quarta-feira, 9 de setembro de 2015

A evolução da Tina e sua turma (Parte 1)


Tina é, sem dúvida, a personagem que mais sofreu modificações desde a sua criação. Por conta disso, vou mostrar a evolução da Tina e sua turma, mostrando todas essas mudanças ao longo dos anos, não só nos traços, como também no comportamento, pois sempre tiveram intenção de seguir as tendências jovens de cada época. Mostrarei os traços e tipos de histórias que prevaleciam em cada época. Como foram tantas mudanças, dividi em 2 postagens e nessa primeira parte mostro a evolução nos anos 70 e 80.

Tina foi criada em 1970 no suplemento "Folhinha de São Paulo", do jornal Folha de São Paulo. Houve erro da MSP informando que foi criada em 1964, como foi mostrado no livro "Mauricio 30 Anos", mas não é verdade. Não há nenhuma imagem dela em 1964 e, sim, no suplemento da "Folhinha de São Paulo" de 15 de fevereiro de 1970 onde fala que era a sua estreia. Imagem abaixo tirada do site do "Acervo Folha".

A primeira aparição da Tina e sua turma na "Folhinha de São Paulo" (1970)

Tina tinha óculos grandes "fundo de garrafa", camisa com listras vermelhas, um cordão grande e calça jeans e cabelo com comprimento até a altura dos ombros. Aparentava ter uns 10 a 11 anos enquanto Toim e Toneco eram mais novos em torno de 6 anos. 

Tina em 1970

Quando surgiu, Tina era na verdade uma coadjuvante, participando nas histórias do personagem Toneco, que era o protagonista do núcleo. Era apenas a irmã um pouco mais velha dele, que também tinha o Toim como irmão. A base das histórias mesmo eram o relacionamento entre os irmãos Toim e Toneco, em que Toneco era o otimista e Toim o pessimista, que achava que tudo ia dar errado com Tina participando às vezes. Em 1970 também foram criados a Vovoca (avó deles), o pai (que não tinha nome) e o Palestrino, o papagaio deles. Não tinha mãe e nunca foi revelado o que tinha acontecido, se ela havia morrido. Simplesmente não tinha. Teve também o Gargarejo, cachorro da Tina, mas que nunca apareceu nos gibis, apenas no suplemento "Folhinha de São Paulo", como mostrei acima.

Toneco, Toim, Vovoca, o pai e Palestrino

Logo depois, em 1970 mesmo, a personagem adotou a cultura hippie que era a moda na época. As histórias eram ambientadas na Bahia, a Tina adorava confrontar com o pai e o Toneco que não gostavam e não aceitavam o seu estilo hippie. Ela passou também a vender miçangas na rua para o desgosto do seu pai. Era comum a gente ver bordões como "Oi, Bicho!" e "Qual é o grilo?" e eram comuns também histórias com ela tentando ensinar a cultura hippie para o Toneco, suas gírias, jeito de vestir, mas ele nunca se adaptava a isso. Vovoca era a avó deslocada, à frente do seu tempo que gostava de John Lennon e da cultura hippie.

Em 1972, Tina cresceu um pouco e era uma adolescente rebelde. Os traços semelhantes, só ligeiramente mais alta, para representar que tinha uns 12 anos.

Tina em 1973

Naquele ano surgiram também 2 novos personagens: Rolo e Pipa, que estrearam na história "O grilo do Rolo", de 'Mônica Nº 30'. Rolo seguia a tendência hippie junto com Tina, com cabelo e barba azuis formando uma flor e cobrindo quase todo o rosto, olhos redondos, nariz com formato "C", camiseta amarela com listras vermelhas horizontais, de sandálias e um cordão igual da Tina,característico da cultura hippie. Fazia dupla com Tina na cultura hippie, vendia miçangas com ela e a favor de gírias.

Rolo em 1972

Já Pipa era garota gorda, vestindo sempre roupa colegial com camisa branca e saia preta e tinha o comportamento certinho para se opor à Tina e Rolo. Foi criada para ocupar a vaga do Toneco, que foi para o limbo do esquecimento, junto com Toim, em 1973. Queriam que tivesse alguém da mesma idade para confrontar com Tina o seu gosto hippie e não uma criança como o Toneco. 

Enquanto Tina e Rolo adotavam a cultura hippie, a Pipa não suportava e os incentivava a deixarem essa cultura. Musicalmente, a Pipa gostava de músicas bregas, como Valdique Soriano, Ronnie Von, Jerry Adriane, entre outros, e fazia com que eles gostassem também. Tiveram também algumas histórias da Pipa envolvendo regime.

