quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Mônica: HQ "Um ladrão na noite de Natal"

Nessa postagem mostro uma história muito boa de quando um bandido tentou assaltar a casa da Mônica bem no Natal. Ela tem 6 páginas no total e foi a história de abertura de 'Mônica Nº 140' (Ed. Abril, 1981).

Capa de 'Mônica Nº 140' (Ed. Abril, 1981)

Começa com o ladrão chamado Zeca entrando na casa da Mônica pela janela da sala, e já vai colocando no saco tudo que encontra pela frente: os presentes que estavam embaixo da árvore de Natal, a própria árvore e quando ia pegar o castiçal dá de frente com a Mônica , que acordou para pegar um copo d'água.


O ladrão fica parado perto da porta, com esperança que a Mônica não o veja, mas ela viu e pergunta quem é ele. Zeca diz que é o Papai Noel, dando também uma risada igual a dele. Mônica diz que não pode ser porque não tem barba branca enorme. Zeca dá desculpa que mandou consertar o aparelho de barbear. Mônica estranha e diz que ele não é um velhinho, que as roupas, cabelo e barriga não eram iguais ao do Papai Noel e o Zeca responde que fez plástica pra rejuvenescer, o uniforme é novo, mandou tingir os cabelos para combinar com o sapato e que parou de tomar cerveja, respectivamente.


Mônica ainda fica desconfiada e o Zeca fala para não pensar muito para não doer a cabeça. E ainda a manda voltar a dormir porque é tarde para criança ficar acordada. Mônica quer saber do presente. Ele vasculha o saco e pega primeiro o castiçal da mãe, que ela reconhece. Zeca põe o castiçal de volta no saco e pega outro presente, que é o quadro da sala, que a Mônica também reconhece.

Mônica fica braba, achando que ele é um Papai Noel muito estranho, sem barba, muito moço, magro, roupa diferente e sem presente. Ele diz que tem presente, procura melhor no saco e encontra, que nada mais era o presente que estava debaixo da árvore. Mônica abre e vê que era uma boneca. Ela achou muito linda e diz que era o que ela queria. Então, Mônica dá um beijo nele de agradecimento e como forma de desculpar, porque pensava que ele era um Papai Noel de araque (que na verdade, era).


Zeca põe a Mônica para dormir e quando ela dorme, ele tenta pegar a boneca para levar para a sua filha. Mas, na hora o espírito natalino toma conta do seu coração e, então, se arrepende e não rouba porque ficou sensibilizado com  a Mônica ficar tão contente com a boneca. Ele também desiste de assaltar a casa da Mônica, coloca tudo no lugar, como se não tivesse passado lá e vai embora. 

No final, o Zeca fica com o dilema de como conseguir uma boneca para a filha dele e, no caminho, vê o trenó do Papai Noel voando, saindo da casa dele. Zeca corre até a sua casa e quando vê, a filha dele, estava dormindo com a boneca de presente dada pelo Papai Noel, como recompensa por não ter assaltado a casa da Mônica e roubado a boneca dela, deixando o Zeca emocionado.


Essa história de Natal é muito legal, mesmo envolvendo bandido, tem uma bonita mensagem no final .Até os bandidos também podem ter o espírito natalino em seu coração. Mostra uma Mônica meio desconfiada, não acreditando muito na conversa do bandido Zeca, mas se deixa levar na conversa e acaba acreditando que ele era o Papai Noel por causa da sua inocência. Pelo menos, tudo acabou bem no final, tanto para ela, quanto para o bandido.


Os traços, como sempre na época, muito bons, é da transição dos personagens superfofinhos do final dos anos 70 com os traços que ficaram consagrados no decorrer dos anos 80. Aí, resulta uma maravilha dessas. Hoje o pessoal estranha uma história de abertura de 6 páginas em um gibi, mas na época era supernormal. Na postagem a coloquei completa. Outra coisa legal também nela, é o absurdo do bandido tentar levar e caber uma árvore de Natal inteira no saco pequeno como aquele.

