terça-feira, 28 de junho de 2016

Capas Semelhantes (Parte 21)

Nessa postagem comparo capas semelhantes que saíram em gibis do Chico Bento, Magali e Cascão, todos da Editora Globo.

Chico Bento Nº 53 X Chico Bento Nº 432

Chico Bento ouvindo um canto de uma ave no lugar de um rádio de pilha. Foi publicada primeiro em 'Chico Bento Nº 53', de 1989, onde a ave foi um papagaio e o menino que apareceu foi um figurante. Depois fizeram outra, publicada em 'Chico Bento Nº 432', de 2004, agora com a ave sendo um passarinho e foi o primo Zeca ouvindo o rádio. Tiveram outras versões, mas essas são mais parecidas visualmente.




Magali Nº 48 X Magali Nº 278

Mingau subindo na cabeça da Magali para se proteger dos cachorros. Na 1ª versão de 'Magali Nº 48', de 1991, eles estão em uma exposição de cães e o Mingau aparece tremendo de medo dos cachorros e a Magali tentando controlá-los. Já na 2ª versão, de 'Magali Nº 278', de 2000, quando estão passeando na rua, o Mingau deita na cabeça da Magali e fica calmo diante dos cachorros se sentindo seguro e ela não gosta de ter subido sua cabeça.




Magali Nº 231 X Magali Nº 350

Um dentista mostrando uma fruta para fazer a Magali abrir a boca. A diferença entre elas é que na versão original, de 'Magali Nº 231', de 1998, o dentista pendura uma maçã no aparelho, enquanto que na versão de 'Magali Nº 350', de 2002, o dentista aparece segurando uma melancia.




Cascão Nº 220 X Cascão Nº 349

Cascão em uma festa junina pulando em uma água em vez de uma fogueira. Na versão original de 'Cascão Nº 220', de 1995, o Cascão pula uma poça d'água assustado e aparecem Mônica e Cebolinha rindo dele. Já na versão de 'Cascão Nº 349', de 2000, ele pula um chafariz até gostando da brincadeira e Mônica e Cebolinha é que ficam espantados.

Tiveram muitas capas a partir do final dos anos 90, com o Cascão gostando do perigo de estar perto da água, diferente das mais antigas que ele costumava aparecer com cara de assustado. Já era o politicamente correto começando a predominar nos gibis. Gostava mais com ele com cara de medo diante do perigo.



Cascão Nº 301 X Cascão Nº 405

Cascão fazendo apresentação de equilibrista em uma água segurando um guarda-chuva. Na versão de 'Cascão Nº 301', de 1998, apareceram Cebolinha, Magali, Mônica e Franjinha como plateia e o Cascão aflito com a situação se equilibrando diante de um balde d'água. Já na versão de 'Cascão Nº 405', de 2002, mais uma vez Cascão com cara feliz  diante do perigo de estar perto da água, dessa vez se equilibrando diante de um copo d'água e aparece o só o Cebolinha ao fundo. 



Como podem ver, dessa vez mudaram pequenos detalhes de instrumentos nas capas, mas as piadas foram as mesmas. Em todas eu preferi as primeiras versões de cada uma. Em breve, posto novas capas semelhantes aqui no Blog.

16 comentários:

  1. Interessante. Eu só não curti a capa onde o Mingau fica tranquilão em cima da Magali. Achei meio sem nexo a falta de expressividade do gato.
    Acho que o Cascão devia tomar banho logo. Isso garantiria a volta de historinhas onde ele era xingado e a turma expressava sentirem-se incomodados pelo seu cheiro. Poderiam surgir várias histórias novamente em torno de sua sujeira. Ele poderia sentir muito prazer ainda em permanecer sujo, já que aí veríamos que a sujeira era apenas opcional porque, bem... ele agora tomava banho.
    Essa seria uma evolução decente entre esses personagens, que não necessariamente aboliria os roteiros onde querem dar banho nele, mas apenas mostrava um menino que gosta de ser sujo e da sujeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nessa do Mingau é porque ele já passou a ter uma personalidade diferente naquela época. Para o Mingau, ele é quem mandava, ele que era o dono da casa e a Magali e os pais dela eram os inquilinos. Aí na capa foi pra mostrar então era ele quem mandava ali. Mas eu prefiro a versão da Magali nº 48 sem dúvida.

      Não concordo do Cascão tomar banho. Pode muito bem ter histórias com o pessoal implicando com a sujeira dele sem precisar ele tomar banho. Era bom histórias de planos infalíveis contra o Cascão, mas, claro, que no final ele sempre conseguindo escapar do banho.

      Excluir
  2. A primeira do Chico Bento,achei que se encaixava melhor com o contexto de conter um papagaio,e a capa do dentista mostrando uma comida pra Magali abrir a boca,uma vez já vi numa tirinha.Ótima postagem Marcos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendi. Já vi também a do Cascão pulando em uma tirinha, só que era uma mangueira jorrando água.

      Excluir
  3. prefiro as primeira versãos...nessas ai tenho Magali Nº 231 e Cascão Nº 301 na coleção!! ;) http://blogdoxandro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gostei mais das primeiras versões de cada. :D

      Excluir
  4. preferi a segunda versao da primeira da magali e da do chico bento, o resto acho melhor a primeira

    ResponderExcluir
  5. Respostas
    1. Perdeu a graça completamente. Não tem nem comparação.

      Excluir
  6. Dê uma olhada nos subtítulos... alguns estão repetidos erroneamente.

    O"

    ResponderExcluir
  7. Marcos, muito legal sua iniciativa de publicar detalhes dos gibis da Turma da Mônica e emitir sua opinião. Encontrei este blog procurando por mais detalhes do caso da troca de metralhadora por lagosta, quase não acreditei.

    Hoje não compro mais gibis, mas eles marcaram demais minha infância. Cheguei a ter uns 400 gibis da Turma da Mônica, a maioria da Editora Globo. Lembro que eu tinha a edição n° 1 da Globo de algum personagem importante ou almanaque. Tinha algumas poucas edições da Editora Abril também. Cheguei a ler a 1ª edição da Panini de algum personagem, mas nessa época já havia me desfeito dos meus. Vendi todos para um alfarrábio (no qual havia comprado a maioria) quando eu tinha uns 10~12 anos, na época avaliei que não tinham mais utilidade para mim e poderia ter para outras pessoas. Apesar do sentimento de nostalgia por alguns exemplares (principalmente na descoberta do blog), hoje ainda acho que fiz a escolha certa.

    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em tempo, ainda tenho o Manual de Aventuras do Cebolinha, autografado pelo Maurício de Sousa. Não sei se ainda tenho o do Franjinha ou do Papa-capim.

      Excluir
    2. Igor, valeu por estar gostando do blog. Seja bem vindo. Realmente a época da Abril e Globo foram as melhores e hoje super nostálgicas. Hoje eles se preocupam muito com politicamente correto e isso estraga muito. Lamentável aquilo de mudarem uma metralhadora por uma lagosta. Nada a ver.

      Na sua coleção vc podia ter deixado alguns de recordação, os mais nostálgicos pra vc. Pelo menos ficou com o Manual autografado pelo Mauricio. E quem comprou de fato ficou feliz com os gibis.

      Obrigado! Abraços

      Excluir