segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Cascão: HQ "É hora de Cascão Já!"

Estamos em época de eleições, então mostro uma história envolvendo esse tema em que a turma convocou eleição pra escolher o novo da rua. Com 12 páginas no total, foi publicada em 'Cascão Nº 71' (Ed. Abril, 1985).

Capa de 'Cascão Nº 71' (Ed. Abril, 1985)

Começa com os meninos reunidos com placas na mão em frente à casa da Mônica, que pergunta se "Cascão Já" é um tipo de corrida e se querem o Cascão dispute uma corrida com ela. Eles falam que "Cascão Ja" é o lema da campanha para disputar entre Cascão e Mônica quem é o novo dono da rua. Mônica dá uma coelhada forte no chão para provar que é forte que derruba os meninos longe. Eles falam que será feita uma eleição para isso, com votos, urnas e tudo mais.


Cebolinha diz para Mônica que não pode ser dona da rua só porque ela quer. Mônica pergunta por que não e Franjinha responde que é porque o povo não quer. Mônica diz que só vê moleques com cartazes na mão, que tem muito o que fazer e volta para casa. Cascão grita que ela está com medo de enfrentá-lo na eleição porque sabe que vai perder e Mônica volta braba para frente da casa e aceita disputar eleição e diz que vai vencer.


Começa então a campanha eleitoral. Os meninos colam cartazes do Cascão nos muros e as meninas logo colam outros cartazes da Mônica por cima dos do Cascão. Tem discursos também sendo que cada um querendo falar mais alto que o outro, e acabam colocando caixas de sons ensurdecedoras que afastam os seus eleitores. Até que chega o dia da eleição, mas antes tem um debate entre os concorrentes.


No debate, Cascão diz que como é cavalheiro e respeita as meninas, deixa a Mônica começar a falar primeiro, com os meninos aplaudindo o Cascão, que isso que é candidato, um cavalheiro, um gentleman. Mônica diz que não aplaudiria tanto um menino que faz xixi na cama, assim como muitos da plateia que seguem o mesmo caminho e aí as meninas aplaudem, dizendo que a Mônica só fala verdades, tem opinião e é corajosa. 


Cascão diz que é melhor do que ter medo de minhocas e ela diz que se começar a falar dessas coisas nojentas, não conversa mais com ele. Cascão pede desculpas e grita que não fala mais de minhocas, lesmas, ratos, besouros e centopeias. Aí, a Mônica o chama de mijão e ele vai falando outros insetos. Mônica diz que não conversa mais com o Cascão e ele faz o mesmo e os dois viram as costas, sem ter mais debate, deixando a plateia sem entender nada.


Sem mais debate, começam as eleições. Franjinha põe a urna e cada um vota no seu candidato. Cebolinha aparece com uma pilha de votos, dizendo que um voto é para o charme do Cascão, outro para sua bela voz, outro para sua inteligência. Eles não aceitam e Cebolinha deposita só um voto na urna. Aparece uma menina gorda também querendo colocar 2 votos e Cascão diz que não é porque ela vale por duas que pode dar dois votos para a Mônica. Cebolinha aparece disfarçado querendo dar outro voto, mas Mônica descobre e o acusa e também Magali tenta fazer sua melancia votar e Cascão diz que não pode. Continua o pessoal votando depois sem problema.


Depois que todos votaram, começa a apuração dos votos. Franjinha é quem faz a contagem e vai falando quem teve votos. Disputa acirrada, com cada candidato recebendo votos alternados. No final da contagem, Cascão teve 15 votos e Mônica, 16, se consagrando vencedora, continuando a ser a dona da rua e é foi ovacionada pelas meninas. Depois eles se perguntam como isso foi acontecer, se eram 15 meninas e 16 meninos votando. Logo, deduzem que teve um traidor entre eles e eles ficam se olhando desconfiados, tentando descobrir o traidor. Todos vão embora, contrariados, e depois de uns quadrinhos o Cascão volta a aparecer se revelando o traidor e votou na Mônica, comentando com os leitores que quem disse que ele queria ser eleito.


Essa história é muito bacana, mostrando eleições com a ótica da turminha. Para saber o novo dono da rua, fizeram uma eleição igual da vida real, com todas as etapas com campanhas eleitoras, discursos, debate, o momento do voto, apuração até revelar a vencedora, tudo com muito bom humor. Mostraram até um candidato mostrando podres do outro, como na hora do debate, assim como acontece na vida real, só que no caso, o Cascão acusando a Mônica de ter medo de insetos e ela por sua vez chamando o Cascão de mijão.


