sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Cebolinha # 500: Edição comemorativa


Depois do Cascão, Chico Bento e Mônica, agora é a vez da revista do Cebolinha também chegar à marca histórica do número 500. Nessa postagem, vou falar sobre essa revista especial.

O Cascão e o Chico Bento foram os primeiros a conseguirem chegar juntos ao "Nº 500", em 2001, ainda na Editora Globo, nas suas edições # 386. Na ocasião, a data passou em branco e as edições dos dois foram normais, já que na Globo eles não tinham essa preocupação de contagem com as 2 editoras. Já a Mônica, a marca saiu na Panini, na edição de # 54, em 2011, e fizeram uma edição comemorativa superespecial com 2 histórias no total e relacionadas ao tema, cheias de referências a histórias antigas e até os passatempos foram sobre isso. Agora que o Cebolinha chegou ao "Nº 500" fizeram também uma edição especial como a da Mônica.

A contagem do Cebolinha # 500 considera as edições das 3 editoras: 168 edições na Editora Abril, 246 na Editora Globo e 86 na Editora Panini. Levaram-se 41 anos para ele alcançar essa marca, já que o gibi dele foi lançado em 1973. Esse gibi do Cebolinha # 86 tem as tradicionais 68 páginas com 6 histórias interligadas relacionadas às 500 edições do Cebolinha e mais uma tirinha também comemorativa. A capa baseada na "Nº 1" (Ed. Abril), sendo que fazendo alusão à história de abertura, como de costume.

O gibi começa com um prólogo anunciando que a revista é especial e com algumas capas. O que eu reparo que quando eles mostram capas antigas, quase não colocam capas da Editora Globo. Nessa cena, colocaram apenas 2 da Globo, sendo uma a de "Nº 1", de 1987, e a outra a "Nº 71", de 1992, praticamente escondida, uma das poucas que fizeram referência à história de abertura. Até as capas da Panini colocaram 3. E não dá pra entender porque colocaram nessa imagem, a "Nº 1" de 1973 tirada da Coleção Histórica, em vez da Editora Abril.

Prólogo da edição: poucas capas da Ed. Globo

A história de abertura é dividida em 4 partes, com 37 páginas no total. Escrita pelo Paulo Back, o Capitão Feio, inconformado que não teve uma história com ele na revista do Cebolinha "Nº 1" da Editora Abril, deseja reverter isso, voltando no tempo através do lápis mágico da Marina, que o Cebolinha havia roubado dela para fazer um plano infalível. Com o lápis mágico na mão, eles entram nos gibis antigos do Cebolinha e reencontram vários personagens antigos de todas as épocas. A maioria vilões, que o Capitão Feio os chamam de "vilões-secundários" na história.

O público, então, relembra vários personagens que marcaram época, como o Capitão Chiclete (CB # 44 - Ed. Abril, 1976), o João Transformão (CB # 154 - Ed. Abril, 1985), o Homem-Borracha (CB # 13 - Ed. Globo, 1988), o Ladrão de Fumacinhas (CB # 161 - Ed. Globo, 2000), entre outros. E alguns objetos marcantes como o produto que o Cebolinha tomou que faz virar realidade tudo que ele fala direto da história "O poder das palavras" (CB # 26 - Ed. Globo, 1989) e o carrinho que serviu como máquina do tempo da história "De volta para a historinha" (CB # 60 - Ed. Globo, 1991). 

Diferente das capas do prólogo, pelo menos na história tem bastante referências às da Globo. Tem também na página 36, uma cena com vários personagens reunidos em um só quadrinho, como o bicho-papão da história "O papãozinho" (CB # 16 - Ed. Abril, 1974), o robô da história "O robô invencível" (CB # 113 - Ed. Abril, 1982), o relógio da história "O país dos relógios" (CB # 22 - Ed. Globo, 1988), a bruxa de "Os cinco fios mágicos" (CB # 76 - Ed. Globo, 1993), entre outros. E, com isso, não deixaram de ser lembrados de alguma forma.

Trecho da HQ de abertura "Cebolinha Nº 500"

Os personagens antigos são desenhados como atualmente e em cada aparição do personagem antigo ou nome da história, tem no rodapé o número do gibi e editora que apareceram. Achei bom, que fica uma forma de ajudar para quem quiser procurar nos sebos os gibis para ler as histórias originais.

Só para constar, o boneco que apareceu na edição # 122 se refere à edição da Globo (página 15), o bandido com roupa listrada na capa não aparece na história, mas se trata do ajudante do Homem-Borracha, que vira borracha ao tomar uma fórmula (CB # 13 - Ed. Globo, 1988) e teve um erro no gibi sobre o personagem Etê que lança fogo: ele apareceu na 'Cebolinha # 49' da Ed. Abril, e não da Globo.

Erraram feio também quando a Mônica disse que o Cebolinha era o 2º a chegar no número 500 e a Magali comentando com o Cascão se referindo ao gibi #500, dizendo "Imagina quando chegar a nossa vez". O Cascão  e o Chico Bento já chegaram ao 500 e as edições deles de fevereiro/ 2014 são a # 667. Então, o Cebolinha é o 4º personagem a chegar ao "Nº 500" e pelo certo a Mônica devia falar que ela chegou ao 500 antes do Cebolinha, e a Magali podia ter falado "Imagina quando chegar a minha vez". Apesar desses erros, até dou desconto porque a história ficou boa.

Como falei anteriormente, todas as histórias do gibi são interligadas entre si com o lápis mágico da Marina, como pano de fundo. Na 2ª história, tem a volta do Mister B, que apareceu muito nos gibis de 1999 e depois voltou apareer nos primeiros números da Panini, sumindo novamente. Nela, Mister B, explica como funciona o lápis mágico da Marina, revelando todos os segredos da sua magia. Já na 3ª história, do Penadinho, ele mostra que os fantasmas passam através de qualquer lugar, até conhecer o lápis mágico. Uma história de 2 páginas, serviu mesmo para ocupar o gibi, porém melhor que propagandas no lugar.

