sexta-feira, 23 de maio de 2014

Jotalhão: HQ "Solução de peso"

A história que eu mostro é com o Jotalhão de quando ele sentiu dor no dente e os apuros que passou ao tentar tratar do tal dente. Ela tem 10 páginas e foi publicada em 'Cebolinha Nº 45' (Ed. Globo, 1990). 

Capa de 'Cebolinha Nº 45' (Ed. Globo, 1990)

Começa com o Raposão se assustando com um grito vindo da floresta e pensa que era do Rei Leonino. Quando vê, era o Jotalhão com uma grande dor de dente. Raposão o aconselha, ir ao dentista, que fica na cidade onde vive os homens.


Então, Jotalhão vai até lá, mas no caminho se cansa e descansa ao lado de uma pedra. Enquanto isso, chega um caçador e resolve aproveitar que o Jotalhão está dormindo para pegar o seu marfim. Não achou muito grande, mas como estava conservado seria bom para a sua produção. Na hora que estava preparando a sua espingarda para atirar, acaba a munição e o Jotalhão acorda com o barulho e deixa o caçador preocupado. Jotalhão pergunta se ele era dentista e confirma, deixando superfeliz. 


Jotalhão fala que o seu dente direito está doendo muito, e o caçador fala que será preciso extrair os dois porque aí o outro nunca vai doer também. Então, o caçador o manda deitar e tenta arrancar, mas não consegue e reclama que nunca arrancou dente de elefante vivo. Jotalhão estranha e o caçador dá desculpa que nunca de um elefante vivo, no sentido de esperto e inteligente.

Com isso, o caçador resolve arrancar amarrando um cipó no dente em uma pedra e fazer com que o Jotalhão pule do precipício, mas também não deu certo, já que com o peso do Jotalhão a pedra se soltou e caiu em cima do caçador.


Depois, o caçador resolve colocar dinamites embaixo da tromba do Jotalhão para explodir tudo. Porém, também não funcionou e o Jotalhão só ficou queimado, mas ainda vivo e com os dentes intactos. O caçador fica furioso e fala que vai levá-lo inteiro. Jotalhão diz se vão ao consultório e ele diz que sim. No caminho, encontra vários esqueletos de elefantes e o caçador fala que é o Santuário dos Elefantes, um cemitério muito respeitado por todos. 

Chegando lá, o caçador fala aos seus amigos que não conseguiu arrancar as presas dele e um deles fala que os dentes são muito pequenos e manda levá-lo para jaula. Jotalhão estranha um pouco as jaulas e os outros vários marfins com os caçadores.


Já na jaula, encontra com outro elefante e pergunta se o dentista estava medicando alguém, pensando que era uma sala de espera. O elefante responde que estão presos. Jotalhão fala que não fez nada e outro diz que o problema foi nascer elefante. Diz, ainda, que tiveram sorte que só vão perder a liberdade indo a um zoológico, mas continuarão vivos, coisa que não aconteceu com os outros, que foram mortos para conseguirem seus marfins. E comenta também de outros animais em extinção, como jacaré, raposa, etc.


Jotalhão, então, fica revoltado e superfurioso. Ele arrebenta as jaulas, e um caçador ameaça atirar, mas Jotalhão quebra a arma da mão dele. Com o grito dele, espanta todos os caçadores. O elefante avisa que eles são uma quadrilha de traficantes e que vão voltar com reforços. Jotalhão diz pra irem embora enquanto é tempo e espera que ele o elefante tenha mais sorte na próxima vez. 


Eles se separam e Jotalhão volta pra casa. Raposão pergunta se ele tratou do dente e ele diz que até esqueceu da dor. falou que nem foi na cidade, já que na própria casa já é perigoso. Raposão achou bobagem e Jotalhão diz que a pele de raposa é muito apreciada pelos homens. Raposão pergunta se alguém não pode fazer nada por eles e  o Jotalhão fica esperançoso que depois dessa história, sim.


É uma história legal que começa engraçada e ao longo dela vai ficando séria com uma boa mensagem de conscientização ecológica sobre tráfico e extinção de animais. Vemos um Jotalhão bem inocente, só preocupado com a dor de dente e nem notou o que estava passando na sua frente, até ver que foi passado para trás e se revoltar. Apesar da boa lição, essa história não seria publicada atualmente por causa da espingarda do caçador e as várias tentativas maliciosas de detonar com o Jotalhão. E até tem um traficante tipo canibal pintado todo de preto, que hoje seria preconceituoso.


