quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Capa da semana; Chico Bento Nº 60

No Dia do Folclore, uma capa que representa bem o folclore brasileiro com Chico Bento e o Tomé assustados com as presenças do Saci, Mula-Sem-Cabeça e Lobisomem na noite na mata, fazendo referência a história de abertura "Primo Tomé".

No segundo semestre de 1984 os gibis do Chico Bento e do Cascão estavam com capas com alusão à história de abertura, além de alguns da Mônica e, com isso, capas assim não estavam exclusivas com Cebolinha, mas em meados de 1985 já voltaram com capas com piadinhas tradicionais. E os gibis  de agosto e dezembro de 1984 tinham um selo com o Bidu bem caprichado comemorando os 25 anos da MSP até então.

A capa dessa semana é de 'Chico Bento Nº 60' (Ed. Abril, Novembro/ 1984).


domingo, 18 de agosto de 2019

Mudanças em "Almanaque Temático Nº 51" - Panini

O 'Almanaque Temático Nº 51 - Magali Fadas e Bruxas' teve várias alterações em relação às histórias originais, muitos absurdos, algumas bem revoltantes que até deu para criar uma postagem sobre isso.  Nessa postagem mostro, então, as alterações que fizeram nesse 'Temático' da Editora Panini.


Lançado no final de julho de 2019 e atualmente dá para encontrá-lo nas bancas, esse 'Temático' custa R$ 9,50 com 160 páginas no total e reúne histórias sobre fadas e bruxas de todos os tempos da Editora Globo. São histórias da turma toda, não apenas da Magali, já que tiveram outros Almanaques Temáticos dela com temas de fábulas e, assim, como insistem sempre colocarem os mesmos temas, resolveram colocar histórias de outros personagens para não ficarem as mesmas histórias. Com isso, histórias da Magali foram só 4, incluindo a tirinha final, história de abertura não foi da Magali e todas dela já republicadas em outros temáticos de fábulas da Magali.

O que chama a atenção, foram as alterações. Sabe-se que em todo almanaque da Editora Panini tem alguma alteração em relação às originais para atender ao politicamente correto. Tudo que consideram incorreto nos gibis originais, eles fazem mudanças, seja alterações de texto ou até mesmo desenhos. 

A mudança maior foi, então, na história "Uma lição para a Magali", de Magali Nº 221' , da Editora Globo, 1997, escrita por Emerson Abreu. Nela, uma fada protetora da Magali a vê comendo demais e resolve dar uma lição para ela controlar a sua gula. Só nessa tiveram 7 mudanças em relação à original, o que pode concluir que se tornou uma nova história adaptada aos tempos atuais. Como foram tantas mudanças em uma mesma história, a ordem das imagens na postagem coloquei como da alteração mais branda para a mais revoltante do que eu achei e não a ordem cronológica da história.

A primeira mudança, a menos pior de todas, foi recolorir o cabelo da Denise para ficar igual a como está atualmente. Antes, a Denise aparecia com um visual diferente a cada história e só a partir de 1998 que ela ficou com traços definitivos. Eles mudando o cabelo dela, tira a magia da época de saber como foi desenhada em cada história, fora mudar o trabalho do desenhista da época original. O cabelo da Carminha FruFru amém foi mudado colocando um amarelo claro, na original era meio alaranjado.



Outra mudança foi na parte que o Cascão fala que o legal de fazer piquenique que é uma coisa feita entre amigos, lance de amizade e confraternização. Na original de 1997, Cebolinha responde que isso é coisa de "frutinha" (gay) e os 2 começam a brigar feio e só depois a Mônica tira o Cascão da briga. Na republicação desse "Temático", mudaram a cena toda. Agora o Cebolinha respondeu que é coisa sem graça o que o Cascão falou e a Mônica separa os meninos antes de começar a briga, alterando todo o desenho original, dimensionando o desenho da Mônica ao centro e redesenhando o Cebolinha atrás dela. No primeiro quadrinho, também invertem a posição da Mônica e Cebolinha pra fazer sentido da Mônica separar a briga logo. Na sequência, tiram a fala agressiva do Cascão com ele falando que ia confraternizar com o nariz do Cebolinha, o seja, ia quebrar, arrebentar com o nariz dele na briga e colocando só "Grr!" no lugar...