Trecho da HQ "Mister B"

Na 4ª história, com o lápis mágico, Cebolinha entra sem querer em uma história do Louco, sendo enlouquecido por ele. E na 5ª história, é a vez do seu Juca ser enlouquecido pelo Cebolinha e outros personagens, inclusive de outros gibis e desenhos animados fmaosos, fora da MSP. Louco e seu Juca não podiam faltar em uma edição comemorativa como essa.

Já na última história, Cebolinha põe em prática o seu plano infalível que ele estava desejando lá na primeira história, quando ele pegou o lápis mágico da Marina e o Capitão Feio interrompeu. Ele desejava entrar na primeira tirinha de jornal que a Mônica apareceu, publicada de 1963, para ele não apanhar da Mônica e, com isso, ele se tornar o personagem principal. Afinal, naquela época, as tiras de jornais tinham nome do Cebolinha.

Então, o que dá para notar é que as grandes referências do gibi inteiro foram o lápis mágico da Marina e as histórias "Infinitos Gibis". A Marina, quando foi criada, era a filha do Mauricio que foi parar nos quadrinhos através do lápis do Mauricio. Tratava-se de um lápis normal só que no mundo dos quadrinhos ele se tornava mágico. Através dele, quando desenha uma porta, os personagens abriam dimensões e atravessava portais, que foi forma de inspiração das histórias "Fuga pelos Infinitos Gibis" e "A volta aos Infinitos Gibis", publicadas em 'Cebolinha # 28' (de 2009) e 'Cascão # 37' (de 2010), respectivamente. Enquanto naquelas histórias, os personagens se transformavam em personagens de outros gibis famosos, agora em Cebolinha # 500, eles só voltaram aos gibis antigos do Cebolinha, como se fosse uma máquina do tempo.

Capas de 'Cebolinha Nº 28' (2009) e "Cascão Nº 37' (2010)

Assim como a 'Mônica # 500', os passatempos dessa edição do 'Cebolinha # 500' também fazem referência a data. Um ponto ruim do gibi são as letras digitalizadas. O gibi inteiro com letras de PC, sem as tradicionais feitas a mão. Os traços até estão bons (pelo menos nesse gibi), mas essas letras não dá pra aceitar. Até nos títulos. Em um gibi especial como esse, as letras podiam ser feitas a mão. Tudo serve para diminuir trabalho dos letristas. É o que dá para parecer.

Além dessa, foi lançada também uma edição especial com capa metalizada e papel couché no miolo, como foi com a Mônica, só que com uma tiragem limitada e não são todas as bancas que vendem. Tem formato canoa, igual ao original (bem que podia ser com lombada essa versão especial) e custa R$4,90,  mais cara que a versão original. Uma pequena diferença entre lelas que trocaram "Comemoração infalível" da original para "Celebração histórica".

Como o conteúdo é igual, se for para escolher uma versão, por mim comprava só a comemorativa. Mas como nem sabia q ia ter essa versão especial e também tinha medo de não chegar aqui por causa da distribuição setorizada, acabei ficando com as 2 versões. Abaixo, a capa dessa versão comemorativa:

Edição especial comemorativa

Gostei desse gibi do Cebolinha #500, tem muitas referências às histórias clássicas e fez um apanhado dos gibis do Cebolinha, como tem que ser. Bom que exploraram todas as épocas, não fica restrito só a Editora Abril, por exemplo, e todos podem ter os seus momentos de nostalgia. Muitas dessas histórias citadas tinham que estar no "Cebolinha 50 Anos" e não foi o que aconteceu, por isso melhor ainda. O que estragou foram as letras horrorosas, mas dá pra passar. Vale a pena ter na coleção, nem que seja pelo valor histórico, afinal não é sempre que os personagens chegam a marca de 500 edições.

E a próxima a atingir essa marca do "Nº 500" será a Magali, já em janeiro de 2015 na edição # 97. Já é contagem regressiva para Magali #500 e espero que tenha edição especial igual como foi essa do Cebolinha e a da Mônica. Magali não pode passar em branco essa marca histórica.

56 comentários:

  1. Olá, Marcos.
    Tenho duas coisas pra falar: uma pra perguntar e outra pra criticar...kkkkkkkkk....aiai...tá bom. 1: estou começando meu primeiro blog hoje (Lucas quadrinhosa.blogspot). estava fazendo essa matéria do Cebolinha 500 edições, mas ainda não terminei por causa da BENDITA bateria da máquina. fui ao seu blog, que é um dos meus favoritos e fiquei muito surpreso. você escreve rápido, hein?bom, agora vamos a pergunta: 2: na parte do seu juca, aparecem varios personagens (até o gato félix),inclusive a tina HIPPIE! tenho 10 anos e amo a tina hippie. gostaria que os óculos de coelho caolho e o medalhão voltassem... tá... pensei que era só naquele quadrinho, mas no último quadrinho(na verdade, quadrão) ela parece hippie também, junto com os personagens originais(monica,cebolinha,cascão)!! será que o Mauricio tá ameaçando redesenhar a tina novamente? aguardo respostas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi valeu pelo comentário, seja sempre bem vindo. Legal q vc tá gostando do blog.

      Sobre a escrita, eu até consigo escrever rápido sim, o q demora é procurar as imagens, de acordo com a postagem.

      Sobre a Tina Hippie na edição, eugostava daquela versão, os roteiros eram bem engraçados com a dupla Tina-Rolo. Acho q eles desenharam a tina assim nessa edição pra homenagear as aparições q tiveram nos gibis do Cebolinha. É q as hqs deles hippie saiam mais na revista do Cebolinha do q na da Mônica.