Na MSP já tiveram várias histórias de eleições, umas com temas mais voltados ao humor, outras mais sérias, tudo para conscientizar as crianças desde cedo da importância do voto, além de ajudar os pais que liam os gibis dos filhos a terem essa consciência. Tanto no humor quanto na seriedade dava para transmitir mensagem do voto. Hoje em dia por causa do politicamente correto temas adultos assim não são explorados nos gibis. O lema da campanha "Cascão Já" foi inspirado na "Diretas Já" que o Brasil presenciou em 1984 contra o fim da Ditadura Militar, para provar como eles gostavam de mostrar nos gibis situações que estavam acontecendo na sociedade na atualidade.


Os traços muito bons e caprichados, na postagem a coloquei completa. O título teve mais uma vez sendo representado pelas falas dos personagens, um recurso muito utilizado na época. Eles colaram cartazes nessa história por ser mais coerente  para a história, mas o normal era eles rabiscarem os muros, quando colocavam desaforos para a Mônica. Interessante o Cebolinha falar a palavra "Droga!" no momento que estava disfarçado, hoje em dia isso seria alterado se republicassem. 


Para constar, essa história foi republicada depois em 'Almanaque do Cascão Nº 31' (Ed. Globo, 1995). Abaixo, mostro a capa desse almanaque.

Capa de 'Almanaque do Cascão Nº 31' (Ed. Globo, 1995)

37 comentários:

  1. Ótima história, uma forma bem humorada de explorar um tema importante para toda sociedade, feita pra levar algum tipo de reflexão sem tratar as crianças de uma forma boba e sem graça como se vê atualmente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida. Ensina sem ficar cliché. muito boa essa história.

      Excluir
  2. ESSA é a verdadeira turminha! A com assuntos inteligentes sem perder a inocência das crianças... Isso que eu vejo hoje é um disparate!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, essa é a turminha consagrada, que dava gosto de ler as histórias sem neuras. Era bom quando tratavam de qualquer assunto, sem preocupação nenhuma.

      Excluir
    2. Olha, eu sei que isso que eu vou falar não tem nada a ver com o assunto.Mas no final do 6º texto você coloca Xascão veja:

      Magali tenta fazer sua melancia votar e Xascão diz que não pode. Continua o pessoal votando depois sem problema.

      Excluir
    3. Foi erro de digitação, já corrigido.

      Excluir
  3. Essa história é muito maravilhosa. Eu não tive o Cascão 71 da editora abril mas tive esse almanaque onde ela foi republicada.
    Marcos eu fui em um sebo mas não tinha muitas opções, então comprei algumas unidades que encontrei da editora globo. Agora só me resta seguir assiduamente as publicações atuais (comprei vários da coleção histórica, Turma da Mônica Jovem e Chico Bento moço também) e ir adquirindo edições antigas de forma despretensiosa. De edição em edição eu chego lá. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também li primeiro nesse Almanaque da Globo. Muito boa mesmo.

      Pena que tem sebos que não vendem muitos gibis antigos. Os da Abril são mais difíceis de achar, os da Globo dos anos 80 também já estão sendo difíceis de encontrar. Uma dica é sempre que encontrar bem antigo não deixar de lado e comprar. Outra também é procurar por lotes em sites como Mercado Livre e Estante Virtual. Vai comprando que aos poucos consegue recuperar sua coleção.

      Excluir
  4. Que traços lindos, pena que a coloração (meio em "pontinhos", além da turma estar amarela) seja ruim.
    E um ótimo enredo. Hoje as histórias tão infantilizadas demais. Como eu disse, parece que querem alienar as crianças.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, a coloração não era essas coisas na Editora Abril, mas os traços foram muito bons sim. Infelizmente eles querem alienar as crianças hoje em dia, não querem mostrar a realidade, tudo tem que ser um mundo perfeito. Uma pena.

      Excluir
  5. Sensacional HQ..valeu Marcos nunca tinha lido antes..que poste mais HQs assim!! xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. História maravilhosa, sem dúvida. Pensava que vc tinha lido. Vou procurar postar mais histórias assim.

      Excluir
  6. Eu tive essa revista do Cascao. Saudades...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tomara que vc consiga encontrar de novo algum dia.

      Excluir
    2. Eu estava esperando vir pela coleção histórica, a qual fizeram o "favor" de cancelar.

      Excluir
    3. Que não seria a mesma coisa se saisse na Coleção Histórica, teria risco de alterar alguma coisa boba. E demoraria anos pra chegar o volume 71. Um dia vc consegue a original, que é muito mais jogo.