Pipa em 1972

Em meados de 1974, Pipa deu um tempo nos gibis, sem aparecer, e as histórias ficaram focadas só na dupla Tina e Rolo. Histórias envolvendo a cultura hippie passaram a ser menos frequente e eram comuns histórias de humor pastelão, com os dois como atrapalhados, um zoando o outro, agindo como crianças grandes. Muitos roteiros podiam ser protagonizados pela Turma da Mônica mesmo, mas preferiram colocar com a dupla Tina e Rolo.

Fisicamente, nessa fase os traços da Tina foram mudados um pouco. Agora aparentava ter 14 anos, com as pernas mais alongadas, calça boca de sino e mostrando um corpo mais curvilíneo, com um pouco dos seios.  Rolo também teve pernas alongadas para tirar o ar infantil. O cordão hippie deles continuava.

Tina em 1974
Rolo em 1974

Em 1975 uma nova mudança. O rosto da Tina continuou igual, mas as pernas dela ficaram mais alongadas para demonstrar que cresceu mais um pouco, agora aparentando cerca de 16 anos. A personagem era praticamente só pernas de tão longas que ficaram. Tina passou a ter corpo com mais curvas ainda e aparecendo de barriga de fora às vezes, com intenção de tornar a personagem mais feminina. Já Rolo apareceu mais alto também e o cabelo junto com a barba ficou menores um pouco, aparecendo um pouco mais do rosto dele. Histórias envolvendo a cultura hippie não tinham mais e eram mais com Tina e Rolo zoando um ao outro como crianças grandes e às vezes Tina e Rolo protagonizavam histórias solo.

Tina em 1975
Rolo em 1975

Até aí foram mudanças sutis que nem dava para notar diferença assim de cara, só quando relia um gibi antigo. A grande mudança da Tina e sua turma aconteceu a partir de junho de 1977. A cultura hippie já não existia e os personagens perderiam o sentido se continuassem os mesmos. 

Então, Tina, agora com uns 18 anos, passou a ter traços completamente femininos, cabelo até na altura dos ombros, um rosto pequeno e boca pequena com batom, característico de como a MSP desenhava as mulheres nos anos 70, assim com óculos proporcionais ao rosto, usava vestidos característicos da 2ª metade dos anos 70, voltados para a "Era Discoteca", que era a nova moda da época. Só o cabelo ficou igual da fase anterior, parecendo cachos de banana, com comprimento até a altura dos ombros. Imagem abaixo enviada por André Felipe.

Tina em 1977

Rolo não mudou muito. O rosto continuou o mesmo com cabelo e barba azuis formando uma flor, sendo que agora também vestindo roupas voltadas à "Era Disco". Pipa voltou aos gibis a partir de 1977, sem mudanças físicas, com mesma roupa colegial, só com traços superfofinhos, como eram predominantes nos gibis naquela época.

Rolo em 1978
Pipa em 1978


Só que não foram apenas os traços, mas também a personalidade deles mudaram. Agora, as histórias passaram a ser ambientadas em São Paulo e eram com Tina e Rolo procurando emprego, envolvendo namoro e algumas relacionadas à "Era Disco". Tina passou a ser a "certinha" da turma e a Pipa, que era certinha quando estreou, foi quem passou a ser a atrapalhada e era ela quem fazia dupla com Rolo nas histórias pastelão, agindo como crianças grandes. Às vezes, Tina tinha umas recaídas e, com isso, os 3 protagonizavam humor pastelão juntos.

Passaram a ter também histórias da Pipa passando sufoco e criticada por ser gorda, da Tina com namorados, além da Tina e Pipa disputarem o mesmo namorado. Também era comum Pipa gostar do Rolo, sem ser correspondida, assim como Tina ter uma queda por ele. Ou seja, dá pra concluir que essa fase no final dos anos 70 foi de experiência, não tinha nada definido, faziam para ver o que daria certo ou não nos personagens.

