sábado, 31 de outubro de 2015

Mônica: HQ "Dá uma mãozinha aqui!"

No dia de Halloween, nessa postagem mostro uma história de quando a Mônica passou a ter quatro braços por causa de uma bruxa. Ela tem 11 páginas e foi publicada originalmente em 'Mônica Nº 119' (Ed. Abril, 1980).

Capa de 'Mônica Nº 119' (Ed. Abril, 1980)

Nela, Mônica leva a Magali para brincar de comidinha em um lugar sombrio só para os meninos não a perturbarem e Magali vai embora assustada, alegando que tem que se preparar para ir à festa do Cebolinha naquela tarde. Enquanto Mônica grita que aquele lugar não tem nada de mais e não dá para brincar de comidinha sozinha, surge uma bruxa criança voando em uma vassoura e pergunta para Mônica se pode brincar com ela.


Mônica, a princípio, se assusta com a bruxinha, que diz que se chama Glaucia, veio do alto do morro da mãe dela e que apareceu voando na vassoura, comentando que ainda não voa tão bem como a tia Rosa dela, mas está treinando. Mônica não acredita que ela era uma bruxa e deixa brincar. Glaucia pergunta se elas vão brincar de casinha, mas Mônica fala que é de comidinha, que até já trouxe todo o material. Glaucia diz queria brincar de casinha, porque ela brinca de comidinha só no caldeirão dela. Mônica não aceita e tem que ser comidinha.


Gláucia pergunta se não poderia brincar das duas coisas e Mônica responde só se tivesse quatro braços. Então, a bruxa tem uma ideia e lança um feitiço na Mônica para ter quatro braços. Só que nessa hora a mãe da Mônica, Dona Luísa a chama e nem percebe que estava com quatro braços (na verdade, os leitores ainda não viram, com os quadrinhos mostrando a parte de cima da Mônica). Gláucia lamenta que justo na hora que elas iam brincar das 2 coisas.


Em casa, Dona Luísa, de olhos fechados, pede para Mônica pintar as unhas das mãos e pés dela. Mônica pede para mãe esticar tudo. Dona Luísa estranha, perguntando se vai pintar tudo de uma vez. Quando ela abre os olhos, leva um susto com a Mônica com quatro braços e desmaia no chão com cadeira e tudo. Nessa hora, o pai da Mônica, seu Sousa chega correndo e pergunta para Mônica o que aconteceu com a mãe dela. Mônica diz que não sabe, com seu Sousa levando um susto com ela e desmaia também. Mônica se pergunta se está acontecendo uma epidemia de desmaio, quando dá uma vontade de espirrar. Ela põe as mãos no rosto e então descobre que ela está com quatro braços, dando um supergrito de desespero que pôde ser ouvido pelo bairro todo.


Depois de um tempo, Magali aparece na casa da Mônica, chamando para ir na festa do Cebolinha. Mônica, mais calma, surge com um vestido novo bem grande e só com dois braços normais, Magali estranha, perguntando se ela engordou e Mônica diz que não, que era imaginação dela. Chegando na festa, Cebolinha dá bronca que finalmente a Mônica chegou, que ele ainda não havia dançado, já que ela seria o par na dança. Mônica só diz que teve um probleminha.

Cebolinha manda a Mônica dar a mão para ele e nota que uma parte do vestido está rasgando e que tinha alguma coisa ali dentro, quando naquele momento, Magali dá um tropeço e deixa cair a bandeja com comida toda na Mônica, que fica com raiva de ter molhado o vestido. Nessa hora, todos descobrem que ela está com quatro braços e se afastam dela com medo. Ela tenta se aproximar e todos fogem atravessando a parede. Logo depois, surge um cachorrinho, mas foge também quando vê a Mônica daquele jeito. 


Mônica fica triste e chora porque todo mundo a rejeitou só porque ela estava com quatro braços. Magali, Cebolinha e Cascão voltam para lá e de longe falam para não ficar triste, porque eles não estão com medo dela. Mônica pergunta porque eles não se aproximam dela e Cascão diz que ela é besta, que vai que um desses braços tentam pegá-lo. Magali tenta contornar a situação, com os 3 entrando na casa. Cebolinha e Cascão falam que eles é que deviam estar tristes porque se eles já apanhavam com dois braços, imagine com quatro.