De curiosidade, o desenho da  capa desse gibi da 'Mônica Nº 140' não teve referência ao Natal, apenas com uma piadinha com o Cascão, que ainda não tinha gibi próprio e um anúncio que naquela edição a Mônica ia enfrentar um ladrão na noite de Natal. Era bem normal as vezes ter histórias de Natal no miolo, mas as capas não ter referência a data. E raramente acontecia também da capa ser natalina, mas não ter nenhuma história sobre o tema. E curioso também chamar "Turma do Mauricio" em vez de "Turma da Mônica".


Essa história foi republicada, pelo menos uma vez em 'Mônica Especial de Natal Nº 1' (Ed. Globo, 1995), que foi onde eu a li pela primeira vez. Digo "pelo menos uma vez" porque podem te republicado outras vezes na Editora Globo, já que nesses especiais de Natal republicam sempre as mesmas histórias. Porém, nos especiais de Natal da Panini não a republicaram novamente. Apesar da bonita mensagem, não teria uma nova republicação atualmente, já que todos sabem bandidos estão proibidos nas histórias novas. Fora falar que o Papai Noel é gordo porque toma cerveja, além da palavra "diacho" também não é bem vinda atualmente e aí seria censurada. Termino mostrando a capa desse 'Mônica Especial de Natal Nº 1'.

Capa de 'Mônica Especial de Natal Nº 1' (Ed. Globo, 1995)

27 comentários:

  1. Adoro essa história, também a li pela primeira vez no especial de Natal. E realmente eh bonita a mensagem, talvez na época eu nem ligasse muito, mas hoje quando releio gosto de ver histórias da turma em que ladrões se redimem ou eh mostrado o porque deles agirem assim. Alguns devem achar simplesmente piegas, claro, mas acho que eh uma proposta que pode estimular no jovem leitor um olhar mais sensível ao outro e mais otimista em relação ao mundo - e não soh no leitor jovem, mas também naqueles jah granadinos e que agora vão reler o Especial de Natal ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm não ligava muito na época e hj vejo com outros olhos. Acho uma bonita hq com o ladrão se regenerando. Achei legal mostrar q ele tinha uma casa e uma filha. Mostra q qualquer tipo de hq a principio incorreta pode trazer uma boa lição de moral. História muito legal.

      Excluir
  2. se as palavra azar e droga são proibidas hoje, imagina então cerveja. Adorei esta história, ela é muito boa, tem traços excelentes. Uma coisa que eu gosto muito nos traços antigos é como eles desenhavam a noite. Eu adoro estas estrelas, são tão bonitas, parece uma noite de verdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, tudo era mais caprichado e bem mais feito. Concordo q parece uma noite mais real. E quanto a cerveja, realmente tbm é proibido, a ponto de alterarem em almanaques novos...

      Excluir
    2. Puxa, e saber que já vi a Pipa e a Tina tomando um "chopinho" em alguma HQ de 1989 mais ou menos...
      Aliás, a Tina é uma personagem que merece um capítulo à parte. Li ontem a HQ "A Moderninha" (CB 92 - Abril) onde ela perde a parte de cima do bíquini... e o Rolo atormenta ela para "mostrar" e a Pipa defende, até que um rapaz encanta a Pipa e ela resolve fazer topless também (esse termo é usado na historinha). Clássica! e Impublicável hoje em dia...
      Abraço!
      Willier

      Excluir
    3. Nas hqs antigas os personagens tomavam cerveja ou falavam nas hqs. Teve uma hq da Pipa q o Zecão deu desculpa q não foi ao encontro dela pq estava tomando chopinho com os amigos. Até falei dela aqui: http://arquivosturmadamonica.blogspot.com.br/2014/06/pipa-hq-a-espera.html

      Hj nem citar, pode. Já essa hq "Moderninha" da Pipa infelizmente nunca li, deve ser muito legal. Sem dúvida, completamente impublicável.

      Excluir
    4. É, Marcos! Essa HQ Moderninha é de CB # 92, de 1979 e foi republicada no Almanaque da Mônica # 30, de 1986. E como não dá pra ler o gibi original, dá pra baixar online o almanaque em que foi republicada. Aliás, foi no almanaque onde eu conheci a história. Quando você baixar o almanaque e ler, você fale dessa HQ aqui no blog. Mais uma HQ totalmente impublicável. Abraços!

