sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Coleção Histórica nº 37


Já à venda nas bancas a Coleção Histórica  # 37.  Esta coleção é formada pelas 5 revistas números 37: Mônica (1973), Cebolinha (1976), Chico Bento e Cascão (1984), e Magali (1990).

Na capa a professora Marocas, com imagem tirada dos primeiros números do Chico Bento, daí ela loura. Nessa edição, as revistas do Cebolinha, do Cascão e do Chico Bento são as primeiras edições de seus respectivos anos. Com isso, nos próximos 2 anos teremos gibis do Cebolinha de 1976, enquanto que Chico e Cascão continuarão em 1984 até por volta de 2018, visto que a CHTM é bimestral e as revistas deles eram quinzenais.

Uma grande novidade nessa edição é que nos comentários estão inseridos os créditos com o nome do roteirista da maioria das histórias, assim como de quem são os desenhos e a arte-final. Em alguns casos, mostram também informações de letras e cores. Se bem que em relação a cores, fica vago, porque só quem tem as edições originais é que vão saber como eram, já que as edições da CHTM infelizmente não seguem as cores originais e são tudo recoloridas digitalmente. 

Achei muito bom incluírem essas informações, sobretudo de roteiristas, e conseguiram dar um fôlego a esses comentários. Sempre foi um desejo antigo dos fãs que, desde o lançamento da revista da Mônica de 1970, as histórias tivessem informações de créditos e o Maurício nunca quis. 

Ele argumenta que não colocam créditos porque tem muita gente envolvida em cada história e que não teria espaço colocar nome de todos e aí só coloca no expediente final ao lado da tirinha. Só que aqueles nomes no expediente são fixos e têm edições que o roteirista não possuem história no gibi. Além disso, a gente não quer saber a ficha completa, apenas quem escreveu (principalmente) e quem desenhou já seria muito bom. 

Sempre lembrando que nesses comentários da CHTM têm histórias que não tem informações sobre créditos, ou senão, informa apenas quem é o roteirista, ou só quem desenhou, mesmo assim já é um avanço. É de surpreender é eles terem essas informações arquivadas nesses anos todos, principalmente as revistas dos anos 70. Tomara que continuem colocando isso nas próximas edições da CHTM.

A seguir comento cada revista separada desse box, destacando o título e sinopse das histórias de abertura de cada uma e o que for relevante em cada revista.



Histórias de abertura e comentários gerais:

No geral, chama a atenção as capas de cada gibis. Com exceção da Magali, todas têm algo incorreto nelas, que não seriam feitas atualmente de jeito nenhum, principalmente a do Cascão. Por isso essas capas são tão engraçadas e tão boas. 

Com essas informações de créditos, nota-se que na época do gibi da Mônica prevaleciam histórias do Maurício de Sousa e do seu irmão que faleceu, o Marcio Araujo. Na época do gibi do Cebolinha, já prevaleciam do Reinaldo Waisman e as demais dos anos 80, dos roteiristas Rubão e Robson Lacerda. Vamos aos comentários:

Mônica - "A sombra" - Escrita pelo Maurício de Sousa, a sombra da Mônica ganha vida e passa a circular pelo bairro. O Cascão a vê e pensa que é a Mônica que ficou suja. Ao descobrirem que não era a Mônica, mas sem saber que era a sua sombra, os meninos jogam uma contra a outra para decidir quem será a dona da rua. 

Dentre as histórias com informação de créditos, Maurício assina outras 3 histórias. É falado na história "Bingo" (em que a turma brinca de bingo enquanto não passa a chuva) que houve vários erros de colorização nela, mas só mostra nos comentários uma delas, que foi o vestido da Magali vermelho na original. Todos os erros das cores, infelizmente, foram corrigidos na edição, como sempre e não mostraram tais erros. 

Parece que teve uma alteração no texto da história "A campeã". Na trama, um empresário de lutas encontra a Mônica e ele quer que ela se torne lutadora de boxe. O erro foi quando a Mônica dá um soco nele, ela fala "O senhor foi você quem pediu!", e tudo indica que na edição original é "O senhor quem pediu"". Eu estou achando a fonte daquele "foi" muito diferente e se encontra muito no canto do balão. Está na cara que teve alteração ali, sim. Mostro abaixo a cena: 

Trecho da HQ "A Campeã"

Cebolinha - "O roubo dos discos" - Um homem pacato se transforma em um bandido toda vez que houve uma música do "Samberto Carlos" (paródia do Roberto Carlos) e passa a roubar todos os discos do "Rei" nas lojas.

Na história do Astronauta, ele aparece de cabelos brancos, como na original e como tem que ser. Embora em 'Cebolinha # 29' ele já apareceu de cabelos amarelos, parece que o visual ainda não estava definido, visto que em 'Cebolinha # 36', Astronauta apareceu com cabelo laranja. 

Como destaque do gibi, a história "Uma pequena barriga" é muito legal. Nela, o Cebolinha cisma que está barrigudo e, junto com o Cascão, arrumam maneiras para o Cebolinha perder a barriga.

