domingo, 21 de abril de 2019

Magali: HQ "Cenouras pro Coelhinho da Páscoa"

Dia da Páscoa, mostro, então, uma história em que a Magali comprou várias cenouras com intenção de ganhar muitos ovos do Coelhinho da Páscoa. Com 5 páginas, foi publicada em 'Magali Nº 46' (Ed. Globo, 1991).

Capa de 'Magali Nº 46' (Ed. Globo, 1991)

Escrita pelo roteirista Rubão (Rubens Kyiomura), começa com Mônica indo para a quitanda comprar uma cenoura e comenta com a Magali que é para o Coelhinho da Páscoa, que leva a cenoura e deixa um ovo de Páscoa. Magali corre para a venda e compra uma sacola grande cenouras para o Coelhinho dar um monte de ovos.


Magali vai para casa e de noite ela deixa a sacola de cenouras no seu quarto perto da janela e vai dormir. Na cama, ela sente fome e pega uma cenoura dizendo que o Coelhinho não vai se importar em comer só uma. Ela come e vai pra cama e logo depois pega outra. Assim, ela come uma a uma e quando vai ver já havia comido todas as cenouras e fica desesperada.


Ela sai  e vai até a casa da Mônica pedir ajuda, se lamenta que é uma fominha gulosa, por ter comido todas as cenouras e tem medo de ficar sem ovos, já que a quitanda está fechada. Mônica tem ideia de dar capim para o Coelhinho, já que ele gosta também.

Magali volta para casa e vai dormir. No dia seguinte, o Coelhinho havia deixado um ovo gigante e ela fica feliz e pergunta se como ele está. No final, aparece o Coelhinho comentando que fez um péssimo negócio porque prefere cenouras.


Uma história de Páscoa legal, é bem simples e típica de miolo e bem divertida. Tudo a ver Magali com Páscoa e ovo de chocolate. Compara o Coelhinho da Páscoa como o Papai Noel. Enquanto no Natal, as crianças deixam  sapato na janela ou meia pendurada na parede em troca do presente do Papai Noel, nessa história as crianças dão cenoura para  o Coelhinho da Páscoa em troca de um Ovo de Páscoa. A fome exagerada e compulsiva da Magali quase estraga tudo, mas o capim serviu para o Coelhinho dar o ovo para ela, mesmo a contragosto.


Eram boas histórias assim da Magali de comer compulsivamente, vai comendo sem se dar conta e quando vai ver já comeu tudo sem perceber causando confusão para ela. Sempre rendiam histórias legais assim. As partes incorretas seriam isso da Magali comer compulsivamente, além de sair de casa sozinha de noite sem a companhia de adulto, podiam implicar com isso hoje.

Os traços muito bons da fase consagrada dos personagens, Magali ficou bonita com a camisola rosa. O quitandeiro Takeda só apareceu nessa história mesmo, não tinham vendedores fixos nas histórias da Magali, em cada uma tinha um vendedor, pipoqueiro, quitandeiro, etc, diferente, com exceção do padeiro Seu Quinzão, pai do Quinzinho, e que mesmo assim de vez em quando ainda apareciam outros padeiros na região.


Sobre a capa da edição muito legal também, curioso ser uma das raras capas da Magali sem ser piada sobre comida, dessa vez piada com o Mingau comparando o banho da Magali no chuveiro com o banho de língua de gato. E atualmente seria impublicável aparecer Magali pelada em uma capa de revista.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Magali Nº 48 - Panini - 2019


Nas bancas a revista 'Magali Nº 48', da Editora Panini. Comprei essa edição e nessa postagem mostro uma resenha dela.

Lançada em abril de 2019, custando R$ 6,00, com formato canoa e 68 páginas e com 7 histórias no total, incluindo a tirinha final. A distribuição dos gibis até que está sendo mais rápida, desde março chegando na primeira semana do mês, os gibis mensais  desse mês chegaram no dia 3 de abril de 2019.

Esse gibi da Magali começa com a história "Os tios doidinhos da Magali", com 23 páginas no total, em que Magali e Cascão viajam para o litoral com os pais dela para visitar uns tios distantes da Magali, sendo que ao distanciar dos pais, Magali e Cascão se encontram com os tios sozinhos e percebem que eles não são normais e os tios chegam a confundir o Cascão como o escolhido da Cabra Suprema.