      Excluir
    5. Dá pra ler ela online.
      Página 64

      http://issuu.com/felippemiranda/docs/almanaque_da_turma_da_m_nica__n_30?e=4142988/2913901

      Abraço.
      Willier

      Excluir
    6. Ah é essa... eu tenho esse almanaque e lembrei dela agora. Muito boa mesmo, e ainda mais usarem o temo topless... sem dúvida, impublicável hj.

      Valeu pelo link. Abraço

      Excluir
  3. Pô, Marcos, parabéns por ter falado dessa história! Eu juro que nem a conhecia, mas graças ao seu Blog, adorei bastante e é muito linda até.

    E você tem razão, jamais iriam republicar essa história atualmente, porque bandidos não podem mais aparecer nos gibis atuais. Mas me diga uma coisa: Nessa HQ, foi revelado que o Papai Noel é gordo, porque ele... Ele bebe cerveja? Me fala sério, é verdade que cerveja e bebidas alcoólicas também são proibidas? Porque se ela fosse republicada de novo, com certeza iriam substituir as palavras "Droga" e "Azar" e também "cerveja", mas não garanto que façam isso.

    E como essa história é de 1981, o Cebolinha também teve uma HQ de Natal incorreta nesse ano. É Diabruras de Natal, de CB # 108, onde diabos saem do inferno e aprontam todas logo no Natal, e o chefe dos diabinhos se fantasia de Papai Noel. A situação complica ainda mais quando Cebolinha, Mônica e Cascão aparecem.

    Como já deu pra ver, é uma HQ de Natal bem divertida, e é claro que eu nem preciso falar que é impublicável, porque diabos agora são proibidos na MSP, ou seja, ela nunca seria republicada num almanaque da Panini, mas pelo menos ela foi republicada duas vezes. No Almanaque do Cebolinha # 2, de 1987 (que foi onde eu a li pela primeira vez), sendo a primeira HQ de Natal dele a ser republicada num almanaque dele da Globo, e em Mônica Especial de Natal # 4, de 1998.

    Então, se der mesmo, você poderia falar dessa HQ do Cebolinha, e diga mesmo se ela é totalmente incorreta, que nem essa da Mônica da postagem. Olha que eu tô esperando, hein? Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando der, falo dessa hq Diabruras de Natal. Talvez republicariam novamente pq até q estão colocando diabos nas hqs novas e nas republicações dos almanaques. Tanto q eles vivem republicando a hq "Boneca cuspidinha", de MN # 84, de 1993, q tem diabos.

      Mesmo republicando, podem é alterar texto pra atender o politicamente correto, caso seja necessário. Abraços

      Excluir
  4. muito legal essa historia,daqui a pouco vão querer censurar até a mônica batendo no cebolinha kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rsrs... pior q é mais ou menos assim. Hj, eles até q não censuram a Mônica bater no Cebolinha por completo, mas fazem o possível pra evitar isso, procuram sempre q possível terminar a hq só com a Mônica correndo atrás dele com a mão fechada para os altos, evitam até ela ficar girando o Sansão. Só quando é inevitável, q mostra a Mônica batendo nele. Tudo pra não estimular violência.

      Excluir
  5. Eu lembro que eu li uma vez uma hq da Magali (não lembro o nome) em que ela queria comer biscoitos,mas a mãe dela não havia deixado.Então,ela entra no armário para não ser pega no flagra comendo biscoitos,e é transformada numa xícara.
    Vc sabe qual é essa hq? Se puder falar dela um dia...Acho ela bem legal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme, acho que eu tô lembrado dessa HQ. O nome dela é Há Vida Dentro do Armário?, de Magali # 169, de 1995. O enredo é esse mesmo que você citou, sendo que a Magali também foi transformada em garfo. E se quiser saber da republicação dela, foi republicada no Grande Almanaque Turma da Mônica # 3, de 2007. Será que o que eu disse tá certo ou errado? Abraços!

