terça-feira, 23 de abril de 2013

Gibizinho (1ª parte)



Gibizinho foi uma coleção de minigibis da Editora Globo lançada em 1991 que foi uma febre entre a garotada da época. Com certeza, uma coleção muito louca e extremamente confusa, o terror dos colecionadores, e vou tentar explicar todos os detalhes e curiosidades possíveis nessa postagem que, como ficou muito grande, resolvi dividir em 2 partes. Nessa primeira parte, eu falo da fase de 1991 e 1992.

Gibizinho foi lançado em agosto/91 com periodicidade mensal de formato 13,5 X 9,5 cm (os convencionais são 19 x 13,5 cm). Uma vantagem era que o papel que era diferente dos gibis convencionais. Tanto a capa quanto o miolo, eram todo em papel couché com cores bem vivas e com tratamento especial. Não tinham propagandas no miolo, apenas na página 2 e na contracapa. Tinha 32 páginas cada um, e a confusão começa na numeração.

Em cada número, eram lançados ao mesmo tempo 4 gibizinhos diferentes por numeração, cada exemplar com um personagem diferente. Ou seja, em cada edição, vinham exemplares individuais de 4 personagens diferentes e cada um com a mesma numeração. Complicado né? No nº 1 tivemos gibizinhos individuais da Mônica, do Anjinho, do Piteco e do Bidu. Cada um com 32 páginas. No nº 2 já tivemos gibizinhos individuais do Cebolinha, da Tina, do Astronauta e da Turma da Mata, todos com  o nº 2 na capa, ou seja, numeração continuada, apesar dos personagens diferentes em relação a numeração anterior. E por aí vai.

Gibizinhos "Nº 1" (1991)
O mais legal da coleção era justamente esse fato da gente nunca saber quais os 4 personagens que teriam o seu gibizinho próprio na próxima edição. Além de que foi a chance da gente ver pela primeira vez os personagens secundários terem gibis próprios. E com histórias inéditas. Tina, Penadinho, Franjinha, Rolo, Horácio, Papa-capim, Mingau e vários outros finalmente começaram a ter seus gibis próprios. Até Pelezinho teve gibis nesse formato. Na Globo, ele só teve histórias inéditas em um gibi especial da Copa do Mundo 90 e nesses 2 gibizinhos que foram lançados. Inclusive, foi nessa série a última vez que foram lançadas histórias inéditas do Pelezinho até hoje. 

Alguns gibizinhos de 1991/92
Em cada número, pelo menos um gibizinho era dos 5 principais que era o que encabeçava a edição (ou da Mônica, ou do Cebolinha, ou do Cascão, ou da Magali, ou do Chico Bento) e os outros eram de secundários da MSP. Mas podia ter numeração com 2 ou 3 ou até mesmo os 4 gibizinhos da mesma edição serem só desses personagens principais. Uma coisa interessante é que o logotipo dos personagens secundários foram criados nessa coleção e eles continuam até hoje com os mesmos logotipos, como a gente vê nos seus almanaques da Panini. O preço era bem barato em relação aos gibis quinzenais convencionais da época, claro que considerando cada um deles, porque comprando os 4 juntos, sairia mais caro que o gibi da Mônica em banca da época (multiplica o preço de um por 4). E algumas edições fechavam com uma página de passatempos.
Uma página da HQ de abertura tirada do Gibizinho da Magali nº 3 (1991)
As capas, em grande maioria, fazia alusão às histórias, mas tinham também capas com piadinhas, como, por exemplo, Astronauta nº2, Penadinho nº 4, entre outros, dependendo da edição. As histórias ocupavam geralmente a metade do gibi, normalmente eram 2 histórias por título, sendo que às vezes podia ter história única ou mais de 2. O enquadramento eram em média 2 quadros por páginas para manter uma boa visão de leitura. É como se fossem histórias de 2 ou 3 páginas dos gibis de formato convencional adaptadas para esse formato. Em dezembro, as histórias eram exclusivas de Natal. Capas caprichadas e histórias totalmente natalinas. A melhor delas, foi a do Anjinho nº 5 que mostra quando ele chegou ao Céu perto do Natal. Muito linda essa história, qualquer dia falo dela aqui.