Mônica chora e Magali os chamam de burros, que a situação é séria. Cebolinha e Cascão contam as vantagens de ter quatro braços, como jogar figurinhas mais fácil e cumprimentar mais gente na festa de aniversário e tomar 4 sorvetes ao mesmo tempo. Já Magali conta as desvantagens como onde vai achar anel e pulseiras para tantos dedos e braços, em qual mão ela vai colocar anel quando se casar, o alto custo que vai ter com manicure e vai ter que reformar todos os vestidos.


Cebolinha diz que dá um jeito e volta com um alicate grande para arrancar os braços da Mônica, que já segura um vaso, um banco e um prato, mandando ele não se aproximar. Nessa hora, a bruxinha Glaucia e sua mãe surgem no lado de fora, com a mãe mandando a Glaucia desfazer o feitiço para que os vizinhos não pensem que elas não têm educação. Glaucia desfaz o feitiço bem a tempo de antes do Cebolinha cortar os braços da Mônica.


As bruxas vão embora e Mônica volta ao normal, que olha o Cebolinha com o alicate na mão e dá uma surra nele. No final, Magali comemora que a amiga voltou ao normal e Mônica diz que até que já estava se acostumando a ter quatro braços, que pensando bem até que ia ser legal, quando aparece de novo quatro braços e Mônica sai correndo. mas, na verdade, como ela estava em frente a uma árvore, era só o Xaveco no outro lado se espreguiçando, estendendo os braços dele após acordar.


Essa história é muito legal, com o sufoco da Mônica ter quatro braços de uma hora para outra. É para soltar a imaginação. Muito hilário a parte dos pais desmaiando, da Mônica descobrindo que tem quatro braços, gritando de medo e só mostra casa e uma vista da região para demonstrar que o grito foi super alto. Muito engraçada também quando a turma imagina os problemas da Mônica com quatro braços, como a Mônica vestida de noiva não sabendo em qual dedo colocar o anel, cumprimentando a todos no aniversário, etc. 

Tem um absurdo no fato de se a Mônica estava bem longe, como deu para ouvir a mãe chamando da casa dela. São os absurdos dos quadrinhos, que fazem a diferença e se torna mais engraçada. Não diz que tipo de festa do cebolinha, se era de aniversário ou se estava dando uma festa por conta própria. 


Além da gente se divertir à beça, de certa forma, tem uma lição de moral, já que discute preconceito, que não devemos se afastar de uma pessoa só porque é diferente em alguma coisa. Eles ficaram com medo da Mônica só porque ela estava com quatro braços, mas fora isso ela era a mesma pessoa.  

Os traços maravilhosos, bem típico no final dos anos 70, com uma arte-final bem incrível. As expressões dos personagens eram o máximo assim. Na postagem a coloquei completa. Uma curiosidade é que na época eles gostavam de colocar bruxas-crianças nas histórias, normalmente aprendizes e bem atrapalhadas causando confusão sem intenção e tem que depois consertar o erro no final da história. Nessa seguiu esse estilo com a bruxa Glaucia sem ter intenção de ter feito a maldade.


Essa história foi republicada 2 vezes. A  primeira foi no miolo do 'Almanaque Mônica Nº 29' (Ed. Abril, 1986), que teve como tema "Almanaque mágico", republicando histórias envolvendo bruxas, fadas, magos e mágicos. Depois foi novamente republicada, dessa vez como história de abertura, em 'Almanaque da Mônica Nº 19' (Ed. Globo, 1990). Abaixo, as capas desses almanaques:

Capa de 'Almanaque da Mônica Nº 29' (1986)
Capa de 'Almanaque da Mônica Nº 19' (1990)

14 comentários:

  1. Muito bem, Marcos! Eu sabia que você ia falar de uma HQ de homenagem ao Halloween. Mesmo que eu não curto muito o Halloween, foi uma ótima homenagem á data!

    Quanto á história, realmente ela é incrível! Mas vendo ela, acabei lembrando das histórias do Emerson Abreu, pelo motivo da careta do Seu Sousa quando descobre que a Mônica agora tem quatro braços e ter vários gags tipo Looney Tunes, saca? Por exemplo, quando todos fogem de medo da Mônica e destroem a parede. Por isso que, na minha opinião, se essa história fosse feita hoje, tenho certeza absoluta que quem faria ela seria o Emerson Abreu, porque ele realmente adora histórias com caretas. O que você acha, Marcos? Você concordaria comigo?

    E parece que eu tenho a impressão de que eu já vi essa história antes no Almanaque da Mônica nº 29 de 1986, pela Internet mesmo. Por isso que o motivo dessas cores tão claras nas páginas é que você pegou da Internet, não é mesmo?