      A MSP planeja mudar os traços da turma da Tina, só q colocando tudo em desenhos feitos no Flash, um horror, não sei se vc já viu. Agora planos de voltar com a Hippie

      Excluir
    2. Eu vi sim, Marcos! achei horrível... e olha que sou novo, hein? se voce quiser acessar meu blog, voce é sempre bem vindo! lembrando que estou fazendo uma materia da monica 1, da abril e ainda n terminei.
      tchau!

      Excluir
    3. Vi o seu blog agora e postei lá nessa matéria da Mônica 1. Abraços

      Excluir
  2. Oi, Marcos, acabei de ler agorinha esse gibi e gostei muitoooo! Fazia tempo que não me divertia com um gibi "do momento" kakakaka. Principalmente pelas questões nostálgicas né? bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Natália... se divertir com gibi novo é raro. Ficou bom esse gibi. E as situações nostálgicas só ajudaram. bjs

      Excluir
  3. Ótima resenha. Esse gibi eu comprei e até gostei. Uma das melhores coisas que foi escrever as referências embaixo dos quadrinhos. Muito bem organizado! Só que achei essa história muito parecida com a 2° história de Mônica 500. Acho que poderiam ter feito uma trama mais diferente, mas infelizmente foi bem parecida com a trama do Xaveco. De qualquer forma, legal. O Capitão Feio trabalhou muito bem ao lado do Cebolinha!

    Aliás, sobre a capa da CHTM de Cebolinha 1. Nossa, tem que ser muito detalhista mesmo. Passou totalmente desapercebido isso por mim, se não lesse nunca saberia. Ah, outra coisa...No fim da página 40, quando termina a "1° história", a Magali fez um comentário esquisito com o Cascão: "Imagina quando chegar a nossa vez". Ela se referia ao gibi 500? Pq se for, erraram feio, pois como vc disse,o Cascão jpa fez 500. Não sei se vc reparou nisso, mas vê só...Que displicência (caso tenha sido mesmo o que entendi).

    Mas enfim, não achei melhor que o da Mônica, mas o gibi até que foi bom! Cebolinha merece essa numeração sem dúvidas. Ah, e no último quadrinho o Rolo apareceu com o design antigo. Adorei! (Mas em contra partida, o Jeremias aparecebeu sem lábios.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já achei mais parecida com a 1ª história de Mônica 500. Se bem q reunir personagens antigos em uma só hq, não muda muita coisa mesmo. Vale mesmo as referências exploradas. E isso gostei muito.

      Sobre a capa da CHTM #1, foi fácil perceber por causa do selo da coleção, e a presença do logo "Mauricio de Sousa Editora" com o Bidu. Eram pra colocar a verdadeira de 1973.

      Eu reparei isso e eu acabei esquecendo de falar, vou editar isso. Valeu mesmo por lembrar. Erraram feio isso. o correto podia ter colocado a Magali falando: "Imagina quando chegar a minha vez".

      O design antigo do Rolo imitando a fase hippie, junto com a Tina, acho q foi pra homenagear as aparições q tiveram nos gibis do Cebolinha. É q as hqs deles hippie saiam mais na revista do Cebolinha do q na da Mônica. E o Jeremias sem lábios, pq infelizmente é padrão assim agora

      Achei a da Mônica melhor tbm, mas esse foi ótimo tbm.

      Excluir
  4. Gostei também dessa edição 500 (Por que na capa está escrito "Especial de aniversário???). Muito legal as referências a histórias antigas e os "cameos" de alguns personagens sumidos do Maurício. Histórica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece q se enganaram com isso, o aniversário seria da revista do Cebolinha, mas ela completa aniversário em janeiro. A comemoração são os 500 números da revista. As referências antigas ficaram ótimas mesmo

      Excluir
  5. Oi Marcos, eu gostei dessa edição, achei muito interessante a forma como fizeram o roteiro, e os desenhos também me agradaram. O Capitão Feio é meu vilão favorito da MSP e ver o danado em ação é sempre gostoso. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm gosto do Capitão Feio, costumam render boas hqs, independente da época. Nessa edição gostei do roteiro e os traços ficaram bons, o q estragou foram as letras de PC. Letras péssimas.

      Excluir
  6. Li o gibi e vi que eles erraram feio quando a Mônica disse que o Cebolinha era o segundo a chegar no número 500. Cascão e Chico Bento já fizeram isso há mais de 10 anos como foi mencionado no artigo, apenas deixaram passar em branco. Por isso que eu não acho justo eles recomeçarem a contagem ao mudar de editora, deveriam permanecer com a mesma. Quanto a referência das historinhas antigas, a "O Poder da palavra" do Cebolinha 26 da globo poderia ser substituída facilmente pela "Cuidado com a boca" do Cebolinha 8, eram bem parecidas. Também espero que a Magali tenha sua edição 500 comemorada. As edições comemorativas da Magali sempre são as mais esquecidas. Espero que eles não façam essa desfeita. Apesar que 3 edições depois já será o número 100 da panini. Bem capaz de eles deixarem de lado por isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Erraram muito feio com a Mônica sendo a 2ª a chegar e a Magali falando "Imagina quando chegar a nossa vez". Isso foi o ponto fraco da hq, mas até deixo levar.

      Realmente a hq O poder da palavra" e "cuidado com a boca" são bem semelhantes, o q muda é a "cuidado com a boca" foi por causa de uma bruxa e a O poder da palavra" foi por pq tomou uma formula. As 2 são muito boas.

      Tomara q Magali não passe em branco mesmo. Magali sempre é esquecida nessas datas e espero q não seja mais uma vez.

