terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Rei Leonino: HQ "O roubo dos capacetes reais"


Mostro uma história de quando Rei Leonino precisou desvendar um mistério dos capacetes dos guardas reais desaparecerem de repente. Com 9 páginas, foi publicada em 'Mônica Nº 184' (Ed. Abril, 1985).

Capa de 'Mônica Nº 184' (Ed. Abril, 1985)

Começa com narrador observador apresentando a Floresta do Matão, que estava toda adormecida e que o barulho é quebrado apenas pelas aves noturnas, como corujas, mas que o leitor desconfiar que algo misterioso está prestes a acontecer. Aparece o Palácio Real, onde o guarda estava dormindo imprudentemente e criaturas estranhas invadem o Palácio do Rei Leonino Primeiro e Único. As criaturas saem de lá e o guarda ainda estava dormindo e sonhando, inclusive.


No dia seguinte, Ministro Luís Caxeiro Praxedes descobre algo terrível aconteceu e precisa contar o ocorrido ao Rei Leonino, mas tem medo de como ele vai ficar furioso e ainda contando logo no momento que acorda. Rei Leonino pergunta o que ele está fazendo tão cedo em seus aposentos reais e Luís Praxedes pergunta como ele vai naquela manhã.

Rei Leonino conta que mais ou menos e para contar logo o que quer. Luís Praxedes conta que ladrões estiveram no Palácio durante a noite. Rei Leonino fica furioso e pergunta o que roubaram lá, se foi o tesouro real, as joias da coroa ou o ursinho de pelúcia. Luís Praxedes conta que foram os capacetes reais. Rei Leonino acha uma vergonha os guardas serem roubados e como vão protegê-lo se não cuidam nem de si próprios. Os guardas falam que não foi culpa deles, os ladrões arrombaram os armários e o alojamento fica do outro lado do Palácio.


Um guarda fala que a culpa foi do sentinela da entrada, que estava dormindo na hora. Ele diz que lutou bravamente, mas como eram muitos o levou a nocaute. Os ladrões eram monstros gigantes, mas logo é descoberto que estava mentindo, pois as pegadas que estavam na entrada do Palácio eram pequenas e, assim Rei Leonino ordena que eles organizem uma busca e prendam os ladrões, que é a honra do Palácio que está em jogo.


Luís Caxeiro e os guardas vão atrás dos ladrões e como não tem sucesso, eles vão interrogar todos os súditos do reino, mas acabam todos zombando deles por causa desse roubo, achando que os guardas eram incompetentes. Logo depois, enquanto caminho, eles reparam que aumentou a população de tartaruga no reino e quando Luís Caxeiro vê o casco de uma delas, nota que eram os capacetes dos guardas que elas estavam usando como cascos e, assim, todas as tartarugas são levadas para o Palácio, inclusive o Tarugo que não tem nada a ver com isso.


Rei Leonino fala que as tartarugas vão aguardar julgamento do crime na cadeia. Então, uma tartaruga interrompe e diz que foram elas que foram roubadas, que um misterioso forasteiro invadiu o vale delas enquanto dormiam e roubaram os cascos de todas elas. Quando amanheceu, viram que estavam peladas, tentavam outros vestimentos, mas não adiantavam, até que avisaram que naquele reino os guardas estavam usando os cascos delas como capacetes e as foram lá buscar o que eram delas.

Luis Caxeiro Praxedes interrompe, falando que era uma infâmia e que o Rei Leonino não devia acreditar nelas. Rei Leonino pergunta onde ele mandou fazer os capacetes dos guardas, já que era o encarregado dos uniformes deles. Com a pressão, o ministro confessa que se apropriou dos cascos porque serviam como uma luva como capacetes e ainda eram de graça. Rei Leonino manda soltar as tartarugas e as convidam para ficarem como súditas do reino, mas elas preferem voltar para o vale.


Rei Leonino dá bronca no Luís Caxeiro, que foi ridicularizado, desmoralizado e os guardas desuniformizados por causa da incompetência dele. O ministro sugere que vai providenciar capacetes parecidos com os outros, mas que vai demorar um pouco para chegar. Rei Leonino ordena que ele arrume capacetes provisórios já e, assim, os guardas ficam com capacetes de panelas, e continuam sendo ridicularizados de qualquer forma.