Trecho da HQ "Os tios doidinhos da Magali"

Achei uma história normal e como um todo não foi ruim. Podia ter um gás a mais, mas está valendo. Parece que agora eles vão investir em histórias da Magali junto com o Cascão, com eles viajando em algum lugar diferente e o Cascão se dando mal. Um novo estilo de histórias para os gibis da Magali, já que haviam feito uma assim em 'Magali Nº 40' de agosto de 2018.

A revista apresenta um grande erro na capa, onde o tio da Magali foi desenhado igual ao Piteco. Ao abrir a revista, ele é desenhado completamente diferente com cabelo e barba grandes e castanhos. Uma grande falta de atenção deles, a gente até pensa que o tio seria o Piteco ou algum descendente dele e quando ver a história não tem nada a ver. E para piorar que, nesse mesmo mês de abril, o gibi do Chico Bento também teve erro de capa colocando o primo Zeca na capa e ao folhear o gibi é o Zé da Roça que parece na história, e não o Zeca. Ou seja, 2 erros no mesmo mês que chamam bastante atenção. Abaixo, como aparece os tios da Magali durante a história:

Trecho da HQ "Os tios doidinhos da Magali"

Já o resto do gibi segue o estilo padrão dos gibis, traços e letras de PC. Histórias de secundários foram com Anjinho, Mingau e Pipa com Tina. Dessa vez não tiveram histórias de 1 ou 2 páginas, a menor foi com 3 páginas. De destaques, a história "Os mistérios dos ovos",com 6 páginas, em que a Magali compra ingredientes para fazer um bolo e os ovos se chocam e saem pintinhos sem a Magali ver e ela pensa que foi o Mingau que comeu os ovos. 

Trecho da HQ "O mistério dos ovos"

Tem também  a história "Textão", com 4 páginas, em que a Pipa escreve um texto enorme no "Feice" (Facebook) e demora pra responder os comentários, atrasando a Tina em seus compromissos. História voltada aos dias atuais envolvendo o cotidiano das redes sociais. Dá pra notar que os traços andam cada vez mais digitais, como pode ver principalmente no cabelo da Tina.

Trecho da HQ "Textão"

Termina com a história "Gato barulhento em noite tranquila" com 7 páginas , em que o Mingau atrapalha o sono da Magali. Toda vez que ela encosta o travesseiro ele apronta alguma coisa, impedindo Magali dormir. Típico de histórias atuais com Mingau junto com Magali, os traços no geral aceitáveis, porém tem momentos cm caretas exageradas sem necessidade, como vem saindo atualmente.

Trecho da HQ "Gato barulhento em noite tranquila"

Como podem ver, um gibi normal para a atualidade. Não foi ruim, mas também não tem aquele atrativo de antigamente. Segue o normal dos gibis da Magali, com poucas histórias envolvendo comida, são mais um plano de fundo para começar a desenrolar as histórias ou só comer rapidamente em algum momento sem aqueles absurdos das histórias antigas. Percebemos que teve 3 histórias do Mingau nesse gibi, que poderiam ter colocado alguma história da Magali exclusiva de comida em algumas dessas.  Os outros gibis do mês não vi nada de mais e não comprei nenhum, só esse mesmo. Aí fica dica de compra.

segunda-feira, 15 de abril de 2019

Capa da Semana: Parque da Mônica Nº 6

Nessa capa, Cebolinha e Cascão se escondem no alto do "Carrossel do Horácio"depois de aprontarem com a Mônica. Apesar de fazer alusão à história de abertura, como era de costume nas revistas "Parque da Mônica", até que fizeram uma piadinha em relação à história. 

A capa dessa semana é de "Parque da Mônica Nº 6' (Ed. Globo, Junho/ 1993).


quinta-feira, 11 de abril de 2019

Cascão: HQ "Por que chove?"

Mostro uma história em que o Cascão conseguiu parar de chover na Terra escrevendo uma carta para São Pedro. Com 8 páginas, foi história de abertura de 'Cascão Nº 9' (Ed. Globo, 1987).