      Não é só Mônica e Cebolinha q merecem comemoração desse tipo. É bom o pessoal entrar em contato com o estúdio, comentando e lembrando isso a eles. Pelo menos falta pouco tempo pra sabermos se Magali vai ter ou não comemoração.

      Excluir
    2. É isso mesmo, Marcos! Me ajude e conte pra mim um de cada vez os enredos das HQs "Cuidado com a Boca" (CB # 8, Globo, 1987) e "O Poder da Palavra" (CB # 26, Globo, 1989). Também me diz se elas já foram republicadas. Abraços!

      Excluir
    3. Então, como falei em "cuidado com a boca" tudo q o Cebolinha fala vira realidade por causa de uma bruxa q não gostou q ele foi malcriado com ela e em "O poder da palavra" foi por pq tomou uma fórmula de um mago.

      Não sei se "O poder da palavra" foi republicada, acho q nunca foi, mas "Cuidado com a boca" foi no Almanaque do Cebolinha nº 29, de 1995.

      Excluir
    4. Ô Marcos, agora descobri. De acordo com o Guia dos Quadrinhos, a HQ O Poder da Palavra, acredito que foi republicada no Almanaque do Cebolinha # 62, que também republicaram boas HQ, como 1... 2... 3... (CB # 84, Globo, 1993) e Cisco da Confusão (CB # 14, Globo, 1988), mas não tenho certeza absoluta, já que não tenho o gibi original, nem o almanaque. Aliás, nem você deve ter o almanaque. Acho que foi por isso que você disse que essa "nunca foi" republicada.

      Mas além dessa, você também conhece essas duas HQ que citei? Poderia falar delas um dia? Abraços!

      Excluir
    5. Já falei q conheço. Quando der, falo sobre elas algum dia.

      Excluir
  7. Marcos, bom dia! Acabei folheando a revista em um algum lugar, mas não comprei de imediato. Achei ruim, pensei que seria uma outra coisa. É claro que vou acabar comprando cedo ou tarde, pois tenho um certo amor pelo Cebolinha, mas ela de longe saciou o meu passado com ele e muito menos ofereceu histórias que eu acho que são imperdíveis nesta edição.

    De qualquer forma, obrigado por postar aqui suas impressões. Acho importante, pois a revista é comemorativa e todos nós temos nosso amor pela turma, de alguma forma. Muito obrigado! Por enquanto eu não levei. Mas sei que ela virá pra casa um dia desses, apesar de não ter ficado muito feliz com o conteúdo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiano, essa revista até q não achei ruim. Claro q hqs assim sempre vai faltar uma ou outra hq q marcou a gente, nem q seja pelo lado pessoal, só q pelo menos colocaram referências de todas as épocas.

      Se for comprar, é só não demorar muito, pra não acabar logo. É q por ser uma edição especial, o pessoal compra mais do q uma comum mensal.

      Abraços

      Excluir
  8. "E não dá pra entender porque colocaram nessa imagem, a "Nº 1" de 1973 tirada da Coleção Histórica, em vez da Editora Abril."

    Até dá. Deve ser porque já se tem o arquivo digital da edição histórica prontinho pra usar.

    "Em um gibi especial como esse, as letras podiam ser feitas a mão. Tudo serve para diminuir trabalho dos letristas. É o que dá para parecer."

    Também não gosto muito, mas acho que deve ser o contrário. Os letristas devem trabalhar até mais, porque acredito que isso seja pra agilizar a produção, já que a MSP produz (de acordo com o Sidney, numa entrevista), mais de mil páginas por mês, só das mensais.

    A revista é muito boa mesmo. Gostei muito das referências que fizeram. Comprei mais pelo valor histórico, assim como foi com a Mônica 500.

    Em tempo: acho difícil que tenha uma Magali 500. Se não teve Cascão e Chico Bento 500, não deve ter a dela. Senão vai ter ciumeira! hahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " Deve ser porque já se tem o arquivo digital da edição histórica prontinho pra usar."

      Pode ser, mas se lees tiveram arquivos digitais das outras da Abril e da Globo, não custava ter um da original da Abril. Quem sabe seja pra promover a Coleção Histórica. Lembrando q na Saiba Mais #75, eles colocaram algumas imagens da Mônica da Editora Abril até o Nº 12, tbm tiradas da Coleção Histórica.

      Letras digitais são pra agilizar trabalho, sem dúvida, mas ficam feios assim. Pelo menos nessa Cebolinha 500 podiam ter colocado as tradicionais.

      Sobre Magali 500, é q na Globo não tinham essa preocupação. Agora q fizeram com Mônica e Cebolinha podiam fazer com a Magali. E ainda podiam se redimir com Cascão e Chico Bento fazendo edição especial com eles na "Nº 700" deles.

      Ciumeira já tem por parte do Cascão e Chico pq a Mônica e Cebolinha tiveram especiais e eles não. E a Magali seria mais uma a ter rsrsrs.

      Excluir
    2. Marcos, de acordo com o Sidney, vai ter edição especial "500" da Magali, sim, e eles estão planejando relançar especialmente as edições 500 do Cascão e Chico, com conteúdo inédito, para a data não passar em branco.

      Excluir
    3. Marcelo, estou sabendo q a magali vai ter edição especial. Agora sobre Cascão e Chico bento 500 serem relançados eu já não sabia.

      Por um lado é bom, mas fica estranho isso. Tinham só q relançar o gibi sem conteúdo novo pq vira uma revista nova. A capa, inclusive, tinha q ser iguais as de 2001.

      O ideal era esperar a edição Nº 700 (a Nº 119 deles da Panini) pra fazerem algo especial. Vamos aguardar.