No caso tiraram a fala do Cebolinha chamando o Cascão de frutinha para não menosprezar os gays, não dizer que é bullying, sendo que nos gibis antigos era coisa muito comum isso, fora que mudaram o sentido, pois seria mais natural o Cascão ficar brabo a ponto de parir para briga por chamar de "frutinha" do que só porque o Cebolinha achou que era coisa sem graça ter confraternização dos amigos. A mudança dos desenhos com eles brigando foi para não mostrar a violência dos meninos brigando, pois não querem mostrar brigas e violência nos gibis atuais. Se Mônica raramente dá coelhada nos meninos, imagina mostrar uma pancadaria entre os amigos.

Na hora da alteração, eles copiaram e colaram a cara do Cebolinha dessa outra cena com ele mostrando a língua da mesma história. Muito bizarro.



Outro caso é o fato da Magali não ter mais a fome exagerada nos gibis atuais. Não aparece mais ela comendo nada  e muito menos devorando tudo que encontra pela frente e os absurdos que tinham em relação a isso. Com isso, os gibis dela estão chatos, é raro falar  de comida e quando tem algo relacionado, ela não come nada. Por causa disso, fizeram uma série de alterações nessa história para que fique mais parecido com a Magali atual.

Toda vez que falavam que ela era gulosa no gibi original, mudaram tirando isso. Na parte que a Fada Rosa avista a Magali tiraram a parte da fada falando que ela não conseguem entender o que os amiguinhos estão sentido em relação à sua gula para "ao seu apetite", pois a Magali não pode ser mais chamada de gulosa nos gibis.



Mudaram também a parte que a Mônica reclama que a gula da Magali estragou o piquenique deles, trocando "gula" por "apetite".


Quando a Magali falou ao Avestruz que foi super-egoísta e gulosa, mudaram para esfomeada, para amenizar a situação. É que gulosa dá um sentido de compulsão, comer por comer, e esfomeada é que ela estava realmente com muita fome, algo mais inocente como justificativa para comer tanto.



Curioso que nesse quadrinho aqi mantiveram a palavra "gulosa", acabaram esquecendo de mudar, porém ainda teve alteração, mudando "aí" na original para "aqui" na  republicação para tirar erro gramatical que teve na época.



Quando a Magali avista o Avestruz, em 1997 ela fala que vai fazer uma canja do avestruz  e não dividir com ninguém e agora no 'Temático' mudaram que o ovo que o avestruz vai colocar vai dar uma enorme gemada. Nesse caso, além de amenizar a fome da Magali, tiraram o sentido de matar o avestruz para comer para não ter maltrato contra os animais, e, assim, passaram a amenizar com ela ficando de olho só no ovo que avestruz ia colocar.

Com essa mudança, de quebra, também tiraram o lado egoísta da Magali que também era o enredo da história. A Magali antiga  era egoísta quando se tratava de comida, ela fazia de tudo para esconder dos seus amigos as coisas que ela comia para não poder dividir com ninguém e comer tudo sozinha (eu também adorava essa personalidade dela) e a Magali atual não faz mais isso,e, com isso, alteraram isso nesse trecho.


Até o final da história eles mudaram. Ultimamente, a MSP está com certo preconceito aos personagens gordos originais, estão desenhando bem mais magros do que eram antes. Personagens como Dona Cebola, Pipa, Thuga, Nhô Lau, Tia Nena, Quinzinho, Dona Carmem da Esquina, entre outros, estão magros agora e, com isso, descaracterizando os personagens e excluindo gordos nas histórias.

Considerando isso, nessa história da Magali, quando a fada Rosa voltou ao seu estado normal, feliz que a Magali tinha prometido controlar a sua gula e o seu egoísmo, ela fica aliviada porque isso é perigoso para as pessoas e para as fadas também, aparecendo ela bem gorda, já que toda vez que a fada comia, engordava e acabou ficando obesa. Agora, simplesmente redesenharam a cena colocando a fada magra e esbelta, tirando a fada obesa da revista original. Não deu pra entender essa mudança tão radical e mudando o sentido do final da história, .