Trecho da HQ "Uma pequena barriga"

Ficou muito engraçada a cara do Cascão abrindo os olhos e com cara de surpreso após a concentração deles vendo como ficou a barriga do Cebolinha. Ótimos traços também.

Chico Bento - "A galinha dos ovos de couro" - Chico encontra um suposto ovo de couro no ninho da Giselda e o fato chama atenção da Vila Abobrinha toda e até do presidente de uma fábrica de sapatos da capital, que ao saber do fato vai até lá para tentar comprar a galinha para que não se torne concorrência para ele. 

Sobre as mudanças em relação à original, continuam alterando os gerúndios. Nas edições do Chico da Ed. Abril os gerúndios que eles falavam tinham terminação "-ano" e sempre alteram para "-ando".

Além do gerúndio, outras mudanças do caipirês da turma do Chico, também costumam alterar agora para adaptar ao caipirês atual, conforme foi falado aqui. Ao menos não mudaram os xingamentos "idiota" e "disgramada" dessa vez. Menos mal. Espero que eles passem a colocar os textos sem nenhuma alteração. Abaixo, um desses gerúndios alterados (na original era "tentano"):

Trecho da HQ "O mau jeito" - Gerúndio alterado.

Cascão - "Quem é sujão, primeiro e único?" - Baseada na história da Branca de Neve, o rei Imundo I descobre pelo seu fiel espelho falante que o Cascão é mais sujo que ele e, com isso, o rei resolve dar um banho no Cascão para se tornar, com isso, o mais sujo do planeta. 

Colocaram créditos de cores nessa história, sendo que aí só tem a original para saber como era. Como destaque da edição, a história "Quero sair deste buraco", em que o Cascão lendo um gibi dele cai num buraco e ninguém o ajuda a sair de lá. Muito legal essa história, os traços são ótimos e tem tiradas muito boas. 

Lembrando que os nomes dos personagens no rodapé das páginas junto com a numeração (tipo, "CASCÃO - 3") não existe mais nos gibis do Cascão e nem do Chico Bento desde novembro de 1983, e eles insistem em continuar colocando.

Magali - "A cobaia" - Magali encontra o Franjinha com um rato que será usado como cobaia de uma experiência e ela faz de tudo para salvá-lo da experiência.  

Como destaque, na história "Ela não gostou de mim", mostra a presença da prima Vera, a prima da Magali que não gosta de gatos e cisma com o Mingau. Muito legal essa historinha, e gosto desses trocadilhos. vale lembrar que a prima Vera não apareceu em outras histórias fora essa.

Na história "Come, Duduzinho, come", colocaram normalmente a Magali se referindo a mãe do Dudu como "Dona Cecília", como na original, diferente da edição "Turma da Mônica Extra # 11 - Dudu" em que o texto foi alterado para "tia Cecília. Abaixo, o trecho dessa história:

Trecho da HQ "Come, Duduzunho, come"

Uma história tão legal como essa do Dudu tinha que ser da Rosana Munhoz. Nela, a Magali junto com a mãe do Dudu, resolvem fazer uma receita especial que ele escolheu para ver se ele come. Essas histórias assim eram a cara da Rosana mesmo. O Dudu enterrando comida é o máximo. Foi a única história da Rosana nessa edição, já que, curiosamente, todas as demais histórias do gibi foram escritas pelo Robson Lacerda. 

O gibi da Magali foi o único com todas as informações de créditos de roteiro, desenho e arte-final em todas as histórias, sendo que na história "A cobaia" colocaram informações de créditos de letras e cores, sendo que cores cai no caso de só quem tem o gibi original (assim como eu) para saber como eram as cores.

21 comentários:

  1. Comprei esse box, claro. Vale sempre a pena. Ainda não o li. Depois irei conferir esta postagem mais detalhadamente.

    Quanto a Rosana Munhoz, ela deixou mesmo saudade. Não sei qual a dificuldade do MSP em se conseguir bons roteirista, atualmente. E, mesmo assim, a política atual de falta de criatividade tb tolhe muito da liberdade dos autores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kleiton, o politicamente correto imposto pelo Maurício é q limitam pra abranger a criatividade deles. Até pq ainda existem roteiristas dos anos 80 e 90 no estúdio até hj. Claro q mesmo assim ainda podiam ser mais criativos, mas politicamente correto atrapalha muito.

      Excluir
  2. Agora foi que eu consegui comprar os números 36 e 37 dessa coleção, mas vou estar em busca desses e dos que forem saindo. Talvez seja a única publicação da MSP que eu fique acompanhando. Todas as capas como sempre são muito bonitas. É uma pena as mudanças que fazem, pois com certeza para os fãs, o melhor seria o mais fiel possível do original. Talvez, se os roteiristas tivessem a liberdade de criar, hoje em dia saíriam HQs mais criativas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas capas antigas eram ótimas. Tudo era melhor. Eu não gosto tbm dessas mudanças, ja não bastam as cores serem diferentes e ficarem trocando textos, já é demais né? espero q se ficar enchendo o saco deles, eles passam a não mudar nada, como era antes.