Capa de 'Cascão Nº 9' (Ed. Globo, 1987)

Nela, Cascão e Cebolinha estão brincando de bolinha de gude, quando ouvem um trovão e Cascão corre em disparada para casa e se esconde debaixo da cama. A mãe do Cascão estranha a rapidez do filho chegar em casa e pergunta o que ele faz debaixo da cama. Ele diz que foi por causa do trovão e Dona Lurdinha fala para não ter medo, que é só o São Pedro arrastando os móveis da casa dele, fazendo esse barulhão ao trocar os móveis de lugar, e a chuva é porque lava o assoalho.


Cascão acha um exagero e resolve escrever uma carta para o São Pedro contando que os móveis estão bem colocados e não precisa mudar de lugar e que é o assoalho já está superlimpo e dá opção de parar de lavar ou forrar as nuvens porque está vazando água lá embaixo. A chuva passa e Cascão coloca a carta no depósito dos correios. Franjinha passa na hora, estranhando que Cascão saiu de casa logo após a chuva e ele explica  a situação.


Depois de contado, Franjinha ri e diz que a mãe dele estava brincando e não é São Pedro que faz chover. Conta que barulho do trovão é quando duas nuvens cúmulos carregadas de água se trombam, sai uma faísca, que é o relâmpago,  e o barulho vem depois. Cascão acha o cúmulo, que tinham que colocar placas de sinalização no céu e Franjinha diz que não adianta porque as nuvens são inanimadas. Já a chuva é porque as nuvens carregadas não aguentam mais o peso e deixam cair a água. Cascão diz que gostou mais da história da mãe e que a carta vai dar resultado.


Assim, os dias passam e nada de chuva, no início o pessoal gostou, mas depois de 2 meses passou o nível da represa abaixar, ter racionamento de água, plantações secando, animais definhando e calor aumentando. Cascão está adorando, pois não precisa mais se preocupar com chuva. Enquanto isso, os pais olham o noticiário da TV falando da seca e que os cientistas estavam tentando descobrir a causa e a solução para a seca, como um cientista falar que deve fazer um furo na atmosfera porque é a poluição densa que está impedindo a passagem de chuva, enquanto que outro fala que são partículas cósmicas que estão impedindo e devem mandar um foguete e assim os dois brigam ao vivo.



Cascão fala que está acontecendo porque ele mandou uma carta para o São Pedro pra parar de arrastar os móveis e os pais falam que estão falando coisa séria e para ele brincar lá fora. Ele vai no laboratório do Franjinha que não quer papo pois estava fazendo um preparado químico para poder chover. Cascão diz que o causador foi ele que escreveu carta para o São Pedro e Franjinha diz que é lenda e pra deixar ele trabalhar.


Cascão volta para casa, no caminho vê passarinhos com calor e sede e planta morrendo no vaso e percebe que não pode ser egoísta, viu que a situação estava piorando e ele já estava acostumado a fugir da chuva. Então, ele escreve outra carta par ao São Pedro para voltar a arrastar os móveis e lavar o assoalho, só não deixando cair água em cima dele e vai na caixinha dos correios depositar a carta.

Depois de 2 dias, volta a chover e todos comemoram. Os pais falam que os cientistas acertaram e Cascão diz que foi porque escreveu carta para o São Pedro. No final, é mostrado que São Pedro estava arrumando os móveis, perguntando para o Anjo Gabriel onde coloca a cadeira, enquanto o Anjo Gabriel está deixando cair água para fora da nuvem, confirmando que foram as cartas do Cascão que fez parar e voltar a chover.


Essa história é muito legal, mostra de uma forma divertida por que chove na Terra, além de mostrar a importância da chuva no meio ambiente, o impacto que causaria se não chovesse. Tudo de forma leve e com humor sem ficar piegas.  O Cascão ficou contente sem chover por 2 meses, mas vendo que estava sendo egoísta ao ver o sofrimento dos seus amigos e de todo o planeta, resolveu voltar atrás e pedir para São Pedro voltar a chover arrastando móveis e limpando assoalho. 