Os traços são bacanas, são bem grossos e agrada bastante.  É difícil ter histórias da Turma da Mata contracenando com homens brancos e interessante o Jotalhão conseguir conversar com os humanos normalmente. O Bidu, por exemplo, não falam na frente dos humanos, mas os personagens da Turma da Mata, sim. Afinal, história em quadrinhos, tudo pode.


Tem outros absurdos também como pedra rolar do precipício e não matar o caçador que ficou debaixo dela, assim como a dinamite que explodiu com o Jotalhão e ele permanecer vivo. Absurdos próprios de história em quadrinhos e que por isso a torna tão legal. Aliás, essas situações atrapalhadas lembram os desenhos animados do Papa Léguas em que o Coiote fazia de tudo para pegá-lo. O roteirista deve ter tido influência.  Nas imagens da postagem, coloquei completa.

33 comentários:

  1. Oi Marcos, esta é a TM que a gente gosta. Acho melhor focar no passado e usufruir deste tipo de conteúdo, do que se desgastar tentando entender a turma atual.

    Nesta hq, vemos a inocência do Jotalhão, ele não vê maldade nos homens. até o ponto em que ele é alertado e ganha consciência de que está sendo prejudicado e enganado. Por isso é uma boa história. Porque mostra a capacidade de mudança, de perceber que "nem todos são bons como parecem". Isso ajuda a criança que está lendo, a se posicionar e se defender com os adultos à sua volta. São histórias assim, com mensagem subliminar favorável, com a tal "moral da história" que faltam hoje em dia.

    E concordo com você, em muitos aspectos a trama ficou parecida com desenho animado, como deve ser. A Turma da Mônica peca às vezes, por querer ser baseada na realidade, mas, assim fantasiosa é muito melhor. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Paulo, essa hq ensina muita coisa, sem ser chata e didática demais. A gente se diverte e aprende. Gibi é fantasia, não tem q ser tudo explicado. Por isso as antigas eram muito melhores. Abraços

      Excluir
    2. Pois é. Uma história que nos ensina algo e tem 'moral da história', mas que ao mesmo tempo é divertida e sem tentar ser 'politicamente correta' ou inocente demais.
      Bons tempos, com certeza!

      Excluir
    3. Isso aí, foi feita na medida certa. Dá pra se divertir aprendendo e isso qa torna tão boa. Sem dúvida uma ótima época da MSP.

      Excluir
  2. Acho que eu já vi essa história em algum almanaque da Panini... Sim, foi num do "Chico Bento" ou num da "Turma da Mata". Acho que não teve nenhuma alteração. Se encontrar na coleção, aviso falando se teve ou não alterações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como o Andre falou, ela foi republicada no Almanaque do Chico Bento nº 21... não lembro se foi republicada nos almanaques da própria Globo, acredito q sim. Ainda bem q não alteraram nessa republicação da Panini.

      Excluir
  3. Essa historia é muito bonita mesmo! Marcos, eu tenho essa HQ republicada no ''Almanaque do Chico Bento nº21 - editora panini''. Não teve alterações, logo na pagina de apresentação do almanaque eles informam o que transcrevo aqui: ''Em solução de peso, Jotalhão precisa lutar por sua sobrevivência! Nesta historia, aparece um caçador armado, cena que não utilizamos mais em nossas revistas! Mas a mensagem desta revista é tão bonita, que resolvemos republica-la em sua forma original, sem cortes!''. Eles mesmo informam que não tem cortes, lembrei dessa HQ assim que comecei a ler essa postagem, pois lembro que gostei muito dessa do Jotalhão. Ótima postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal! Nem sabia disso. Esse almanaque é de 2010, e ainda não tinham tanta paranoia de mudar tudo q viam pela frente. Eram poucas mudanças. Começou essa tosqueira pra valer em 2013.

      Assim q tinha q ser, colocavam no prólogo ou no rodapé q não fazem histórias assim e não ficar mudando. Se bem q vendo esse texto, parece q só não mudaram pq acharam bonita demais pra ser alterada, senão seria.

      É uma hq muito boa sim, q bom q gostou da postagem.

      Excluir
    2. É a maioria dos meus almanaques são de 2010 para baixo.E algumas vezes tinham essas mensagens no prólogo. E já vi uma em que deixaram o caçador com arma.O mais engraçado é que os pessoal da mata chamam eles de macacos pelados, achei estranho,eles não conhecem os seres humanos?