Ficou difícil de entender esse final. Na versão de 1997 foi a fada por ver a Magali comendo demais, se transformou em avestruz e passou a comer tudo que vem pela frente para conscientizar a Magali para não ser gulosa. Só que como a fada não é como a Magali que come, come e não engorda, ela acabou ficando gorda quando voltou a sua forma normal de fada. Agora na alteração, não teve sentido nenhum. O que deu pra entender por causa das estrelinhas é que a fada ficou com dor de barriga por ter comido muito, mas nada confirmado, tudo muito confuso. Tudo só para não mostrar personagem obeso na história, como se fosse errado alguém ser gordo e obeso. Revoltante! Era bom quando tinham personagens diferenciados, uns gordos e outros magros, uns orelhudos e outros não, uns narigudos, outros não, e agora segue tudo um padrão. Pode ver que nem Chico Bento não é mais narigudo como era antes, tornando-se um certo preconceito nisso.

Acho que redesenhar uma cena antiga para não mostrar personagem gordo e obeso foi um absurdo maior ainda, a que ponto chegaram. Pode ser que a MSP ache que colocando gordos nos gibis seja uma caricatura, ridicularizando, uma espécie de bullying, mas por outro lado, os gordos e obesos na vida real ficam se sentindo excluídos com os gibis retratando só gente com corpo em forma e com padrão de beleza. De curiosidade, fada Rosa foi homenagem que o Emerson fez à roteirista Rosana Munhoz que havia falecido em 1996.

Não foi só essa história da Magali que teve alterações, outra que também teve algumas mudanças nesse 'Almanaque Temático', foi a "Noite do medo" de 'Cascão Nº 34' - Editora Globo, 1988. Nela, Cascão e Mônica resolvem desvendar um mistério de um movimento na casa de uma bruxa que havia se mudado para o Bairro do Limoeiro.

Já na primeira página, a gente já nota mudanças em efeitos e cor do título, sem seguir as cores da época. Mas o que mais revoltante é que na revista original, aparece o Cascão dormindo de cueca e agora mudaram colocando um short-pijama nele . No caso, mostra que é errado criança dormir de cueca ou acham que é algo sensual e, com isso, mudaram para o short no lugar. Nada a ver essa mudança.


Outra alteração foi quando o Cascão foi chamar a Mônica na casa dela, em que na original de 1988 ele joga uma pedra na janela do quarto da Mônica leva um soco na cabeça quando ele se aproxima da janela da Mônica e agora nessa republicação, eles mudaram só com ela apontando um dedo para ele para não estimular a violência. Ficou tosco e mal-feito o desenho do Cascão se abaixando, mesmo ela só apontando um dedo para ele. Mudaram também a cor da casa dela, era azul e agora pra cinza.


Como podem ver, mudam histórias nos almanaques por coisas bobas, sem sentido, estragando com as histórias originais. Essa da Magali virou uma nova história com tantas mudanças, inclusive no final dela. Até desanima comprar almanaques por causa disso, já que todos os almanaques têm pelo menos uma alteração. Apesar de terem histórias mais antigas (embora agora são mais anos 90 e 2000), mas vendo essas modificações todas não dá para acompanhar.  Uma pena mudarem as histórias antigas só para atender ao politicamente correto, seria melhor essas incorretas não serem republicadas do que estragar o conteúdo desse jeito. Não comprei esse 'Temático', as imagens foram enviadas por Washington Brito. Podem ter tido outras alterações não percebidas, mas só essas á foram bem revoltantes e já deu para formar uma postagem.

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

Capa da Semana: Cascão Nº 109

Uma capa bem legal com o Cascão dormindo no ninho dos filhotes de urubu, se sentindo em casa, como se fosse da família e a Mamãe Urubu com raiva do Cascão lá. Ele gostava de ficar junto com bichos considerados sujos como porcos, urubus, gambás, sempre rendiam capas e histórias muito boas envolvendo isso.