      Excluir
  7. Muito boa a história, adorei os traços. Só não entendi porque os meninos escolheram o Cascão como candidato e não o Cebolinha. Estranho, tendo em vista que o desejo de ser dono da rua é dele e é ele quem arma este tipo de plano geralmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser porque foi para uma revista do Cascão e ai tinha que dar destaque nele. Mas foi bom ser o Cascão para o plano dar errado senão teriam que fazer adaptação na história. O cebolinha nunca mudaria seu voto a favor da Mônica.

      Excluir
    2. Acho que o Cebolinha nunca mudaria seu voto a favor da Mônica. E se parar pra pensar, fica a mensagem subliminar de que talvez os meninos não souberam escolher mesmo o candidato. Acharam que o Cascão seria o ideal quando ele mesmo, sem ninguém saber, traiu os interesses deles. Pode parecer pesado demais isso, mas o Mauricio foi jornalista, ele costumava bolar umas historinhas aparentemente inocentes, mas com alguma "pegada" no fundo, no fundo, pra quem soubesse olhar mais além.

      Excluir
    3. Sim, o Mauricio gostava de colocar mensagem subliminares nas suas histórias. Achava muito bom.

      Excluir
    4. Verdade, eu gosto disso, quando alguém tem um olhar mais além interpreta de outra maneira. antigamente isso era muito comum na Turma da Mônica.

      Excluir
  8. Muito bom o blog colocar esta emblemática hq sobre eleições... kkkk, o debate não foi nada diferente da infantilidade que vemos na realidade. Imagina a Dilma chamando o Aécio de mijão e o Aécio falando de bichos nojentos pra amendrontar a Dilma, kkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk. pois é, não é muito diferente mesmo. Retrataram a realidade perfeitamente.

      Excluir
  9. Quando você lê muitas revistas da Panini e de repente vê da Abril você leva um susto haha, ao ver a Mônica xingando o Cascão de "Mijão" !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho o contrário. As da Panini é que são assustadoramente chatas... As da Abril e Globo mostram a turma da Mônica verdadeira e nessa fase panini vemos uma outra turma, oa personagens tem o mesmo nome, mas a turma era uma e se transformou em outra coisa (infelizmente)!

      Excluir
    2. Penso o mesmo que fosse!
      Eu quis dizer que dá um susto exatamente por isso, surpreso por ver que as da panini censuraram tudo.. era muitooo mais legal as de antigamente, e por isso comecei a comprar a coleção histórica, tu tambem tem?

      Excluir
    3. Chamar o amigo de mijão hoje em dia é bullying e iriam censurar. Naquela época era normal, todos levavam na esportiva e achavam graça sem se preocupar com nada. Essa era a diferença dos gibis antigos serem mais legais e os atuais chatos.

      Excluir
    4. Sim Daniel. Colecionei do volume 35 ate o 50 que foi o ultimo! Infelizmente cancelaram sem dar a menor importancia aos que gostariam de continuar conhecendo as histórias antigas da turma.

      Excluir
    5. Pena que cancelaram mesmo. Apesar das alterações idiotas, ainda valiam a pena

      Excluir
  10. Não entendi também por que não colocaram outros personagens secundários que já existiam como Humberto, Titi, Zé Luís ou Jeremias. Aliás, notei também que entre as meninas do Limoeiro não havia personagens recorrentes além da Mônica e da Magali. No mais, excelente história, com belos traços e um roteiro bem inteligente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinham a Aninha e a Cascuda, mas não as incuíram

      Excluir
    2. Eles procuraram colocar personagens secundários desconhecidos porque era comum na época. Hoje em dia que costumam colocar só personagens da turminha. Eu gostava assim com personagens desconhecidos fazendo figuração.

      Excluir
    3. Bem lembrado, Gabriel Previato!

      Excluir
  11. Isso me lembra uma história do Chico Bento #232 da Editora Globo, "O Orador da Turma", que eu tô na mão agora mesmo.

    O Chico Bento acaba se tornando o orador pra receber o prefeito da Vila Abobrinha e não consegue decorar o texto. Aí ele e o Zé da Roça combinaram de o Zé da Roça ficar atrás de um arbusto segurando cartazes com o discurso, mas ele foi espantado por uma onça, e então o Chico Bento teve que improvisar. Então ele falou da escola caindo aos pedaços e que é difícil estudar com o forro caindo na cabeça de classe. Então o prefeito adorou o discurso e falou que ia providenciar a reforma pra escola.

    (Se pelo menos os políticos da vida real se importassem assim com o povo...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, se importassem seria tudo muito diferente. Pelo menos com o Chico tudo acabou bem. Eu lembro dessa hq, muito legal.

      Excluir