A estreia da nova fase da Tina pôde ser conferida nos gibis da  e 'Cebolinha Nº 54', ambos de junho de 1977. Na inesquecível história publicada em 'Mônica Nº 86', com a dupla tentando dançar o bolero "Um pra lá, dois pra cá", (paródia de "Dois pra lá, dois pra cá", de Elis Regina), marcou a nova fase da Tina, dando adeus à fase "Riponga". Os leitores devem ter tomado um susto quando viu a Tina daquele jeito. O Rolo até que ainda continuou com a mesma roupa que era, só que sem cordão, e que ficou assim por alguns meses, mas logo depois suas roupas mudariam. Deu pra notar que estilo de história ainda era o mesmo com a dupla em humor pastelão, mas isso seria mudado logo.

História de estreia da nova fase, publicada em 'Mônica Nº 86' (1977)

Nos anos 80, com a mudança de comportamento dos jovens no mundo, os personagens sofreram outra mudança e essa sim foi a fase consagrada da turma. Os personagens passaram a ter entre 18 a 20 anos. No visual, a partir de 1981, Tina passou a usar roupas no estilo dos anos 80, já que eles sempre seguiam as tendências da época. Os traços também ficaram mais "mauricianos", seguindo proporções mais certas. A cabeça da Tina ficou maior, continuou com cabelos até na altura dos ombros e os lábios ficaram mais grossos. Ela não costumava aparecer sem óculos, só quando ia à praia ou estivesse dormindo. 

A estrutura era essa, mas lembrando que nos gibis dos anos 80, a MSP passou a ter vários desenhistas e os personagens (não só os da Turma da Tina) tinham vários estilos de desenhos e arte-final. Em cada história era um estilo diferente de desenhos. Separei dois tipos de desenhos da Tina que mais prevaleceram nos anos 80, sendo o primeiro mais comum no inicio da década e o segundo, mais no final.

Tina nos anos 80
Tina nos anos 80

Rolo também seguia as roupas dos anos 80, agora usando tênis, e Pipa, apesar de ainda usar roupa colegial como nos anos 70, às vezes aparecia com outras roupas e continuava gorda. Abaixo os traços que prevaleceram na época, sendo que também tiveram leves diferenças em cada história de acordo com o estilo do desenhista.

Rolo nos anos 80
Pipa nos anos 80


Seguindo estilo de desenhistas, as vezes a Pipa aparecia com brilho branco no cabelo de vez em quando, como na imagem abaixo:

Pipa nos anos 80, com brilho branco no cabelo

Em 1982 surgiram 2 novos personagens: Zecão, o namorado fixo da Pipa  e Jaime, o namorado fixo da Tina, sendo que às vezes tinham histórias com a Tina com outros namorados. Zecão estreou na história "Pedido de namoro", de 'Mônica Nº 146', de 1982, um rapaz com cabelos laranja, barbicha e narigão, tinha que enfrentar o ciúme da Pipa. Ele trabalhava em escritório e adorava videogame. Só não queria saber de casamento, deixando Pipa encucada e mais ciumenta ainda.

Zecão nos anos 80

Jaime era um rapaz com barba e além de mostrar relacionamentos com a Tina, às vezes aparecia participando das histórias solo do Rolo. A cor do cabelo e barba do Jaime que mudavam às vezes, de acordo com a história, mas prevalecia o tom laranja. Ele deixou de ser namorado dela quando a Tina o flagrou com outra mulher no carro dele.

Jaime com Tina

O estilo de histórias nessa fase dos anos 80 e com esses personagens novos, Tina e Rolo passaram a fazer faculdade enquanto Pipa e Zecão faziam curso pré-vestibular e cada um trabalhava em escritório. Rolo se tornou um mulherengo, namorando uma mulher diferente a cada história ou pegando várias na mesma história ou, ainda, tentando paquerar as garotas sem sucesso. Detalhe que as mulheres que ele pegava sempre eram gatas e fugia das mulheres feias. Ele também passou a gostar de rock e tinha uma banda.

Pipa se tornou a garota ciumenta possessiva ao extremo. O Zecão não podia nem olhar para as outras garotas que ela já estava pensando que vai ser traída, além de controlá-lo o tempo inteiro, como, por exemplo, telefonando o tempo inteiro para o escritório ele enquanto trabalhava. E, com isso, viviam sempre brigando e se separando. E ela também sempre às voltas com dietas para emagrecer. Tina se tornou mais certinha ainda, era a conselheira e conciliadora, quem ajudava Pipa e Zecão voltarem a namorar depois de terem brigado e ajudar o Rolo a sair de suas enrascadas com a mulherada e tinha histórias namorando o Jaime ou outros homens de vez em quando.