      Excluir
    2. Sim,é essa mesmo.Essa hq é muito legal

      Excluir
  6. Que capa inteligente essa da Mônica..enfim sobre a HQ é muito da hora..bandidos nas HQs atuais nem morto..kkk xD

    Ainda bem que ano passado conseguir recuperar a Mônica Especial de Natal N/1 da E.Globo na minha coleção de volta(até pq tb li essa a HQ atráves desta edição)!! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom q conseguiu esse especial de natal Nº 1... só hqs ótimas como essa. Realmente bandido hj, nem pensar.

      Excluir
  7. Olá, Marcos! Os desenhos, como sempre, um show a parte.
    Tem uma entrevista com o Mauricio para o jornal Zero Hora onde ele fala alguma coisa de crianças serem desprovidas de discriminação, porem, seus pais acabam criando entraves por conta das historias. Essa entrevista esta toda compartilhada no blogue Quadrinhada. Achei bem interessante.

    Sobre essa HQ, traços bonitos com certo estio. Eu me lembro que os via, quando criança, em almanaques. As outras revistas já tinham o traco mais diferente e próximo da fase de transição entre Abril e Globo. E nesta época era comum os absurdos, uma vez que a TV era recheada de desenhos com situações assim e era tudo muito engraçado. Infelizmente a molecada hoje em dia começa a questionar tudo e não possuem mais um espirito de leitor criativo. São, a maioria, uns críticos mirins.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo, eles tinham inspiração nos desenhos da época aí por isso os absurdos q o pessoal achava até comum e gostava muito. Hj com o mundo mudado, com preocupações bobas, aí tiram os absurdos das hqs. Cada coisa...

      Depois vejo a entrevista no blog Quadrinhada. Abraços

      Excluir
  8. Muitos boa essa história, os traços são ótimos, bem comuns nos primeiros almanaques da Mônica na Globo. Os roteiros da época costumavam ser bem inspirados, reflexivos. Muitas histórias do início dos 80 são memoráveis.

    Vendo mencionar o especial de Natal da Mônica, lembrei de um especial que eu li uma vez só nos anos 90 e de uma hq que eu tenho lembrança. Lembrei que nessa história aparecia um Papai Noel fazendo maldades e descobrem que era o Espírito de Porco disfarçado. Aliás, esse personagem parece ter sido completamente banido pela MSP. Eu li pelo menos três histórias com a participação dele (Essa de Natal, uma que saiu em um gibi do Cascão, em que ele assombra a casa de um homem comum e outra em que ele aparece no cemitério com a turma do Penadinho) e o estranho é que não achei nenhuma referência ao Espírito de Porco na internet, nem na galeria de personagens do site do Paulo Back. Você lembra do fantasminha em forma de porco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, era comum hqs com traços assim nos primeiros almanaques da Mônica da Globo, q estavam republicando hqs de 1981/ 82. Muito bons mesmo. essa hq até q demorou pra ser republicando, só acontecendo em 1995.

      Quanto ao Espírito de Porco, eu só lembro com o Penadinho, em uma hq q surgiu um Papai Noel no cemitério, dando "presente de grego" para turma toda, e no final foi revelado q era o Espírito de Porco.

      Ele tbm apareceu em algumas tirinhas antigas do Penadinho, q republicaram no último pocket L&PM do Penadinho, só q aí sem motivo Natalino. Realmente ele foi banido por causa do politicamente correto, como não podia deixar de ser....

      Excluir
    2. "Quanto ao Espírito de Porco, eu só lembro com o Penadinho, em uma hq q surgiu um Papai Noel no cemitério, dando "presente de grego" para turma toda, e no final foi revelado q era o Espírito de Porco."

      Marcos, eu creio que você não tá lembrado dessa HQ que você citou, mas deixe eu lhe dar uma mão:

      O nome dessa HQ do Penadinho se chama Feliz Natal pra Nós Também e ela é de Mônica # 36, de 1989, e o enredo é esse mesmo como você citou. E eu sei que ela foi republicada no Mônica Natal # 6, de 2003, que foi onde eu conheci, mas ela já foi republicada antes? E dava pra você falar dela aqui no Blog, se der? Abraços!

      Excluir
    3. Daniel, lógico q eu lembro dessa hq do Penadinho q eu mesmo citei e q saiu nessa revista da Mônica. SE der, falo dela um dia.

      Excluir
  9. Essa história me emocionou! Tão lindinha!

    ResponderExcluir