      Tbm acho se os roteiristas hj tivessem mais liberdade, as hqs seriam melhores.

      Excluir
  3. Oi Marcos, tai uma coleção MSP que dá gosto. Deu um trabalhão, mas consegui manter completo todo este material. Essa é a Turma da Mônica gostosa, e mesmo com algumas alterações aqui e ali, como vc menciona nas postagens, ainda é o melhor da Mônica em bancas. A minha caixinha 37 chegou por estes dias, e estou curtindo... Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa coleção vale a pena, apesar das alterações. Afinal, são outros tempos q não voltam mais rsrs. Ainda assim recomendo vc comprar os almanaques q estão vindo com hqs antigas. Folheia aí vc vê quais são bons.

      Abraços

      Excluir
  4. Essa que era a época boa da Turma da Mônica.

    Você repara mesmo em cada detalhe. Dificilmente eu perceberia aquele "foi" com fonte diferente na história "A campeã". Não sei para quê tanta alteração...

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho q depois q começaram a mudar os textos nos almanaques convencionais, passei a ficar mais detalhista nisso.

      Acho nada a ver mudar tudo q encontram pela frente. Tomara q parem com isso, pq a tendência é aumentar cada vez mais essas mudanças, daqui a pouco vai ficar tudo diferente das originais, vão começar a colocar na CHTM cartazes nos muros aonde não tinha, etc. Antes q aconteça, vou sempre alertar essas alterações.

      Excluir
    2. Isso mesmo! Vamos mandar e-mail em massa para que parem com essas alterações já!

      Excluir
    3. Isso aí Natália, se todo mundo encher o saco deles, podem parar com isso.

      Excluir
  5. Você pode recomendar uma boa loja física onde eu possa comprar essas coleções? A Saraiva por exemplo sempre tem né?

    Desde o início de Outubro estou rodando tudo pra achar esse volume 37 e pagar só o preço bruto original (sem frete) mas pelo visto vou ter que recorrer a internet novamente. Nenhuma banca onde procurei tinha!

    Aliás, obrigado por detalhar a edição como sempre tão bem! Muito bom trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saraiva tem, mas costuma ser os últimos números. Tem tbm a Livraria da Travessa. Números mais antigos, acho q só internet mesmo.

      O ideal era o número atual vender em todas as bancas do Brasil inteiro e com boa tiragem. Infelizmente, não é o q acontece e a venda é setorizada com 1 ou 2 exemplares por banca.

      Ah valeu pelo elogio e por ter gostado da postagem.

      Excluir
    2. Ele não põe os créditos porque não quer. Fazer o que? Os artistas dão sua mão de obra em troca da realização do dinheiro no bolso e de verem seus trabalhos publicados. E assim é em muitos estúdios. Essa política boa de creditar os artistas infelizmente não é seguida ainda como deveria.

      Acho que para o artista tanto faz, desde que ele se sinta realizado e continue trabalhando com o que gosta.

      Excluir
  6. Marcos, você observou bem sobre as letras nos balões. Não tenho opinião sobre isso. Acho que é uma preocupação boba, já que isso veio lá do passado, que se mantivesse como no passado. Mas também não acho ruim de consertarem. Esse é o tipo de mudança que não diz nada a mim.

    Sobre as revistas, parece que Mônica e Cebolinha estão mesmo bem interessantes. Esta semana vou procurar para ver se acho a coleção pra comprar.

    ResponderExcluir
  7. Essas do Cascão e do Chico já são da minha época, porém, não me lembro dessas revistas e muito menos das histórias. Que bom, material inédito pra mim!

    Essa revista da Magali, tenho que ver... a priori, pareceu que as histórias já estão tentando se tornarem comportadinhas já naquela época. Mas pode ser que, folheando ela, eu tenha uma impressão melhor.

    Uma boa postagem, resumindo bem o que de melhor elas trazem pra gente.
    Obrigado por compartilhar aqui.

    Abraços, boa semana!


    Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiano, sobre os créditos não colocam pq o Maurício não quer mesmo. Eu gostaria de saber quem escreve cada hq, seria bom q tivesse, mas não esquento se não colocam.

      Sobre as alterações, eu não gosto q mudem nada, devia ser um réplica das originais. Das cores, até aceito, mas texto não vejo motivo pra mudar.

      Sobre o gibi da Magali, não tem nada de comportado, nem tentando ser. Esse gibi tá ótimo, por sinal, tudo bem incorreto (principalmente a hq do Dudu) assim como todos os gibis da época. Politicamente correto só a partir do final dos anos 90.

      Legal q gostou da postagem. Boa semana. Abraços

      Excluir
  8. O que me chama a atenção é que em 1991, eram 4,5 roteiristas. Hoje, com mais de 15, não tem roteiros tão bons quanto os dessas épocas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho q em 1991 tinham mais de 5 roteiristas (alguns estão lá até hj), porém eram menos do q se tem hj.

      Com certeza, os roteiros de 1991 são mil vezes superiores do q de hj, sem comparação.

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. kkkk fiz um meme com a cara do cascão ''hmmm interessante''

    ResponderExcluir