Nessa fase, teve a volta de Vovoca e do pai da Tina (os dois com traços bem diferentes do que nos anos 70), sendo a Vovoca com participações mais significativas, ajudando e dando conselhos para a Tina a resolver seus problemas amorosos. Como Tina não tinha mãe, era a Vovoca quem exercia a função. E ainda tiveram histórias envolvendo cotidiano e comportamento dos anos 80, como videogames, músicas da época como o Rock, tecnologias como o Bip, entre outras. Sem dúvida a melhor fase deles.

O pai da Tina e Vovoca nos anos 80

Não deixe de conferir também a 2ª parte da postagem em que mostro como foi a evolução da Tina e da sua turma nos anos 90 até os dias atuais. Ou seja, desde quando ainda era legal até a sua decadência.


32 comentários:

  1. Simplesmente não conheci essa Tina de 77. Já tinha visto, quando criança, aquela dos anos 70, mas era a anterior ao ano de 77. Depois, pelo que me lembro, já vinha a Tina dos anos 80. Nunca vida a Tina como alguém com 12 ou 14 anos. Mesmo agora, através da coleção histórica, nunca me passou pela minha cabeça que ela fosse tão novinha. Sempre a vida nessa fase mais antiga com algo em torno dos 18 anos e depois, nos anos 80, a imaginação me permitia dar a ela desde uns meros 20 anos até uns 30. Dependia um pouco da HQ. O Rolo, idem. Sempre pensei que o Zecao fosse bem mais velho que a Pipa, pois achava que ele tinha um certo ar de paizão. A Pipa, sempre lhe dei idade entre 20 a 30 anos também. Só não gostei dela nessa fase atual.
    Postagem bem interessante essa. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitos pensam q depois da fase Riponga, a Tina ficou como a gente via nos anos 80, mas entre 77 a 80 tinha suas diferenças. E na fase Riponga sempre pensava q era foi sempre a mesma coisa, mas eu tava enganado.

      Sempre imaginei os personagens por volta de 18 a 20 anos, até pq faziam faculdade e dirigiam carro. A Pipa e o Zecão tem praticamente a mesma faixa de idade, talvez por ser gorda, ela aparentava ter mais idade. E essa fase atual ninguém merece.

      Valeu por ter gostado. Abraços

      Excluir
    2. a Tina hippie de humanas (exceto a da publicação da folhinha e das primeiras edições da mônica) pra mim tinha a mesma idade da Tina gostosona. Não sabia que era pra ser adolescente, imaginava-a na mesma faixa dos 20 anos

      Excluir
    3. Pelo contexto das hqs e dos traços dava pra ver q tinha menos idade do q gostosona. Na última fase da Tina hippie com pernas mais longas aparentava ter a idade da gostosona, embora comportamento dela não condizia com a idade.

      Excluir
  2. "E essa fase atual ninguém merece."

    Ninguém merece mesmo!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nas duas imagens dos anos 80, eu gostava mais daquela da esquerda. Não sei porquê.

      Excluir
    2. As 2 são legais, nem sei qual acho melhor rsrs. Na primeira a divisão do cabelo ficava mais quadrado, tbm não ficava ruim.

      Excluir
  3. Muito boa a postagem marcos, uma das melhores do seu blog. Eu vi em uma história do início dos anos 80, do gibi 108. em que o Zecão apareceu loiro e era chamado de Zeca. A propósito: os personagens Porcãozinho, José Francisco e Lúcia são do Maurício?

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Bruno, esse Zeca não era o Zecão, era outro personagem. O Zecão estreou em 'Mônica nº 146' de junho de 1982 e esse gibi do Cebolinha 108 é de dezembro de 1981.

      Sobre esses personagens os personagens Porcãozinho, José Francisco e Lúcia eles são do Mauricio, mas não são da Turma da Tina. Nunca ouvi falar deles, foram logo para o limbo, devem ter ficado restrito só a essa página da Folhinha de São Paulo. Se bobear nem Mauricio lembra deles rsrs.

      Excluir
  5. Sem dúvida a Tina foi a que mais mudou!Nos anos 90 simplesmente ela ficou gostosa!Eu tinha tesão nela nos quadrinhos,e na Jessica Rabbit e Lois Griffin,no desenho animado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza Julio. Aquelas saias curtinhas da Tina, perna e barriga de fora enlouquecia qualquer um. E quando usava camisola curtinha então? Sensualíssima.