      Excluir
    3. Eles não seguem uma cronologia aí as vezes eles conhecem os humanos, e em outras vezes não. nessa hq q mostrei eles conheciam. A verdade é q são raras as hqs deles contracenando com os homens, são só com os bichos da floresta.

      Excluir
  4. Muito boa. Eu adoro a turma da mata! Acho que até hoje esse núcleo ainda rende boas histórias mesmo com tantas restrições. Esses dias li uma HQ que o Jotalhão, com a ajuda do Coelho Caolho e Tarugo, tenta desfazer um nó da tromba. Muito legal!

    Mas enfim, essa época era muito melhor. Bons tempos.

    Ps: Está faltando a pág. 34. Abçs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dentre as q vi, até q as hqs desse núcleo não são tão ruins, mas hqs do tarugo com os filhos do Coelho Caolho não gostei não. Essa hq q vc citou não conheço. As hqs dessa época eram bem melhores, sem dúvida.

      Realmente acabei esquecendo a pág. 34, mas já coloquei agora. Abraços

      Excluir
  5. Marcos vc esqueceu de um pequeno detalhe que acho que até eu tiraria ( as armas eu deixaria pq não faria sentido) falo do negrinho escravo,que com traços bem racistas e referência a tribos canibais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos vc teria como colocar "A ilha misteriosa"?
      Tem uma cena muito engraçada que eu queria rever. Pois tiraram essa história do site da Mônica.
      É aquela em que a Mônica fala que a situação em que ela e o Cebolinha estão vivendo é parecida com o filme "A canoa azul"(A Lagoa Azul),ela conta toda a história resumida desse classico, no inicio o cebolinha gosta pois pensa em algo tipo Tarzan,para morar numa cabana e lutar contra habitantes.Porém sua expressão muda quando a Mônica fala que as crianças do filme crescem,descobrem o amor e tem um filho, nessa hora o Cebolinha imagina tudo acontecendo com eles, pensa como seria o filho deles, é a parte mais hilária da história.
      Pena que na adaptação para o desenho,eles tiraram essa parte.E por nada o Cebolinha começa a gritar e ficar assustado.

      Excluir
    2. O negrinho traficante parece q a intenção era pra dar ideia de ser canibal. nessa época eles já deixaram de pintar os negros de pretos, mas uma vez ou outra acontecia. Vê o Jeremias q era preto carvão e depois passaram a colocá-lo marrom nos anos 80...

      Sobre a hq "A ilha misteriosa" se der eu posto. Ela é de Mônica nº 72, de 1992. Só q vou dar um tempo pq atualmente eles estão re-republicando hqs de 1992 nos almanaques da Mônica e pode ser q eles republiquem em breve se continuarem assim.

      Se bobear ainda esse ano eles republicam novamente em algum almanaque atual dela ou quem sabe em um Grande Almanaque de Férias. Se republicarem com certeza te aviso.

      Excluir
    3. O filme devia estar em alta msm... dos cinemas para povoar a Sessão da Tarde... nasci na época errada... volta anos 90... kkkkkkkkkkk

      Excluir
    4. O filme estava em alta na época sim, até pq fizeram a "A volta a Lagoa Azul" em 1991. Esse e o primeiro "A Lagoa Azul" de 1980 são um dos mais repetidos na Sessão da tarde, até hj colocam, mesmo predominando filmes atuais no programa.

      Excluir
    5. Ah, mas eu gosto quando exibem. Ano passado, exibiram Lagoa. Esse ano, já exibiram a continuação. Espero que a Globo continue exibindo pelo menos um filme clássico por semana. Só tem que acabar com o Cine Fã-Clube e colocar a Sessão de Sábado no lugar, pq os filmes ñ tem nada a ver msm.

      Enfim, voltando aos quadrinhos, achei bem legal a citação da turminha ao filme, lembra msm o enredo do longa.

      Excluir
    6. Eu tbm gostei, foram bem criativos. Eles sempre foram antenados com a atualidade.