Gibizinhos "Nº 5" - Todas as Histórias são de Natal (1991)
 O sucesso era absoluto. Lembro que eu comprava os gibizinhos em um dia, aí quando voltava na banca na outra semana nem tinha mais (ou bem poucos) nas bancas. Devido a esse sucesso, a partir do nº 6, em dezembro/91 passou a ter, além dos personagens da MSP, gibizinhos de outras revistas da Editora Globo da época. Com certeza, a Editora Globo aproveitando o sucesso da série com a Turma da Mônica, pegou a carona para divulgar as outras revistas da editora. E, aí, começando outra confusão em relação à numeração. 

A partir do nº 6 passou a ter gibizinhos da Xuxa, do Sergio Mallandro, Paquitas, Chaves, do Chapolim, Turma do Arrepio, Leandro & Leonardo. Com isso, a coleção passou a ser quinzenal, da seguinte forma: a numeração ficou continuada com os da MSP, sendo que nos números ímpares eram reservados a Turma da Monica e nos números pares eram dessas outras revistas da Editora Globo, que eu costumo chamar "Turma da TV". Assim como os da Turma da Mônica, esses vinham o mesmo número de páginas, sem propagandas e todo em papel couché de antes e vinham 4 gibizinhos diferentes por numeração, cada um com um personagem da TV diferente. 

Alguns Gibizinhos da "Turma da TV" (1991/92)
No nº 6 tivemos gibizinhos da Xuxa, Sergio Mallandro, Turma do Arrepio e Leandro & Leonardo. E a partir daí, todos os números pares eram reservados a eles. Sendo que Turma do Arrepio e Leandro & Leonardo tiveram seus gibizinhos em todas as edições, Xuxa quase sempre, e Chaves e Chapolim praticamente se alternavam na numeração. Em uma edição era Chaves, na outra Chapolim, exceção do nº 8 em que eles tiveram gibizinhos da mesma numeração. Por curiosidade, Paquitas não tinha gibi próprio na época e tiveram um gibi próprio nesse formato uma única vez. E os passatempos eram publicados na página 2 na maioria das vezes, em vez da página 30.

Então, o gibizinho ficou assim quinzenal e alternado com Turma da Mônica nos números ímpares e Turma da TV nos pares, até o nº 22. Depois desse número deixaram de ser produzidos gibizinhos da "Turma da TV", provavelmente pelo fato das revistas convencionais deles estarem sendo canceladas, ou prestes a ser. Sergio Mallandro, Chapolim e Leandro & Leonardo já haviam sido canceladas ainda em 1992 mesmo, e as outras seriam canceladas em 1993. Na minha opinião, achava que seria melhor se a numeração desses gibizinhos da Turma da TV fosse independente. Já que lançaram, que colocassem a numeração nº 1, e não permanecer a numeração.  Até que os gibis do Chaves, da Turma do Arrepio eram legaizinhos, mas Leandro & Leonardo era um saco, muito ruim.  Aí o colecionador da MSP ou tinha que comprar todos por causa da coleção "Gibizinho" ou comprava só os números ímpares por causa da Turma da Mônica, ficando a coleção incompleta. 

A partir do nº 23 Gibizinho voltou a ser mensal, somente com personagens da Turma da Mônica, exatamente como era em 1991. E ficou assim até o nº 26, em dezembro/92, com todas as histórias sendo de Natal. Os últimos "nº 26" que fecharam esse ciclo foram os gibizinhos da Mônica, Cebolinha, Cascão e Chico Bento. Apesar do nº 26 na capa já tinham sido lançados até então 104 gibizinhos diferentes (68 da Turma da Mônica e 36 da Turma da TV), sendo que os da MSP, até então, Mônica foi quem teve mais gibizinhos (7 no total). Dentre os personagens secundários, quem tiveram mais edições foram Bidu e Tina (4 no total cada).

