domingo, 13 de agosto de 2017

Mônica: HQ "Meu cabelinho"

No Dia dos Pais, mostro uma história em que o pai da Mônica, Seu Sousa, ficou preocupado com o seu cabelo caindo muito de repente. Com 5 páginas no total, é uma história publicada pela Editora Abril por volta de 1984 e republicada em 'Almanaque da Mônica Nº 46' (Ed. Globo, 1995).

Capa de 'Almanaque da Mônica Nº 46' (Ed. Globo, 1995)

Começa com Mônica querendo passear na rua com o seu pai. Seu Sousa a princípio pensa que ela queria dinheiro, mas vê que tinha interesse também de pagar um sorvete para ela.


Seu Sousa vai ao banheiro pentear o cabelo e ai nota que o pente estava cheio de cabelo enquanto ele penteava e fica desesperado dando um grito de estremecer a casa. Mônica vai correndo para o banheiro para saber o que houve e pede para o pai abrir a porta. Ele se recusa a abrir falando que não pode e que não aconteceu nada. Mônica exige que ele abra a porta senão arromba.


Quando Seu Sousa sai do banheiro, diz para Mônica não rir da calvície dele. Mônica pergunta se é alguma doença e ele diz que é pior que isso e chora ajoelhado fazendo drama que está ficando careca. Mônica tenta consolá-lo lembrando da música que é dos carecas que elas gostam mais e o pai diz que é conversa de um careca para se consolar. 

Seu Sousa pega um chapéu para sair e Mônica diz que não vai sair com o pai com aquele chapéu feio e ele diz que pode pegar um boné então. Mônica fala que está mais cabeludo que o "Sacarias" (Zacarias) e o Seu Sousa diz que ele usa peruca e começa a chorar. Mônica tenta fazer carinho da cabela do pai pra não ficar assim e ele diz para não encostar no cabelo dele para não cair ainda mais.


Em seguida, Cebolinha bate na porta pedindo o pente emprestado de novo. Mônica reclama que ele havia pedido o pente de manhã e agora de novo. Cebolinha diz que é para pentear o Floquinho e pensava que ela sabia por ter os pelos do seu cachorro no pente. Mônica fica uma fera e já se prepara para bater nele quando o Seu Sousa interrompe feliz que não era o cabelo e não estava ficando careca. No final, Cebolinha vai embora levando o pente e Mônica e seu pai saem pra tomar sorvete. No caminho, Seu Sousa comenta que ele vai continuar com sua cabeleira charmosa e bonita , quando eles avistam um senhor careca rodeada de mulheres apaixonadas por ele, deixando claro que é verdade a música que é dos carecas que elas gostam mais.


História simples de miolo muito boa mostrando o cotidiano de preocupação de homem começando a perder cabelo e a relação de pai e filha. Legal ver o drama do Seu Sousa quando descobre que está ficando careca e a Mônica tentando consolá-lo. Engraçada a parte da casa saindo do lugar com o grito que ele deu quando estava com calvície e também a paródia ao nome do Zacarias dos Trapalhões sendo chamado de "Sacarias".

É incorreta pelo motivo dos cabelos no pente do Cebolinha pentear Floquinho com os pentes que eles usavam. Dificilmente republicariam por esse mau exemplo. E nota-se que a palavra "azar" era pronunciada tranquilamente e hoje em dia eles iam mudar a palavra para "má sorte" ou "falta de sorte".


Os traços muitos bons, bem típicos do início dos anos 80 com bochechas formando apenas uma curva direto da cabeça dos personagens. Já estavam quase o estilo que se tornou consagrado em meados de 1984. Interessante também a arte no título colocando um cabelo no último "O".  Nos gibis da Editora Abril e Globo eram repletos de artes criativas nos títulos se tornando mais agradáveis de ler ainda, até por ser tudo manual. 

17 comentários:

  1. Muito boa essa...não tinha lido antes e nem tenho esse almanaque na coleção! ;) feliz dia dos pais.. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito legal. Tomara que consiga esse almanaque um dia.

      Excluir
  2. Isso que é uma história! A MSP tem que ler gibis antigos pra (re)aprender algo! (Feliz Dia dos Pais).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita diferença mesmo, sem comparação.

      Excluir
  3. Boa história.

    Falando em Dia dos Pais, lembrei de uma história que me arrancou algumas lágrimas. Foi uma especial de Dia dos Pais do Chico Bento. Ele estava triste por não ter dinheiro para comprar um presente para o pai e a vó Dita conta a história de um garoto pobre que resolveu sair de casa para trabalhar e ganhar dinheiro para melhorar a vida da família. Ele trabalhou por muitos anos e ficou rico, mas quando voltou, sua mãe já havia falecido e seu pai também já estava nas últimas. Ao se reencontrar com o pai doente e falar que agora estava rico, o pai agradece, mas diz que aquilo que mais queria o dinheiro não poderia comprar, que era simplesmente a companhia do filho. A história ensina que os laços familiares são mais importantes que qualquer bem material. Muito bonita e emocionante.

    Parabéns pelo trabalho com o blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, essa história é bem emocionante. Linda lição dada por ela. Obrigado por tá gostando do blog. :D

      Excluir
  4. Marcos em breve você podia falar do doutor Olimpo e o Sapoleo ( antigamente chamado de José)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se der eu falo, mas já mostrei aqui uma história com eles. Essa aqui:
      http://arquivosturmadamonica.blogspot.com.br/2014/08/cascao-e-doutor-olimpo-hq-um-banho-telefonico.html

      Excluir
  5. Tenho uma duvida boba, mas que me intriga. Aqueles gibis da Monica da Panini em ingles e espanhol sao com historias novas ou sao historias velhas/repetidas que eles colocam no ingles e espanhol?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No início eram republicações de histórias de todos os tempos, as vezes apareciam até algumas da Editora Abril. Mas desde a edição nº 85 de 2014 eles reproduzem o gibi "Turma da Mônica" do mês atual na íntegra, só mudando o idioma nos textos.

      Excluir
  6. Na hora em que a Mônica bate na porta do banheiro, Seu Sousa diz "nada, nada, nada", ao meu ver uma referência à música "você não soube me amar" da Blitz, e que estourou justamente nessa época.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado. Tudo indica que foi mesmo essa referência

      Excluir
  7. Ah! Ah! Ah! Essas histórias eram muito boas. Queria saber se é permitido os personagens dizerem "Desgraça!" nas HQs atuais, pois num gibi recente do Cascão (nº 84 - "Um Natal encubado"), o Cebolinha fala: "Que 'desglaça'!".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Provavelmente proibido. Se em 2013 falavam agora não devem falar isso porque cada ano aumenta o politicamente correto deles

      Excluir
  8. Sempre achei o seu Sousa muito parecido com o Maurício e até chegava a pensar que era o próprio,mas depois eu lia outras história com ele,chamado pelo primeiro nome mesmo e com traços ligeiramente diferentes do (outro)seu Sousa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confunde um pouco mesmo. O seu Sousa foi claramente inspirado no Mauricio. No universo dos gibis o Mauricio é pai apenas da Marina, e a Marina vive em outra dimensão (a dimensão da "vida real" com o Mauricio) onde ela usa o lapis dela pra ir no bairro do Limoeiro. Doido.

      Excluir
    2. bem parecidos mesmo, mas seu Sousa não é o Mauricio nos gibis.

      Excluir