      Excluir
    2. E nos anos 90,dependendo do desenhista,ela ficava ainda mais "gatosa"!Uma que não me esqueço é dela tentando se bronzear em casa,e a macharada da vizinhança ficava olhando,com desculpa de mexer na antena!Ela não estava usando óculos e seus olhos eram pequenos.O melhor traço que vi dela!


      Mas você ficou tão empolgado com uma gostosa que até me chamou de Julia.Mas eu entendo!Um abraço(mas não um beijo)!

      Excluir
    3. Estava perplexa com vcs estarem com tesão num desenho, aí eu lembrei de como achei o Chico Bento Moço muito gato (apesar de eu não ter gostado da ideia de envelhecer o caipira)

      Excluir
    4. Rsrs. Ela era bem desenhada. :)

      Excluir
  6. "Vovoca era a avó deslocada, à frente do seu tempo que gostava de John Lennon e da cultura hippie".Por que será que ver uma velha que gosta de Beatles e da cultura hippie seria estranho?Isso foi irônico.E naqueles últimos traços da fase hippie da Tina,bem...é tenso ela ter pernas maiores que......................................................................o Sonic Boom.E se o Zecão curtia videogame em 1982 ele curtia um Atari 2600.Ótima postagem Marcos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu só estou comentando,"celto"?

      Excluir
    2. Sim, comentou bem. Na certa foi para a Tina ter alguém apoiando a sua cultura hippie, já q o pai e o Toneco não a apoiavam e, logicamente, uma crítica para diferenciar das avós padrões da vida real, tirar essa ideia q avó tem q ficar fazendo tricô o tempo inteiro.

      Era muito engraçada as pernas da Tina daquele jeito, mas da metade do corpo era só pernas rs. E sim, o Zecão gostava de jogar Atari.

      Valeu!

      Excluir
  7. A "nova Tina" de 77 demorou pra fixar sua personalidade. Aceitava possíveis cantadas do Rolo e até aceitaria namoro caso ele "avançasse", como visto na historinha em que o carro onde os dois estavam parou por falta de gasolina e ela pensou que era um golpe do Rolo. E nas ultimas histórias da fase anterior ela já demonstrava sua vocação pra jornalista. Falando em jornalista, Aluir Amâncio, que já desenhou a Tina, lançou o gibi da Andrea em 1990 acho. Lembro que ao ver essa personagem na hora pensei que era um gibi " by MSP". Ótima postagem Marcos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, demorou pra fixar a personalidade da Tina. Em cada hq era de um jeito. Eu lembro desse gibi Andrea, só não sabia q era do Aluir Amâncio e q nem desenhava as hqs da Tina. Legal saber. Valeu por ter gostado.

      Excluir
  8. A melhor fase dela foi no anos 80. As hqs eram legais e achava ela linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tbm acho os anos 80 a melhor fase. Roteiro, traços, tudo era bacana.

      Excluir
  9. Lá vai a Tina,pela praça,é uma graça,que beleza é ela é....

    ResponderExcluir
  10. Marcos (olha eu vasculhando coisa velha no site hahaha), vc saberia me dizer de que ano e edição é a história "Tina, a moderninha"? É história de praia, em que uma onde pega ela e ela faz acidentalmente um topless, de vergonha fica de barriga na areia e o rolo taradão fica ameaçando jogar areia nas costas dela? Essa história é tão maravilhosamente adulta, com direito a um carinha na praia perguntar pela moça de topless (nessas palavras!) e a Tina pagar cofrinho a todo momento.
    Vc tem ela impressa? Acredito que seja da primeira metade dos anos 80

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cecília ela é original de Cebolinha Nº 92 (Ed. Abril, 1980) e republicada no Almanaque da Mônica Nº 30 (Ed. Abril, 1986). Estava procurando e esse Almanaque da Mônica dá pra ler on line no site Issuu.

      Excluir
    2. Tiraram de lá, que pena. Se der vou ver se eu posto essa hq aqui.

      Excluir
  11. voce podia fazer um post parecido com esse mas com a turma do penadinho, na minha opnião o que + mudou foi o frank (ja teve ele corcunda e rosado, mandibula grande e com riscos, dente pra fora e bochechas grandes, e deve ter tido mais outros)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, mudaram bastante. Se der eu faço

      Excluir
  12. Opa! Agora a Tina é o Rolo agora? rs, na foto de 1975 da Tina diz Rolo em baixo. Tá todo mundo virando rolo minha nossa rsrs

    ResponderExcluir