo morrer com aquela fantasia e pergunta se não pode quebrar o galho deles dessa vez. Dona Morte diz que é impossível, afinal ela é cruel, implacável, tem um nome a zelar e que já perdeu muito tempo lá.


Todos começam a chorar muito e a Dona Morte se comove com a situação. No final, com a Dona Morte saindo da festa, o narrador volta a falar que ela era invencível, infalível, quando estranha e pergunta a ela aonde estão as vítimas dela. Ela dá um fora nele, dizendo que não interessa e até ela pode ter coração mole de vez em quando, confirmando que dessa vez ela se deixou levar pela emoção e não levou ninguém.


Acho essa história legal, mostrando uma Dona Morte meio atrapalhada e dessa vez ela ficou com pena de levar suas vítimas justamente no Carnaval. Achei bom para variar um pouco. Eles sempre tratavam a morte nas histórias de forma divertida e leve, muitas vezes a Dona Morte se dava mal durante a história ou no final. Na postagem a coloquei completa. Como era de costume nas histórias da Turma do Penadinho, essa história teve vários personagens secundários que apareceram uma vez e nunca mais foram vistos. Tinham, inclusive, muitas histórias protagonizadas por esses secundários e a Dona Morte só aparecia no final. Gostava muito de histórias assim.

Muito bom o recurso do narrador no início e no final, interagindo com a Dona Morte. Era comum colocarem um narrador-observador interagindo, com os personagens conversando com o narrador, discutindo, dando bronca. Achava engraçado essa metalinguagem. Já os traços são maravilhosos, bem grossos e ficou fantástica a arte da Dona Morte sombria no primeiro quadrinho.


Teve um erro de colorização na última página inteira, onde a sombra azul da Dona Morte ficou verde, a fantasia de coelho do homem ficou amarela em vez de rosa, a lua ficou rosa em vez de amarela e assim por diante. E visualmente não ficou ruim assim. Pelo que deu para entender, as cores foram invertidas. Acontecia isso de vez em quando nos gibis antigos e eu, particularmente, adorava quando acontecia. Só não sei se foi em todos os gibis assim ou se foram só determinado lote. O meu pelo menos ficou assim. Nos almanaques das editoras Abril e Globo, normalmente esses erros eram mantidos nas republicações, mas agora na Panini infelizmente sempre são corrigidos, inclusive na Coleção Histórica. 

24 comentários:

  1. Muito boa a história. Eu gostava mais dessa versão da Dona Morte, quando era um personagem andrógino e se chamava simplesmente "A Morte", sem "Dona". Afinal, a morte não é uma pessoa. Também gostava desse visual, com rosto sombrio e sem pernas aparecendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho q colocaram o termo "Dona" para os personagens se dirigir a ela e dar um ar de superioridade. Eu gostava tbm quando se chamava só "A Morte". Podiam pelo menos ter mantido nos títulos da história colocando "A Morte em: xxx".

      O visual assim com rosto listrado é o q achava melhor, dá um tom mais misterioso.

      Excluir
  2. Oi, Marcos! Gosto muito da Dona Morte! HQ bem bacana! Obrigado por compartilhar!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal essa hq. A Dona Morte rende hqs bem bacanas.Abraços

      Excluir
  3. "E visualmente não ficou ruim assim."

    Esses errinhos são uma bobagem. Mas para o MSP atual é algo TERRÍVEL...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Kleiton, são coisas bobas q não vejo motivo de alterar. Aliás, até dá pra aceitar nos almanaques comuns, mas na Coleção Histórica deviam manter esses erros exatamente como foram.

      Excluir
    2. Também acho que na edição história deveriam manter como saiu na época!

      Excluir
    3. Claro, tinham q manter. Corrigindo fica dizendo q tudo é perfeito, q nunca tiveram erro em nada. Se a Magali aparece de vestido vermelho em um quadrinho, por exemplo, deixa como foi na época.

      Excluir
  4. Eu morro de rir muito com as histórias da Dona Morte. Eu dos meus personagens favoritos. Ele tem um humor de matar. kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é muito divertida, suas hqs são ótimas. Adoro a personagem tbm.

      Excluir
  5. Respostas
    1. Sem dúvida Andressa... as antigas são mil vezes melhores em tudo.

      Excluir
  6. Esse é o personagem que mais gosto da Turma do Penadinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm adoro a Dona Morte, é muito legal. Eu tbm gosto muito do Zé Vampir

      Excluir
  7. Olha o bumbum do cascão ai genteee!!! kkkkkk

    Muito boa essa HQ da Dona e os traços então? xD

    http://blogdoxandro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk... essa capa é muito legal rs. E essa hq da Dona Morte então nem se fala.

      Excluir
  8. Adorei essa capa. E as histórias da Dona Morte (ao menos as antigas) são garantia de risada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçada essa capa do Cascão rs. Concordo com vc, as antigas da Dona Morte eram ótimas e muito divertidas mesmo.

      Excluir
  9. Essa edição eu tenho, obaaa, rs. De arrepiar o primeiro quadrinho, noite, morcegos, ventania, uau, que bela arte e também nostálgico, não se desenha mais como antigamente. E tem uma com a fantasia do Mônica na festa. Ótima história da Dona Morte, obrigado pela postagem Marcos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente ficou fantástico esse quadrinho. Não fazem mais desenhos assim, infelizmente. Eu tbm notei a fantasia da Mônica, bem criativa. Legal q vc gostou. Valeu.

      Excluir
  10. Esqueci de dizer, quando puder posta também umas histórias antigas do Piteco aí Marcos, ele é um dos meus personagens favoritos, gosto daqueles senários pré-históricos. Valeu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm gosto do Piteco. Quando der, eu posto alguma. È q são tantos personagens q sempre demora um pouco a mostrar novas hqs. Valeu pela sugestão.

      Excluir
  11. Legal essa HQ, Marcos! Gosto bastante da Dona Morte, mas essa história da postagem é mais uma daquelas que eu não conhecia e que não sabia da existência.

    Bem, eu não tenho muito o que falar dela, mas tenho que admitir que o final foi uma ótima lição de moral pra Dona Morte. Ou seja, nessa história nós aprendemos que não podemos (matar ou) arruinar a vida das pessoas num dia muito especial, principalmente se tratando de dia de festa ou até mesmo no Carnaval. Só que eu vou te confessar que eu quase chorei com esse final, de tão lindo que ele foi.

    E como os traços ficaram lindos, é com esses traços que eu prefiro a Dona Morte assim. Como eu não acompanho os gibis novos da Panini, não sei dizer se a Dona Morte ainda tem o visual clássico ou o ridiculamente novo (http://arquivosturmadamonica.blogspot.com.br/2013/12/mudancas-nos-tracos-do-pelezinho-e-da-dona-morte.html). Então, não dá pra afirmar, não é mesmo?

    Agora, quanto á republicação da HQ, li no Guia dos Quadrinhos que ela foi republicada no Almanaque do Cascão nº 18 de 1992, mesmo esse almanaque não ter sido republicado em fevereiro. Se você tiver esse almanaque, poderia me confirmar se é verdade?

    Enfim, esse foi o comentário. Abraços!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, essa hq é legal, tem um final muito bonito. Eu tbm não acompanho gibis da panini, pelo q vejo são traços aceitáveis no geral, mas não tão bonitos como era na Abril e Globo.

      Sim, ela foi republicada nesse almanaque do Cascão. Abraços

      Excluir