      Excluir
  9. ola marcos! sigo seu blog deste novembro do ano passado. não gostei de terem colocado a capa do cebolinha da coleção histórica , bobeira isso , eu acho que o mauricio inventou essa coleção so pra tirar capas dela. enfim edição foi muito boa não sabia que o cebolinha iria fazer aniversario da revista ainda bem que você postou!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa assim acho q deve ser pra promover a Coleção Histórica, memso assim não gostei tbm. Original sempre.

      Edição ficou bem bacana mesmo. Comemoração de número da revista costumam ser boas.

      Excluir
  10. Acompanho as revistas da Turma da Mônica desde 2004 e percebi as mudanças nas letras e também no tipo de letra dos títulos de histórias: algumas delas usam o nome do personagem(ex: Cebolinha em...) do mesmo jeito como aparece na capa do gibi. Também o traço dos personagens mudou muito(a Tina atual e a dos anos 90 que vejo em almanaques, acho mais bonita a dos anos 90. Não gostei muito das mudanças.

    Quanto ao gibi, parece ser muito legal e estou doido para achar um lugar em minha cidade que venda, pra não assinar, pois o lugar que vendia encerrou as vendas de todas as revistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, essas letras estão estragando os gibis, além dos traços. Até nos títulos são digitais e não tem toda aquela arte q estávamos acostumados.

      Sobre traços da Tina até os anos 90 eram infinitamente melhores. De 2004 em diante, só avacalhação. Já foram 3 mudanças desde então e uma pior q a outra. Uma pena.

      Esse gibi do Cebolinha é legal sim. Normalmente vende em todas as bancas, quem sabe vc encontra em bancas no centro da cidade. Se não encontrar, vc pode comprar tbm na internet, como no site da Comix.

      Só recomendo não demorar muito, pq pra comprar na internet depois desse mês, vão meter a mão e cobrar os olhos da cara, por ser uma revista especial.

      Excluir
    2. Se fosse em cidade grande até ia... Até já achei um ponto de venda, mas é muito restrito, vende muito pouco. Assim, preciso me deslocar cerca de 60 quilômetros até uma banca em Votuporanga/SP.

      O ponto que eu comprava e encerrou as vendas tinha todas as revistas principais, TMJ, Neymar, Chico Bento Moço e Almanaques principais. Tratave-se da papelaria de uma rede de supermercados. Vou dar meu jeito! Ou desloco 60 Km ou, infelizmente, faço a assinatura que, vem uma ou outra opção que não quero.

      Excluir
    3. Nem adianta fazer assinatura só por causa dessa revista pq mesmo se fizer agora, vc vai receber são as revistas de março.

      E convenhamos fazer assinatura só por causa de 1 revista não é bom, a não ser q tenha interesse em colecionar. Além do mais há muita reclamação de assinantes da Panini, principalmente sobre entrega. Muita dor de cabeça.

      Se não encontrar essa do Cebolinha, recomendo comprar na internet, na Comix, por exemplo, e ainda nesse mês pra não esgotar. Ou desloca 60 Km. Melhor do q assinar.

      Excluir
  11. Oi! Quando era criança fui com meus pais a praia, isso em algum ano da década 1980 que eu não me recordo. Lembro que no apartamento que fiquei, tinha uma revistinha da Turma da Mônica não sai da minha cabeça e estou a procura dela a anos. Só me lembro de uma cena, com a turma andando com um enorme relógio na cabeça, eles seguravam esse relógio, tipo despertador em cima da cabeça. Lendo aqui encontrei essa história chamada No país dos relógios" (CB #22, de 1988). Será que essa é a história que estou bucando a anos???? Alguém tem imagens dessa história. Procurei essa edição para vender no MErcado Livre e não encontrei. Se alguém puder me ajudar a encontrar essa história, eu agradeço. Luiz. meu e-mail é: contato5s@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa hq q vc tá falando não é a "No país dos relógios"... tudo indica q é a hq"Senhor do Tempo", publicada em Mônica nº 81 - Ed. Abril, 1977.

      Como vc falou q leu nos anos 80, quem sabe vc leu em algum almanaque da Mônica da própria Ed. Abril depois de 1982, quando era permitido republicarem hqs de 1977... ou vc deve ter lido no livro "Maurício 30 Anos" de 1990, q é onde tenho essa hq e no final turma andando com um enorme relógio na cabeça.

      Imagem não tenho disponível pra confirmar. Espero q tenha ajudado. Abraços

      Excluir
    2. Pois é, Marcos. Não é a HQ No País dos Relógios (CB # 22, Ed. Globo, 1988), mas essa deve ótima e também um clássico do Cebolinha. Fale dessa HQ um dia.

      Mas antes, diga como é o resumo dessa HQ, pois nunca li ela na minha vida. Diga também se ela já foi republicada. Provavelmente em 1993 e 1994, já que era possível republicar HQs da época.

      Excluir
    3. No País dos Relógios foi republicada no Almanaque do Cebolinha nº 47 (Ed. Globo, 1998). Na hq eles Cebolinha e Cascão vão parar num mundo onde só tem relógios falantes. Quando der, falo dela. Abraços

      Excluir
    4. Obrigado mesmo, Marcos! Eu nem conhecia essa HQ, nem a republicação dela. Mas tem quatro HQs do Cebolinha de 1991 que devem ter sido republicadas nessa época, entre 1998 e 1999. Tomara que você as conhece e sabe o enredo delas.

      - Eu Amo Ser Mau, de CB # 53: Juro que não conheço essa. "Eu Amo Ser Mau"? Como assim? Conhece essa HQ? Qual o enredo dela? Já foi republicada? Diz aí, aliás, será que nessa HQ o Cebolinha virou um menino do mau? Ah, creio que ela já foi republicada no Almanaque do Cebolinha # 46 (Globo, 1998), mas nem queria que voltassem à republicá-la, afinal, se tiver diabos nela, diabos hoje nem pensar!