      Excluir
    7. O engraçado mesmo foi o Cebolinha imaginando o filho deles, com cabelo espetado porém mais grossos,dentuço e com sardas. XD
      Ele ainda se imaginou um adulto fortão. Sempre se achando o mais.
      A Mônica parecia um pouco com a Tina.
      Para falar a verdade,antigamente quando a Mônica era retratada com mais idade usando um cabelo similar ao da Tina. Mas em alguns momentos colocavam ela de cabelo curto. Nunca gostei muito,sempre achava que ela deveria ficar com igual a Tina.

      Excluir
    8. Eles mudavam a aparência de acordo com o desenhista, daí as vezes a Monica adulta aparecer com cabelo longo ou curto. mas tbm preferia quando aparecia com cabelo comprido.

      Excluir
  6. Foi muito legal , ótima historia ,traços perfeitos .Se republicar hoje o IBAMA não aceitaria nem o Mauricio. Adoro suas postagens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk... com certeza iam ficar de cabelos em pé. Teria alterações em tudo. Q bom q gosta das postagens. Valeu!

      Excluir
  7. Olá, Marcos! Eu já vi essa HQ. Só não me lembro aonde foi. Tive essa revista do Cebolinha, provavelmente deve ter sido lá mesmo, porque esse Almanaque do Chico Bento da Panini eu não me lembro de ter aqui... preciso ver na minha pilha de revistas.

    É uma boa história, com os supostos maus exemplos que a MSP hoje em dia vetaria, mas ensinam bem as pessoas mais jovens a não acreditarem tão facilmente em tudo o que se vê. É aquilo que falo sobre a MSP errar em tirar os maus exemplos de suas histórias, pois as pessoas veem e aprendem com eles.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, se vc teve a original foi daí q vc viu mesmo rsrs... a hq é bacana, sim, tbm acho q dá pra aprender com as coisas erradas de forma bem divertida. Só eles q não percebem isso agora. Abraços

      Excluir
  8. Adoro a turma da mata! Queria mais histórias deles!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Turma da mata é legal. Quando possível vou colocar hqs eles aqui.

      Excluir
  9. Muito bem, Marcos. Um post de uma das melhores HQs da Turma da Mata. Eu já conhecia a HQ, mas comecei a ler quando ela foi republicada no Almanaque do Chico Bento # 33 (Ed. Globo, 1996), que também republicou a HQ Isto é uma Piscina (CHB # 70, Ed. Abril, 1985). Achei que ela também foi republicada em algum almanaque da Turma da Mata e Papa Capim da Panini, não sei bem direito, mas que é uma HQ clássica, é mesmo. Então corrige aí, a HQ Solução de Peso foi republicada no Almanaque do Chico Bento 33 (Ed. Globo, 1996), OK? Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, essa hq do Jotalhão foi republicada no Almanaque do Chico Bento 33... nem lembrava mais, mas vc me lembrou agora. Abraços

      Excluir
    2. Ah, Marcos, ouvi nos comentários acima ouvindo da HQ A Ilha Misteriosa (ou A Ilha da Baixaria), de Mônica # 72 (Globo, 1992). Simplesmente, eu também queria que você falasse dessa HQ um dia. É muito boa, virou desenho e ainda dava pra lê-la no antigo portal da Turma.

      Mas caso você não tenha, essa HQ foi republicada no Almanacão de Férias # 22 (Globo, 1997), que também republicaram Magali, A Garota-Propaganda (MG # 25, Globo, 1990) e O Rei e a Rainha da Rua (CB # 43, Globo, 1990). E olha, só fui conhecer as republicações no Guia dos Quadrinhos, porque não tenho o almanacão. Você também conhece essas duas histórias? Seria bom se você falasse delas um dia aqui no blog. Abraços!

      Excluir
    3. Eu tenho as originais. Conheço todas. Algum dia quem sabe falo delas. Abraços

      Excluir
    4. Ah, Marcos, sabe o que eu esqueci? Essa HQ do Jotalhão da postagem parece que foi republicada de novo no Almanaque do Chico Bento # 21, de 2010. Só não tenho certeza, porque eu não tenho esse almanaque.

      Eu nem sei se também teve aquelas alterações ridículas, afinal como você mesmo disse na postagem, ela é bem politicamente incorreta pros dias de hoje.

      E é só isso mesmo que queria te lembrar, pois eu acho que você não tem esse almanaque, pelo fato de ter a HQ no gibi original. E fique torcendo pra que nesse almanaque não tenho as malditas alterações. Abraços!

      Excluir
    5. Como falaram aí em cima, não teve alteração na nova republicação da Panini. Abraços

      Excluir