sábado, 6 de abril de 2013

Magali: HQ "Perigo no Supermercado"

O que acontece quando Magali vai ao Supermercado? Só pode dar confusão na certa. E foi isso que aconteceu na divertida história "Perigo no Supermercado", publicada originalmente em Magali nº 54 - Ed. Globo, 1991.

Capa da Magali nº 54  - Ed. Globo, 1991


Na história, Magali vai ao supermercado para fazer compras para sua mãe. Assim que chega, os funcionários e o gerente que estava lá na hora já a olham de cara feia porque ela sempre apronta quando vai lá. Um funcionário novo até pergunta por que ela é tão terrível assim, aí o gerente fala que ela foi capaz de pegar 50 saquinhos de bala e fez o maior escândalo porque a mãe só podia comprar um, comeu a compra inteira antes de pagar, e tiveram que fazer Raio X para fazer a conta, dentre outras loucuras.


Nisso, a Magali reclamando que era tortura que a mãe só deu dinheiro contado para as compras e o troco só dava pra comprar uma barra de chocolate, ela já começa a aprontar. Estavam anunciando amostras grátis de iogurte e bolo de milho e ela comeu tudo de uma vez só.


O gerente furioso corre atrás dela e a única alternativa é ela se esconder debaixo de uma prateleira e acaba dormindo. Ninguém a encontra e o supermercado fecha. Já altas horas da noite, Magali acorda e começa a fazer as compras da mãe. Para surpresa dela, o supermercado estava fechado com ela sozinha dentro. Ela pensa que é sonho e come tudo do supermercado.


A história tem uma reviravolta quando nessa hora aparecem 2 ladrões atrapalhados com a intenção de assaltar o mercado. Cada um ouvem barulhos. Como Magali pensa que não tinha ninguém lá dentro, e nem os ladrões também não sabiam que ela estava lá, tanto a Magali e os ladrões pensam que o mercado era mal assombrado e que tinha fantasma lá.


Com os barulhos cada vez mais fortes, os 3 ficam desesperados. Diante da correria, Magali escorrega num skate perto da seção de produtos de limpeza, fica com uma coberta branca na cabeça e aparece na frente dos ladrões, quando se choca com eles e acabam presos dentro de uma máquina de lavar. Ela liga pra polícia e acaba se tornando heroína. No final, como recompensa, o gerente fala que a Magali pode pegar o que quiser de graça. Ela só pega um saquinho de bala, já que ela havia comido o supermercado inteiro e as balas era a única coisa que havia sobrado, deixando o gerente furioso.


Para constar a história tem 15 páginas no total, os assaltantes e chamavam Debi e Loide e as marcas do iogurte e do bolo eram "Tanone" e "Bautuco", respectivamente. E o supermercado se chamava "Ganhe-Lá-Deixe Aqui". Muito boa essa história. Roteiro, traços, tudo ótimo. Sem contar que bandidos nas histórias sempre rendem boas histórias. Era muito frequente histórias com bandidos naquela época, mais que normal histórias assim.


É uma história muito engraçada que mostra a verdadeira Magali comilona que conhecemos com todos os seus absurdos que são a sua marca registrada. Se fosse pra levar para a realidade, como a mãe da Magali deixa ela ir sozinha ao supermercado sabendo que ela não tem controle no apetite? Como ela consegue tomar litros de iogurte e comer 3 bolos inteiros de uma só vez? E pior comer tudo de um supermercado inteiro? como um supermercado não tem vigia à noite? Nada disso importa. O que importa é a diversão da história, e são esses absurdos que a tornam tão especial e divertida.

15 comentários:

  1. Marcos,

    São esses absurdos que faziam da turma da Mônica algo muito mais especial. A Magali era uma personagem que eu sempre me perguntava porque não tinha uma revista própria, pois eu a achava muito legal com essa sua mania de comer, comer e comer. A revista finalmente veio e até comprei muitos exemplares, nos primeiros anos.

    Ainda não tenho nada dela da fase Panini simplesmente porque tenho medo de acabar comprando mais do mesmo, já que ando vendo ela nas histórias de outras revistas da turma e ela parece um tanto... hum... digamos, moderada. Mas acredito que logo deixarei a curiosidade faalar mais alto. Não sei quando, mas estou querendo comprar algo atual pra saber. Pode ser que, em sua própria revista, seu universo comilão seja mais trabalhado. Será?...