      - O Elétrico, de CB # 54: Pelo que vi num comercial do Almanacão Turma da Mônica de 1998, assim que é assim: O Cebolinha leva uma baita dum choque num temporal, aí como ele virou elétrico, ele causa o maior pânico no bairro. Será que é esse o enredo? E acredito que foi republicada no Almanacão Turma da Mônica # 9. Eu bem que queria te mostrar o comercial no YouTube, só que ele foi deletado, ou seja, já era. Você me ajude com essa história.

      - Sociedade Pouco Lucrativa, de CB # 55: Nessa hilariante HQ, Cebolinha e Cascão fazem de tudo pra ganhar um dinheiro para comprar um carrinho, mas só arranjam confusão. Eu conheço a HQ, baixei o gibi original na Internet e ela foi republicada no Almanaque do Cebolinha # 50 (Globo, 1999), mas quando criança nem conhecia ela. Você a conhece?

      - Guarda... Sopapo, de CB # 57: Mais uma que não conheço e não li, mas a capa dessa edição é muito boa, tendo o Cebolinha imitando Charles Chaplin, mas como o cabelo dele tem 5 fios, o chapéu nem cabia direito. Muito engraçada. E de acordo que vi, parece que foi republicada no Almanacão Turma da Mônica # 10 (Globo, 1999), que também republicaram As Coisas Dele (MN # 91, 1994), Maico Jeca (CHB # 28, 1988), Pão, Pão, Beijo, Beijo (MG # 49, 1991) e O Menino Peixe (CC # 58, 1989). Dentre essas HQs republicadas, só conheço a do Maico Jeca. Você conhece o resto? Sabe os enredos delas? E do Guarda Sopapo, você conhece? Qual o enredo dessa?

      Bom, tem mais duas HQs do Cebolinha de 1991 que gosto muito, como Os Bebezões e Duelo em Quadrinhos, sendo que o do duelo virou desenho. O dos bebezões dava pra ler no antigo portal da Mônica. Eu posso conhecer essas duas HQs, mas não sei quando elas foram republicadas. Você conhece essas HQs? Aliás, as outras HQs de 1991 do Cebolinha você também conhece? Sabe os enredos delas? Já sabia que elas foram republicadas? Espero que você entenda o que eu disse, né? Abraços e fale de algumas delas um dia.

      Excluir
    5. Conheço todas essas q vc falou. "Os bebezões" foi republicada em Coleção Um Tema Só nº 17, de 1997. Vc gosta de almanaques hein?

      Excluir
    6. Claro que gosto de almanaques, porque se a HQ for da época da Ed. Abril, vai ser mesmo no almanaque que irei ler pela primeira vez, e também porque não tenho muitos gibis da Abril, entende?

      Mas você nem falou dos enredos das HQs citadas. Enquanto Sociedade Pouco Lucrativa, Os Bebezões, Duelo em Quadrinhos e Maico Jeca eu já conhecia, você tem de me falar os enredos das outras HQs que são:

      1 - Eu Amo Ser Mau (Cebolinha # 53, Globo, 1991)
      2 - O Elétrico (Cebolinha # 54, Globo, 1991)
      3 - Guarda... Sopapo (Cebolinha # 57, Globo, 1991)
      E só de pirraça. tem também:
      4 - As Coisas Dele (Mônica # 91, Globo, 1994)
      5 - Pão, Pão, Beijo, Beijo (Magali # 49, Globo, 1991)
      6 - O Menino Peixe (Cascão # 58, Globo, 1989)

      Essas três últimas foram republicadas no Almanacão Turma da Mônica # 10 (Globo, 1999), que nem tenho e você também não deve ter. Então, se você conhecia as HQs citadas nos gibis originais, fale-me do enredo de cada uma delas, tá bem? Abraços!

      Excluir
    7. Ah, Marcos, esqueci! Acho que você fez um erro. A HQ dos bebezões não foi republicada em Coleção Um Tema Só # 17 (Globo, 1997), e sim na edição 18. É que na edição 17, eles republicaram várias HQs do Chico Bento com pescaria, enquanto na edição 18, várias HQs dos planos infalíveis do Cebolinha até 1992 (porque na época, era permitido republicar HQs antigas até 1992), e essa edição 18 é tipo uma continuação do Coleção Um Tema Só # 3 - Cebolinha Planos Infalíveis de 1993. Você tem essa edição 3?

      Vale lembrar que uma HQ dessa edição 3 que conheço é a HQ O Plano da Calcinha de Rendinha, de Cebolinha # 11 (Globo, 1987), mesmo eu não tendo o almanaque original. Mas é claro que você sabe que essa HQ da calcinha seria impublicável pros dias de hoje, porque a turma não pode ter HQs com temas, assim, sexuais.

      Então, esse é meu erro de você ter falado, eu só fiz isso pra ter corrigir. E até que faz sentido, hein? Você tem almanaques do Um Tema Só até qual edição? Abraços!

      Excluir
    8. Sim, foi na 18. Digitei errado. Eu tenho o nº 3, sim. Esses eu tenho até a nº 37.

      Sobre as hqs citadas, pra q falar de enredo se vc já falou? Quando der, falo delas em postagens.

      Excluir
  12. parabéns pela matéria, compartilhei no face

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo elogio e por compartilhar. Abraços

      Excluir
  13. Eu queria rever que são da Mônica 110 da Editora Globo em 1997, poderia ser A Marca do Dentão ou Turma da Cônica, se puder comente sobre o gibi inteiro, ficaria muito feliz, pois eu havia comprado essa edição no sebo e adorei, porém eu a revendi pro sebo para obter outra revista. Ficarei grato se realizar o meu pedido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correção: "Eu queria rever a edição Mônica 110 da Editora Globo em 1996, ou pelo menos as histórias Marca do Dentão ou Turma da Cônica..."