Alguns gibizinhos de 1991/92
Como são muitos, nas imagens, eu só coloquei alguns. Dei preferência um de cada personagem que tiveram seus gibizinhos com as melhores capas. Termino a postagem com um vídeo raríssimo da propaganda que passava direto na televisão em 1991, na época do lançamento dos gibizinhos fininhos. Achei por acaso na internet. Era toda em forma de rap, e a letra era reproduzida nas propagandas dos gibis convencionais da época, que também mostro a seguir. Era para ler, cantando. Confira também a postagem sobre a segunda fase dos gibizinhos  e todas as suas mudanças a partir de 1993.


Propaganda do Almanaque da Mônica nº 26 (1991)
Propaganda de Mônica nº 60 (1991)

26 comentários:

  1. Marcos,

    O interesse, para mim, vinha mesmo pelos holofotes em cima dos personagens secundários. Lembro que não pensei duas vezes em comprar o gibizinho do Astronauta, um personagem sempre subestimado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Bruno, eram bom os gibis dos secundários pela primeira vez. Já tinha sempre Mônica, Cebolinha nas bancas e os outros eram novidades. Abraços

      Excluir
    2. Só discordo quanto ao Astronauta ser subestimado. Acho que ele tem um local específico no Universo da Turma, e não deve ser muito usado, sendo reservado justamente para suas tramas curtas e mais filosóficas. No início, claro, suas histórias eram mais longas. Sobre a importância do personagem, destaco o interesse que os autores da trilogia MSP 50 Artistas tiveram por ele, bem como o primeiro título do selo Graphic MSP ser por ele estralado...

      Excluir
    3. O Astronauta foi muito presente na trilogia MSP já q remete à aventura. Pode enfrentar monstros do espaço e vários outros conflitos e os autores da tilogia pegaram esse gancho. Eu gosto do Astronauta, sendo q as hqs atuais são muito simples, a mesmice de sempre igual as dos outros personagens. Uma boa época dele foi quando ele foi abandonado pela Ritinha e teve uma série de hqs focadas nesse tema.
      Abraços

      Excluir
  2. Eles são meu xodó até hoje! Tive pouquíssimas edições (Apenas as primeiras) e alguns almanaques. Adorava olha-los e relê-los. Muito boa postagem! Que venha a próxima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. BRS, esses primeiros números eram os melhores... tbm eram meus xodós na época e ainda são. Adoro os do Rolo. Abraços

      Excluir
  3. Ótima postagem. Assim que passei o olho nela, sabia que seria bacana.

    Antes tudo: o visual do site está ótimo. Fiou bonito e leve, ao mesmo tempo.

    Esse detalhe da numeração é interessante. Parece uma grande zona, mas acabou sendo algo legal, que desperta a curiosidade de nós, leitores, alguns anos após o lançamento dos títulos. Esse sua postagem serve até como um início de roteiro para quem pensa em colecionar esses títulos (o que deve ser difícil, atualmente...).

    Os gibizinhos da turma da TV são MUITO bacanas. Põxa, como eu gostava disso. Gostava até dos da Xuxa, embora nunca tenha gostado de seu programa, nem da pessoa.

    Saindo um pouco do gibizinho, recordo bem dos quadrinhos do Chaves e Chapolim que possui. Pena que tudo se perdeu com o tempo, em mudanças etc.

    A propaganda foi legal. E fiquei me perguntando porque não fazem mais propagandas de gibis assim...

    Novamente: ótima matéria!

    Abç!

    ResponderExcluir
  4. P.s.: acho curioso a Globo ter deixado sua linha de quadrinhos ir para o buraco...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? Tantos títulos bacanas que havia... A mesma coisa com a Abril: Como cancelaram um gibi com nome e qualidade d'Os Trapalhões?

      Excluir
    2. Danil, é pq naquela época o mercado de quadrinhos tava em crise. Situação financeira do país não tava boa e afetou os quadrinhos. A partir de 1992 os gibis que eram quinzenais viraram mensais e outros títulos foram cancelados. E em 1993 tudo que tinha até então foi cancelado de uma só vez.

      Pra se ter uma ideia só em 1993 foram cancelados Trapalhões, Luluzinha, Bolinha, Turma do Arrepio, Chaves, Xuxa, pra citar alguns. Menino Maluquinho foi o último dessa leva em 1994. Até apareceram outros títulos, mas não duraram muito. A Disney tbm deu uma caída. Só a MSP que conseguiu se manter com o mesmo nivel.