A capa dessa semana é de 'Cascão Nº 109' (Ed. Abril, Outubro/ 1986).


domingo, 11 de agosto de 2019

Magali: HQ "Só um passeio!"

No Dia dos Pais, mostro uma história em que a Magali foi passear com o seu pai em um parque do bairro e pedia comida o tempo todo para ele. Com 6 páginas, foi publicada em 'Magali Nº 82' (Ed. Globo, 1992).

Capa de 'Magali Nº 82' (Ed. Globo, 1992)

Começa a Magali e Seu Carlito no parque do bairro e Magali reclama que o pai prometeu que eles iam passear. Seu Carlito pergunta o que estão fazendo e Magali responde que estão andando no parque, mas que preferia que o passeio fosse a uma lanchonete, sorveteria ou pizzaria. Seu Carlito diz que ela precisa pensar em outra coisa sem ser comida.

Em seguida, os ambulantes vendo a Magali passar, ficavam gritando o tempo todo o que estavam vendendo para dar tentação a ela. Era algodão-doce, pipoca, maçã do amor, pirulito, cocada, tudo gritando ao mesmo tempo. Magali não resiste e corre pelo parque atrás dos ambulantes.


Ao encontrar o sorveteiro, ela o vê falando que moça bonita não paga e Magali se entusiasma que o sorvete seria de graça para ela. O sorveteiro fala que é só para moça bonita e Magali começa a fazer escândalo, reclamando que o sorveteiro disse que ela é feia, o chama de mentiroso, quer o sorvete dela de graça e grita pelo pai. Seu Carlito aparece, ela conta a história e Seu Carlito se prepara para bater no sorveteiro, quando ele pergunta quantos sorvetes a Magali vai querer. Ela diz que de todos os sabores. Ela toma todos os sorvetes e quando outro cliente chega perguntando se tem sorvete, ele diz que não tem, mas se quiser pode comprar o carrinho de sorvete.


Seu Carlito comemora que economizou dessa vez, quando Magali diz que não aguenta. Ele dá bronca, pensando que ela estava com dor de barriga de tanto tomar sorvete , mas era de ver todos os ambulantes de comidas parados à espera da Magali comprar as guloseimas. Magali pergunta ao pai se pode e ele deixa.

Seu Carlito diz que tinha economizado, Magali come tudo que tinha dos ambulantes e o pai tem que pagar a todos eles, e ainda pergunta se tem banco 24 horas lá perto. Ele fala que a Magali precisa se controlar, não dá para comprar tudo que ela quer. Magali compreende e diz que não vai pedir mais nada para comer. No final, ela vê uma barraquinha de brinquedos e já começa a pedir para ele com voz doce, prestes a dar mais prejuízo para o Seu Carlito.


História muito legal mostrando a  Magali comendo tudo que vê pelo parque para o desespero do seu pai, que chega a ficar sem dinheiro por causa das gulodices da filha. Definitivamente não é fácil sustentar uma filha tão comilona como a Magali. E pior que quando não pede comida, pede brinquedos. O final fica na imaginação de saber se ele comprou os não os brinquedos para Magali, ficando na imaginação de cada um. Eu gostava desses finais abertos, permitindo imaginar continuação.

Legal ver as cenas dos vendedores  dando tentação para Magali comer, já sabendo da sua fama de comilona, e também ela tentando resistir, mas não conseguindo a sua compulsão pela comida e o pai desesperado com o dinheiro que vai pagar com a comilança dela. O escândalo que ela fez com o sorveteiro foi bem engraçado.


Além de divertir e ainda mostrar cotidiano de um simples passeio de pai e filha em um parque, a história mostra também esse lado da vida real de crianças pedirem tudo para os pais, dando prejuízo financeiro a eles. Alguns com pena de dizer não, aceitam as vontades dos filhos e acabam se endividando por causa disso. Se levar o caso da Magali para vida real, Seu Carlito tem que ser milionário para poder sustentar tudo que ela come. Já tiveram outras histórias com esse tema da Magali comer tanto a prejudicar as finanças da família, os pais precisando fazer contas para pagar as dívidas no final do mês, era bem bacana isso. 