    Aliás, será que você tem o almanaque original de 1986? Ou você só viu na Internet? Porque tá na cara que você tem o almanaque nº 19 de 1990 na sua coleção.

    Então, antes de terminar, queria que você me desejasse boa sorte pra procurar os gibis da postagem, principalmente o original.

    Um abraço e um feliz Halloween pra você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, acabei colocando uma história q lembre Halloween, embora não ser específica da data. Concordo q em essas situações aí lembra um pouco histórias do Emerson, mas a careta aí é muito melhor do q sai nos gibis novos.

      Sim, tirei as imagens da internet mesmo. Vc adivinhou. Dessas aí só tenho o almanaque nº 19 de 1990. Poderia até ter escaneado desse almanaque q tenho, mas pra facilitar achei melhor pegar da internet e sem contar a encadernação era horrível pra escanear sem estragar o gibi. Mesmo com o tratamento da imagem, eles preservarem as cores, inclusive deixando os erros de cores.

      Boa sorte na procura desses gibis e um feliz Halloween. Abraço

      Excluir
  2. História maravilhosamente bem feita.

    ResponderExcluir
  3. As histórias da editora Abril são excelentes, com bons roteiros e traços. Gostei do jeito como a magia foi desenhada quando a bruxa desfaz o feitiço. Achei legal a participação do xaveco no final.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles caprichavam muito em tudo. Esses desenhos são muito bons. :D

      Excluir
  4. Por essas e outras que digo que as historinhas da fase Abril são muito melhores. A criatividade rola a solta mesmo. E quanto as caretas de hoje em dia, podem ter começado com o Emerson, porém, elas se encontram em todas as HQs com mais de três páginas, seja de quem forem. Parece que virou padrão pra arte final. Uma pena! São boas dentro de um contexto, mas 90% das vezes são desnecessárias.

    Adorei a reflexão sobre apanhar da Monica com quatro braços. Kkkk

    Esse traço eu gostava muito. Não sei que nome davam pra essa época. Mas são muito bacanas e possuem uma arte bem boa ate mesmo com objetos ao redor. Lembro da historia da incrível Hulka e da Fitinha no braço da Mônica, que são com estes traços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, tinha muito criatividade no roteiro, sem contar q tinham mais liberdade pra criar. As caretas hj em dia vc tem razão, aparecem com hqs de qualquer um. Pode até q nas do Emerson sejam mais exageradas, mas de qualquer roteirista estão presentes. Uma pena mesmo.

      Esses traços não creio q tenham nome específico, creio q a arte-final seja do Alvin Lacerda q ganhavam um contorno fino e davam um efeito muito legal.

      Excluir
  5. Essa eu conhecia. É maravilhosa! Os roteiros dessa época são impecáveis. Um melhor que o outro na abertura, miolo, fim de expediente... Tudo!!

    E ainda tem um errinho de coloração do short do Xaveco, que aparece branco, e depois foca preto normal no final. Típicos da Abril/Globo rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Tudo era fantástico naquela época. Eu tbm adorava os erros de cores q saiam, confirmava q era tudo feito a mão e logicamente poderia surgir um erro ou outro. Nessa aí teve erro tbm do vestido da Magali de vermelho na primeira página e dente da Mônica vermelho na última página. Muito bom.

      Excluir
  6. Otima hq, realmente essa deve ter sido uma das precursoras dessas caretas exageradas nas hqs, mas eu não vou dizer nada, porque atualmente, eu só compro os gibis com roteiros do emerson, acho os roteiros dele os mais politicamente incorretos disponíveis atualmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ter sido umas das primeiras com caretas. Essas aí ficaram muito bem desenhadas, na medida certa. Atualmente as do Emerson costumam ser melhores mesmo.

      Excluir
  7. Olá!
    Quando eu era criança, a minha história favorita da Magali era uma que se passava no Velho Oeste americano, eu acho que se chamava "O Garfo Mais Rápido do Oeste", na qual a Magali precisava enfrentar um famoso bandido comilão que assaltava todos os bares das cidades. Pesquisando, eu descobri que foi publicada na edição 287 do gibi da Magali da editora Globo.
    Infelizmente, eu não tenho mais esse gibi. Você tem? Se tiver poderia postar essa história aqui no blog? Eu agradeceria muito!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente eu tbm não tenho esse gibi. Parece ser uma hq legal, ainda mais envolvendo bandido. Eu gostava de hqs com eles enfrentando bandidos. Abraços

      Excluir