Uma história muito legal e bem bolada, deixa os leitores envolvidos com um mistério do sumiço dos capacetes dos guardas reais, interesse em saber quem foi, por que fizeram isso. É até grande para os padrões da época da Editora Abril, mas como é tão bem roteirizada, que chega a ser envolvente e nem percebe que tem 9 páginas.


Legal ver as tartarugas sem casco e colocando folhas e flores pra se cobrirem, assim como as desculpas dos guardas pra justificar o roubo dos capacete se as broncas do Rei Leonino para o Luís Caxeiro Praxedes, sempre rendiam boas histórias. Teve absurdo das tartarugas não verem seus casacos sendo tirados pelo Luís Caixeiro, iam acordar com o movimento, mas por ser histórias em quadrinhos, é válido e fica mais interessante. O narrador observador contando a história no início sempre fica legal esse recurso. Curioso a Coruja falar "Bidu" no início da história, mas foi como para interagir com o narrador, no sentido de que ele adivinhou.


Gostei também do termo "Floresta do Matão" onde a Turma da Mata vive, mas esse nome não seguiu adiante, ficou só nessa história. Bem que podiam ter mantido esse nome para o lugar que eles vivem, ou terem inventado outro depois. Impublicável hoje em dia, justamente por ter esse tema de roubo e ladrões fora o maltrato aos animais, com tartarugas tendo seus cascos tirados à força, e também um personagem fixo ser o vilão e ladrão da história, no caso o Luís Caxeiro Praxedes. E mais uma vez "Droga!" sendo falado livremente sem paranoia nenhuma como é hoje em dia.


Os traços muito bons, já na versão clássica dos personagens consagrada dos anos 80. Interessante que o Coelho Caolho ficou com roupa vermelha ao invés da amarela tradicional. Gostava também do recurso das cores em tons azuis quando os personagens pensavam ou mostrava algo que aconteceu no passado. 

Foi republicada em 'Almanaque do Chico Bento Nº 12' (Ed, Globo, 1990), que foi de onde eu tirei as imagens da postagem. Abaixo, a capa desse almanaque:

Capa de 'Almanaque do Chico Bento N 12' (Ed. Globo, 1990)


* Em tempo: atualizei postagem da história "Deus Cebola" colocando completa. Clique AQUI para ler.

8 comentários:

  1. Muito DEZ essa HQ..tb não tenho os gibis na coleção foi inédita!! kkk :)

    ResponderExcluir
  2. Marcos, você vai comprar a edição 45 da Turma da Mônica? A Milena é a personagem principal da primeira história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo indica que vou comprar. Se eu comprar, falo dessa revista aqui.

      Excluir
  3. Essa história é maravilhosa. Eu tenho esse gibi da Abril mas infelizmente não tenho o almanaque da Globo. Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa mesmo. Já eu não tenho esse gibi da Mônica da Abril.

      Excluir
  4. Tenho 40 anos e esse foi o terceiro gibi da Mônica que eu tive contato na vida(eu tinha então 7 anos). Ainda o tenho até hoje, sem a capa infelizmente mas nunca me esqueci que era essa capa ai mesmo.
    Eu adorava e adoro essa história, muito boa em roteiro e desenho. Engraçado que cada quadro, cada desenho, expressão facial de personagem, me são claras e inesquecíveis, cada traço decorado na mente.
    Nessa época não tinha gibis mensalmente em mão. Ganhava um gibi e ai seriam muitos meses pra ter outro. Então um único gibi era lido e relido varias vezes. E como sempre desenhei e hoje sou ilustrador, eu copiava todos esses desenhos.
    Que nostalgia deu essa postagem. Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom quando a gente vê postagem que dá nostalgia. Que bom que você gostou. Esse gibi não tenho, mas devo ter quase todas as histórias republicadas em almanaques diversos. Guarde com carinho esse exemplar que tem, mesmo sem capa.

      Excluir