Cascão levou a sério o que sua mãe disse sobre a chuva por conta da sua inocência. Coincidiu a carta que enviou com a falta de chuva e ficava a dúvida se foi realmente por causa da carta ou não. Na verdade, o real motivo de chover e trovejar foi o que o Franjinha falou, mas para dar graça na história, acabou  roteirista prevalecendo a fantasia da história e colocar a versão do São Pedro como o motivo de chover. Hoje em dia, seria capaz mudarem o final para que não fique ensinando errado às crianças sobre o motivo da chuva ou colocariam um aviso contando a causa verdadeira.


Engraçado ver o Cascão correndo direto para casa no início da história, só ao ouvir o trovão. Quando ele tinha muito medo de se molhar e pra escapar do banho, era capaz de tudo, até ser mais veloz que o "The Flash". Legal também cascão falar que tinham que colocar sinalização no Céu, o trocadilho de cúmulo de nuvem com cúmulo de absurdo quando Cascão soube da versão do Franjinha e o absurdo uma carta chegar ao São Pedro no Céu, mas que também pode ser interpretado como uma oração enquanto ele escrevia a carta.

Os traços ficaram muito lindos assim, os personagens bem fofinhos. Chama a atenção os ângulos diferentes dos personagens, como aparecer de lado e de costas, por exemplo, colocaram um lenço no cabelo da Dona Lurdinha e interessante também que o pai do Cascão, Seu Antenor, apareceu com sujeirinhas no rosto, lembrando de quando ele foi criado, em que os pais do Cascão tinham sujeirinhas que nem o filho. Desde início de 1983 já haviam tirado as sujeirinhas do rosto deles e nessa história teve a volta com o pai do Cascão. Tudo indica que roteiro e desenhos seja da Rosana Munhoz, já que ela adorava histórias envolvendo fantasia e imaginação e os desenhos são bem parecidos como ela fazia.


Sobre a capa dessa edição, bem legal o logotipo da Globo virar bola de futebol do Cascão, saudando a ida à nova editora.  Mereceria ser capa "Nº 1", mas como os gibis tem antecedência para estarem prontos, as edições "Nº 1" de 1987 já estavam prontas em 1986. Se tivessem continuado na Editora Abril em 1987, as capas dos primeiros números seriam as mesmas. Pelo visto essa edição "Nº 9" foi a primeira que foi feita realmente em 1987 e, assim, essa homenagem à Editora Globo na capa só nesse número.

sábado, 6 de abril de 2019

Um tabloide com Bidu

Compartilho um tabloide em que o Bidu contratou um guarda-costas pra não ter risco de se machucar. Foi publicado em 'Mônica Nº 132' (Ed. Abril, 1981) e depois republicado em 'Coleção Um Tema Só Nº 3 - Cebolinha - Planos Infalíveis' (Ed. Globo, 1993).

Começa com o Duque cumprimentando o Bidu com um tapa nas costas, mas o Bidu estava à beira de um precipício e acaba rolando e se machucando todo ao cair do precipício. Depois, Bidu com corpo todo engessado e imóvel, contrata um guarda-costas para ficar sempre ao seu lado e deixar os seus amigos  longe de distância e não ter risco de se machucar. Porém, uma mosca posa no nariz do Bidu, aí o segurança dá um tapa forte nele para tirar a mosca e acaba o Bidu com a cabeça engessada, inclusive a boca, e o segurança se contentando que o emprego está garantido até o Bidu conseguir falar. 

Muito engraçado esse tabloide, o Bidu com medo de se machucar por causa dos seus amigos contrata um guarda-costas, mas não contava que o próprio guarda-costas iria ser atrapalhado e deixar ficar todo engessado. Os traços muito bons do início dos anos 80, bem parecidos com o que ficou consagrado ao longo da década. Bem interessante que o Bidu não falou nada nessa história e ainda ficou engraçado demais. Os grandes personagens conseguem fazer graça até sem falar nada. Geralmente histórias de 1 página do Bidu eram assim da sua versão agindo como um cachorro mesmo.

Os 2 primeiros quadrinhos achei hilário, já formaria uma tirinha boa isso do Bidu caindo e o Duque lerdo ainda chamá-lo de sem-educação por não ter respondido o cumprimento. E o resto do tabloide foi muito divertido também. Hoje em dia, histórias assim não são publicadas por conta de que não pode ter sofrimento dos personagens. A seguir mostro a história completa.