      Abraços

      Excluir
    3. Marcos, eu ouvir falar que a revista da Xuxa foi cancelada por algum tempo em 1993, mas ela voltou a ser publicada entre 1994 e 1996, se encerrando de vez em 1996.
      Outra coisa, eu queria saber porque alguns almanaques antigos tinham a distribuição tão irregular: por exemplo o da Mônica na Abril, o primeiro foi lançado em dezembro de 1976, o segundo em novembro de 1977, o terceiro em junho de 1978 e enfim, queria saber o porque dessa distribuição bizarra.
      Ps: Você sabe de algum site ou blog, onde posso saber mais detalhadamente sobre os gibis da Disney na Abril e os da Turma da TV na Globo, principalmente o da Xuxa, pois não sabia que ela tinha uma revista.

      Excluir
    4. Raul, a revista da Xuxa foi cancelada na nº 60 em dezembro/93, porém em 1994 tiveram 5 revistas promocionais da Arisco, que foram distribuídas gratuitamente em supermercados a partir de 1994, mantendo o número de publicação original das revistas oficiais. Portanto, oficialmente, a "Revista da Xuxa" foi publicada até a edição nº 65!

      Os primeiros almanaques da Mônica tinham distribuição irregulares pq não tinham muitas hqs pra republicar. Como tinha q esperar pelo menos 5 anos pra republicar, aí deixavam mais tempo pra ter outro e à medida q tinham mais hqs a periodicidade foi menor.

      Sobre blog q fala das revistas da Xuxa achei esse aqui q fala tudo: http://bloggerxuper.blogspot.com.br/search/label/Xuxa%20em%20Quadrinhos

      Blog dos outros vou procurar melhor e aí te aviso. Mas os da Disney acho q não é dificil encontrar.

      Excluir
  5. Engraçada uma capa do rolo... A namorada dele tá parecendo uma vagaba: toda produzida, de madrugada, numa esquina...

    ResponderExcluir
  6. Olá, Marcos!

    Acho que sou uma exceção, pois nunca dei muita bola aos gibizinhos. Acha ruim pois acaba sumindo em qualquer canto do sofá e da cama e isso acabava amassando, criando orelhas... tive o primeiro da Mônica, o primeiro do Bidu e um do Cascão que nem sei qual era, pois não vi a capa dele aí. Esses outros, com personagens de TV, nem nunca soube que existia, agora foi que você me informou.

    Não peguei muito a fase da editora Globo. Talvez isso tenha influência na minha falta de sentimento para com os gibizinhos também.

    Boa postagem! Foi bom saber de tudo isso, pois eu jurava que fosse um projeto bem mais modesto.

    Abraços.

    Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Fabiano, eram danado de se perder se deixar aonde não deve. Eu mesmo perdi alguns. Agora q recuperei. Foi um grande projeto sim.

      Provavelmente deve ter sido na época q vc devia ter deixado de ler gibis, daí vc não teve muitos. Pelo menos vc chegou a ter alguns. O do Cascão deve ser o nº 7, uma capa com a Cascuda o procurando e ele escondido atrás do muro q ele atravessou.

      Abraços

      Excluir
  7. Kleiton, legal q gostou do novo visual do blog.

    A numeração é uma loucura. Pra quem quiser começar a colecionar, no ML tem vários, embora muitos com preço bem salgado (alguns estão com preço bom). Até q não é muito difícil encontrar em sebos tbm.

    Sobre os da turma da TV, eu comprava tbm na época, inclusive Xuxa, mas colecionava mesmo os do Chaves. Acabei perdendo todos, só tenho uns 3 deles. Realmente a Editora Globo tinham muitos títulos q foram se acabando e hj não tem mais nenhum. Uma pena.

    As propagandas dos gibis eram ótimas, muito criativas. Hj, só pra começar já tem um "Informe publicitário" grandão em todas elas, sem necessidade. E a qualidade é ruim.