      Excluir
    2. Raul, eu tenho esse gibi da Mônica 110. Hqs boas essas. Quando der, eu vejo o q posso fazer.

      Excluir
    3. Isso mesmo, Marcos! HQs muito boa dessa edição mesmo é A Marca do Dentão, em que os meninos querem que a Mônica seja uma super-heroína para salvá-los, mas as situações que eles pedem são hilárias e claro, só querem irritá-la. No final, ela desiste de ser heroína e vale citar que o próprio Batman (ou Batmão, como você quiser chamar) aparece no final. Com certeza, é muito boa e a conheci quando foi republicada no Almanaque da Mônica # 83 (Globo, 2001). Com certeza, você deveria falar dela um dia.

      Outra HQ boa que você deve conhecer é O Mistério das Models de Mônica # 107 (Globo, 1995), em que Mônica e Magali decidem ser modelos por um dia para ajudar a modelo Cindy Campibel (se esse for um nome parodiado de uma famosa, me diga o verdadeiro), mas elas descobrem que ser modelo só dá dor de cabeça e um francês miserável tenta acabar com o sonho delas serem modelo. Bem, esse deve ser o enredo, pois eu lembro que lia bastante no Portal da Turma da Mônica. Não sei porque não tão voltando com as melhores HQs do portal na minha opinião. Só que tem dois absurdos: O número de páginas da HQ é monstruosa e como era um gibi da Mônica que tinha 84 pgs, era o número certo e outro absurdo é que a capa da edição faz alusão à história, coisa rara dos gibis na época, menos para a revista do Parque da Mônica. E eu juro que nem sabia que foi republicada no Almanaque da Mônica # 81 (Globo, 2000), talvez porque nunca tive esse almanaque.

      Então se você conhece as duas HQs citadas, por favor, fale de uma delas um dia e me diga se os enredos que inventei tão certos ou não. Abraços!

      Excluir
    4. Conheço sim, muito boas. Abraços

      Excluir
  14. Marcos, eu até gostei de você ter falado desse gibi do Cebolinha # 500. Desculpe eu estar falando isso depois que o gibi foi lançado, mas é que quando esse gibi chegou nas bancas, eu queria tanto ter ele, mas não consegui compra-lo. Triste, não?

    Eu também gostei desse gibi, os traços até que estão excelentes, mas se não fosse por essas letras porcas de PC, o gibi seria mil vezes melhor! Você também pensou nisso?

    O melhor desse gibi é ter o encontro de vários vilões que marcaram os gibis do Cebolinha. Sério, diz pra mim, você acha que as HQs desses vilões são uma obra-prima?

    E seria muito bom se você falasse de algumas delas, principalmente a do Homem-Borracha, de CB # 13, de 1988. E como sempre, eu não tenho todos os gibis dessas HQs dos vilões, seria uma boa se eu tivesse.

    Então é isso, obrigado mesmo por ter falado de Cebolinha # 500. Essa foi mais uma edição histórica que irei lembrar e relembrar pra sempre. E tem mais, fui passear no sebo recentemente, e advinha? Eles tem esses gibi lá! NOSSA! E eles também tem quase todos os gibis das HQs citadas na postagem. Eu disse quase, não são todas!

    Então, peço muito pra você torcer pra não levarem essa edição antes de eu voltar lá pra comprar, e não se esqueça de falar das HQs citadas.

    Ah, antes que eu me esqueça, claro que eu nem preciso falar que a maioria dessas HQs citadas deviam ser republicadas no livro Cebolinha 50 Anos, de 2010. Você concorda no que eu tô dizendo?

    Então, mais uma vez, obrigado por ter falado desse Cebolinha # 500, e espero mesmo que a Magali tenha uma edição de 500 edições, porque se não tiver, que tal se a gente protestar a MSP por ter feito uma sacanagem dessas? Abraços pra vc!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os traços na hq de abertura achei bons, mas não excelentes. As letras de fato são porcas. As hqs dos vilões são muito boas, podiam ter colocado algumas no livro Cebolinha 50 Anos. Quando der, falo de algumas delas aqui.

      Vai ter Magali 500, sim. No site da Panini Comics já tem a capa. Se der, comento sobre essa edição quando chegar e depois de ter lido.

      Excluir
    2. Marcos, você esqueceu de me desejar muita boa sorte pra procurar esse Cebolinha # 500, se os sebos estiverem vendendo. Também me deseje sorte pra procurar Magali 500, se eu realmente comprar. E eu não tenho também Mônica # 500, de 2011, então esse último é mais um pra você ficar torcendo pra que eu encontre. Aliás, um dia, se der, você fale de Mônica # 500 (se você tiver, é claro!), e diga também se essa da Mônica é boa. Abraços e deseje-me sorte na procura desses gibis!

      Excluir
    3. Sim, Mônica 500 é uma ótima edição. Boa sorte na procura e vê se compra Magali 500.

      Excluir
    4. Marcos, já que eu tô aproveitando, aproveito também pra falar das revistas de janeiro. Na verdade, só vou falar dos almanaques, que são bem melhores do que os gibis atuais.

      O único deste mês que me interessou foi o do Cebolinha, que só de ver as caretas escrotas na capa, vi que deve ser uma HQ do Emerson Abreu, por causa das caretas. Nesse gibi, o enredo é que o Franjinha transforma o Cebolinha em um caramujo, mas mesmo assim, nem quero comprar o gibi, a HQ deve ser tão horrorosa!