Hoje em dia impublicável histórias assim, justamente para não incentivar as crianças fazerem o mesmo, fora que a fome exagerada dela nem mostra mais nos gibis. Para se ter uma ideia, hoje não aparece a Magali comendo nada, nem comidas saudáveis, como uma maçã, por exemplo. As vezes até tem citação de comidas, mas aparecer ela comendo alguma coisa, não aparece, nunca mais vi Magali com algo na boca. Impressionante como mudaram a personagem. 


Os traços muito bons, tem arte-final do Alvin Lacerda, que diferenciava muito dos outros estilos de desenhos da época. Vale destacar também a capa da edição excelente com uma paródia de Adão e Eva, com Magali como Eva comendo todas as maçãs do Paraíso e não só uma.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Piteco: HQ "Tchum"


Mostro uma história em que o Piteco ficou curioso em descobrir como era a seita "Tchum". Com 6 páginas, foi publicada em 'Cebolinha Nº 54' (Ed. Globo, 1991).

Capa de 'Cebolinha Nº 54' (Ed. Globo, 1991)

Começa com Piteco vendo um grupo fantasiado de tigres animados exaltando e querendo ver o "Tchum". Piteco pergunta a um deles o que era esse tal de "Tchum". O homem estranha Piteco não saber o que era e ele simplesmente responde que Tchum era Tchum.


Piteco acha que o grupo era um bando de malucos, cada dia inventam um deus e não queria saber quem era Tchum. Fala isso da boca pra fora, pois, estava muito curioso e logo vai atrás do grupo da seita para saber onde vão e quem era Tchum. Ele chega ao templo e o segurança o barra de entrar.


Piteco diz que quer ver o Tchum e o segurança diz que para entrar tem que ter o traje dos Tchuns. Ele consegue a roupa e o segurança se banhar no lago sagrado Tchum. Piteco entra no lago, mas ao ver um monstro carnívoro volta à superfície. Ele pergunta se pode entrar agora e o segurança cobra 10 machadinhas para entrar.


Ele consegue entrar e chega bem na hora que o Sacerdote ia mostrar o Tchum ao grupo. O Sacerdote enrola um pouco, falando se eles querem ver o Tchum, que vão adorar vê-lo. O Sacerdote mostra o recipiente com água e uma tocha de fogo em uma na mão, ele coloca a tocha na água e o fogo, ao se apagar, descobre que Tchum não era um deus e apenas o fogo apagado ao cair na água, deixando todos surpresos, terminando assim.


Essa história é legal,  fica o mistério sobre quem ou o que é o Tchum que tanto endeusavam. Tanto o Piteco quanto o pessoal da seita, que ainda não tinham visto o Tchum, pensavam que era um deus, mas acabaram sendo surpreendidos que era apenas uma experiência de jogar fogo em um recipiente de água. Ficou até como uma forma de arrecadação de dinheiro para o povo que acreditava na doutrina só ver aquilo já que cada membro da seita tinha que pagar 10 machadinhas para ver o Tchum.


O final fica aberto para o leitor imaginar o que aconteceu depois de quando o Piteco e os membros da seita descobriram a farsa do "Tchum". Eu gostava de finais assim que podiam permitir imaginar o que vem depois. Foi bacana também ver o Piteco curioso e querendo descobrir a todo custo quem era Tchum. Eram boas as histórias do Piteco envolvendo as pessoas idolatrando um deus, como se fosse uma religião, sempre rendiam bons roteiros. Infelizmente hoje em dias histórias assim envolvendo deuses e religiões não são mais feitas.


Os traços muito bons, da fase consagrada dos personagens que dava gosto de ver. Curioso que dessa vez não teve prego na clava do Piteco. Na época, as vezes colocavam, as vezes não, mas depois foi aposentado o prego e hoje em dia até é raro o Piteco aparecer com clava na mão por ser uma arma.