    E sobre Rolo, a ideia era essa mesma, a hq se tratava mais ou menos disso mesmo, ela era dark e ele tinha q se adequar a realidade dela. Adorava as hqs dele enrolado com as mulheres, toda hq ele pegava uma mulher diferente, ou várias na mesma hq rsrsrs.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi-se a época em que podíamos comprar gibis a preços acessíveis em sebos. Hj, se edição é um pouquinho "rara", os caras não vacilam, com raras exceções!!!

      Excluir
    2. Até q aqui não são caros em sebo. Só tem um sebo agora q tá inventando de revistas do nº 1 ao 10 venderem mais caros, de qualquer editora.

      Abraços

      Excluir
  8. Oi Marcos, sou encucado com este negócio de formatos de gibis. Gosto do formatinho tradicional, e do formatinho antigo (um pouco mais alto). Os demais formatos procuro conviver com eles, mas, acho um tanto desajeitados.

    Tenho uns gibizinhos desta época e realmente, as hqs são boas. Não tenho nenhum do Pelezinho, e até gostaria de ter. Também não sabia que tinham saído tantos gibizinhos, e achei legal saber que teve do Piteco.

    Quanto aos de TV, adoro gibi do Chaves e Chapolin, mas, Xuxa nem na TV nem no gibi,rs.
    Valeu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, foram vários mesmo. Piteco e Pelezinho tiveram 2. Embora o 2º do Pelezinho (nº 24) os traços estavam bem diferentes. Colocaram nariz nele e a boca parecendo a do Jeremias. Mas as hqs são ótimas assim mesmo.

      Desses da TV só não gostava do Leandro & Leonardo, os outros eram legaizinhos.

      Abraços

      Excluir
  9. Nossa, eu lembro qdo chegaram os gibizinhos na banca, eram vendidos em uma caixinha toda personalizada, com quatro montinhos, um de cada e eram bem baratinhos, mas se lia numa só tacada rs. Lembro de ter comprado só os primeiros numeros e anos atrás consegui resgastar alguns no ML, inclusive acabei tirando uma dúvida minha, que era a existência do gibizinho das Paquitas, que eu comprei na época, mas achava que era um devaneio meu rs, até que reecontrei o bendito à venda.
    Na minha opinião os gibizinhos mais difíceis de se encontrar à venda hj em dia são os da turma da Tv, principalmente os do Chaves e Chapolim, que hj viraram relíquias, inclusive os gibis normais. Lembro que alguns anos atrás no ML os leilões de gibis deles eram disputadíssimos. Hj já se encontra com mais facilidade, mas com preços ainda um pouco acima do normal. Tenho alguns gibis da Xuxa tb, eu pelo menos gostava rs
    Só uma duvida: o Sérgio Mallandro só teve um número apenas do gibizinho? Nunca soube da existência de outro.
    E quem puder curtir a historia de Natal citada na matéria no gibizinho do Anjinho, pois ela é maravilhosa! Abçs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gibizinhos nunca vi, mas os gibis normais de Chaves e Chapolim às vezes eu encontro nos sebos daqui, por 1 ou 2 reais. São ótimos!

      Excluir
    2. Muita sorte vc encontrar gibis normais do Chaves e Chapolim. Quando encontro, costumam cobrar caro.

      Excluir
  10. llpsdll, nem sabia q os nº 1 eram vendidos em uma caixinha, lá onde morava não vi isso, mas dá pra ver essa caixinha na propaganda do vídeo. Eu lembro q o 1ºq comprei foi o do Piteco e só tinha ele na banca, talvez os outros tinham sido vendidos. E os outros 3 encontrei em outra banca dias depois. Agora caixinha não vi.

    Realmente os da Turma da TV são mais raros, principalmente Chaves e Chapolim. Os outros até já vi em sebo, mas desses 2 não.

    Sergio Mallandro só teve um mesmo. Foi o nº 6. E Paquitas foi o nº 12. Os outros da TV tiveram bem mais de um.

    ResponderExcluir
  11. Ownn, eu tenho alguns ainda... muito legal teu blog, gostei mesmo. Bom encontrar mais pessoas que compartilham da paixão pelos gibis. Um abraço!

    ResponderExcluir
  12. Nanda, obrigado pelo elogio e que bom q gostou do blog. Bacana q vc tem esses gibizinhos, eram muito bons.

    ResponderExcluir