      Então, eu só pretendo comprar os almanaques e a Magali 500. Agora, veja só quais são as HQs que estão sendo republicadas nos almanaques deste mês:

      - No Almanaque da Mônica # 49, foi a HQ Apartamento de Cobertura, de Mônica # 98, de 1995. Eu nunca li essa HQ antes, mas pelo que vi, o enredo é assim: A Mônica descobre que vai se mudar para um apartamento, mas pra ela, isso significa se despedir de seus amigos. Ou seja, tô até vendo que essa HQ vai ser bem triste, terá muita choradeira e até direito de um final emocionante. O engraçado é que ela já foi republicada antes, no Almanaque da Mônica # 76, de 2000, época perfeita pra republicar uma HQ de 1995. Mas até agora, não tenho o gibi original, e é esse motivo que quero comprar esse almanaque, só pra ler a história. Quem sabe, você fale dela.

      - No Almanaque do Cebolinha # 49, foi O Terrível Ladrão de Fumacinhas, de Cebolinha # 161, de 2000. Mais uma que não li, mas deve ser excitante! É a épica história de um vilão malvado que quer roubar as emoções da turma para dominar o mundo. Quando vi o título da HQ, achei que queria roubar aquelas fumaças de quando os personagens andam, mas creio que, na verdade, ele só quis roubar as emoções mesmo. Ah, o vilão também foi lembrado nesse gibi do Cebolinha # 500 da postagem, como você falou. E assim como a HQ da Mônica acima, essa também foi republicada antes, foi no Almanaque do Cebolinha # 95, de 2006, que foi o penúltimo almanaque dele na Globo. Mas, e você? Tem o gibi original? Essa HQ é boa mesmo ou não?

      - No Almanaque do Cascão # 49, foi a HQ Depois do Banho, de Cascão # 131, de 1992. Finalmente, a única que eu já conhecia! Nela, a turma resolve pregar o Cascão, dizendo que tomou banho, e deixando ele desesperado. No final, foi revelado que eles usaram maquiagem e uma peruca pra fantasia-lo e a foto dele tomando banho foi, na verdade, uma foto do Cebolinha tomando banho. Eu falei que a conheço, porque eu baixei o gibi original da Internet, li e gostei bastante. Mas agora vem a parte difícil: Eu não sei se ela foi republicada na Globo. E você? Sabe se ela foi republicada? E pra finalizar, ela até virou desenho recentemente. Se você quiser ver, acesse esse link aqui: https://www.youtube.com/watch?v=8CxaDmSkokg

      E o Almanaque Temático deste mês também será especial! Como Janeiro a gente continua no verão, neste mês, o Almanaque Temático desse mês reúne várias HQs dos personagens na praia. Com certeza, um tema que combina com o verão. E eu quero muito esse almanaque, deve ser genial. E você conhece a HQ Vamos à Praia?, de MN # 12, de 1987? Só espero que republiquem mesmo essa HQ nesse almanaque, e espero também que você fale dessa HQ. O engraçado é que ela já foi republicada na Globo, foi no Almanaque da Mônica # 35, de 1993. Aliás, te recomendo mesmo comprar esse almanaque pra falar aqui no Blog, mas creio que terá aquelas alterações, como aconteceu no Almanaque Temático # 28 - Cascão Brinquedos e Brincadeiras, de 2013, que você já falou.

      Então, pra terminar o comentário, os gibis desse mês que me interessam mesmo são: Magali # 500, os almanaques e o Almanaque Temático. Não preciso te perguntar se você conhece as HQs citadas. Como você tem elas nos gibis originais da Globo, é claro que você conhece. E você não compra os almanaques, porque tem todas as HQ nos gibis originais e nos almanaques da Globo.

      Então, é isso, espero mesmo que você conheça as HQs citadas que estão sendo republicadas nos almanaques novos, e me deseja boa sorte pra eu compra-los, inclusive a Magali # 500, beleza? Ah, sim, quando der, você fale das HQs aqui no blog, tá? Abraços!

      Excluir
    5. Não conheço essa hq do cebolinha e não sei quando a hq do cascão foi republicada.

      É de admirar q o Almanaque da Mônica já tá com hq de 1995 (quase não colocaram hqs de 1994) e o do cascão já em 1992 (quase não colocaram hqs de 1991). Será q as q não foram são todas incorretas pra republicação? rsrs

      Quando der, falo dessas hqs. Abraços

      Excluir
  15. já que as edições 500 do Cascão e Chico Bento não foram comemorativas, será que a 700 vai ser? falta pouco para eles chegarem a essa marca, e seria legal uma história assim, mostrando personagens antigos dos Gibis, assim como foi o Cascão 200 da editora Globo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem sei, Bruno. Há boatos que a MSP tem projeto de fazer edições semelhantes com o Cascão e Chico Bento, mesmo eles já terem alcançado as 500 edições. Ou vão colocar as edições do Cascão e do Chico # 119 da Panini, que serão as edições # 700 de ambos, como especial ou fariam uma edição especial para cada um com uma história inédita comemorativa e o resto do gibi com as histórias que saíram nas edições # 386 de 2001 deles.

      Acho desnecessário, principalmente se relançarem as edições de 2001. Afinal, as edições # 500 deles foram aquelas da Globo. Se não teve nada de especial na época, não pode fazer nada pra corrigir. Acho que assim fica parecendo caça-níquel. E como seriam as capas? Colocariam as mesmas de 2001 ou fariam uma nova? Sem lógica. Vamos aguardar para ver se isso vai acontecer mesmo, porque por enquanto são só boatos.

      Excluir
  16. Acabei de conseguir o mônica 500 em um sebo. eu gostei dele, mas eu achei o do cebolinha melhor, pois nele teve um monte de personagens antigos reaparecendo e eu acho que isso émuito bom em especiais como esse. No da Mônica até teve, mas menos que o do Cebolinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maneiro q vc encontrou a Mônica 500. O da Mônica teve referências tbm, mas acho q ficou muito focado nas hqs da Ed. Abril. O do cebolinha ficou mais completo, abrangindo todas as épocas. Mas, enredo de hqs, achei o da Mônica melhor.

      Excluir