    Abraços. Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
  2. Marcos,

    São esses absurdos que faziam da turma da Mônica algo muito mais especial. A Magali era uma personagem que eu sempre me perguntava porque não tinha uma revista própria, pois eu a achava muito legal com essa sua mania de comer, comer e comer. A revista finalmente veio e até comprei muitos exemplares, nos primeiros anos.

    Ainda não tenho nada dela da fase Panini simplesmente porque tenho medo de acabar comprando mais do mesmo, já que ando vendo ela nas histórias de outras revistas da turma e ela parece um tanto... hum... digamos, moderada. Mas acredito que logo deixarei a curiosidade faalar mais alto. Não sei quando, mas estou querendo comprar algo atual pra saber. Pode ser que, em sua própria revista, seu universo comilão seja mais trabalhado. Será?...

    Abraços. Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
  3. Marcos,

    bela capa, hein? Não deixa de ser uma homenagem, mesmo inconsciente, a Giuseppe Arcimboldo.

    "e tiveram que fazer Raio X para fazer a conta"
    --- Diverto isso. Uma boa história com seus exageros. Na verdade, a graça está no exagero e no absurdo.

    "as marcas do iogurte e do bolo eram "Tanone" e "Bautuco"
    --- Sempre gostei dessas brincadeiras com marcas e nomes de artistas nas revistas da TM.

    "Era muito frequente histórias com bandidos naquela época"
    --- Hj, é MUITO frequente bandido em cada esquina. Roubaram a casa de meus vizinhos há pouco tempo e os deixaram presos no quarto. Mas só o MSP não vê mais isso. Bandido nas historinhas? Nem pensar... rs...

    "O que acontece quando Magali vai ao Supermercado?"
    --- Como sabemos, acontecia muita diversão. Mas, hj, o Paulo Back diria: "Criança sozinha do mercado? Nem pensar. Muito perigoso".

    "Nada disso importa"
    --- Nada disso importava. As histórias muitas vezes exploravam absurdos, destacando o aspecto mais "bizarro" do personagem. Hj, a ideia é evitar justamente destacar as personalidades de cada um da Turma. Até achei estranho, esses dias, quando vi uma tirinha de fim de edição destacando a superforça da Mônica. Acho que foi a tirinha da edição 75 (não tenho certeza).

    Ótima postagem!

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho esse gibi, essa história é muito boa. Tem uma história da Magali parecida, tb num supermercado, em que ela quebra um monte de pote de maionese e se esconde pra ninguém ver, o gibi é dessa época, 90, 91. Aliás as histórias da Magali dessa época são as melhores.

    ResponderExcluir
  5. "--- Como sabemos, acontecia muita diversão. Mas, hj, o Paulo Back diria: "Criança sozinha do mercado? Nem pensar. Muito perigoso"."


    Isso é lamentável, lastimável e uma subestimação à inteligência de qualquer leitor com dois neurônios. O que eles pensam? Deviam socar todos os personagens dentro de uma bolha, de uma vez por todas.

    ResponderExcluir
  6. Fabiano, dentre as revistas da Magali da Panini que eu tenho, quando fala sobre comida, não tem mais os absurdos de antigamente. A fome dela é mais controlada. E tem edições q nem fala de comida. Tem muitas hqs de secundários como Tina, Penadinho etc, e poucas hqs da própria Magali. Alias gibi de qualquer personagem está assim e não é como antigamente.

    Mas a única forma de saber como a Magali atual está, é só comprando mesmo. Aproveita q esse mês a hq de abertura é sobre comida (Biscoitos mágicos). Aí a dica é comprar essa edição e tirar suas conclusões.

    ResponderExcluir
  7. Kleiton,

    As capas eram ótimas mesmo. Criatividade rolava solta. Até mostra a cena dela tirando raio X e a caixa fazendo as contas... muito engraçado.

    Infelizmente é verdade q os personagens não vão mais ao mercado sozinhos. Tudo é muito bobo.

    llpsdll,

    Com certeza as hqs dela eram ótimas naquela época. Eu rachava de rir. Eu lembro dessa dela quebrando os potes de maionese. Muito boa.

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Se, no lugar da característica de comilona dela, houver boas histórias, tudo bem. O que não pode é tirar uma característica e não ter ago bom para colocar.

    Deve ser muito difícil fazer uma boa história com os personagens, atualmente, sem explorar tanto o que já foram um dia.

    ResponderExcluir
  9. É verdade Fabiano, são muitas as limitações q os roteiristas têm para fazer histórias hj em dia. Eles devem ter várias ideias criativas, mas não podem pôr em prática por causa do politicamente correto. Uma pena.

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Grande Marcos. Muito boa essa HQ da Magali. Mas você podia falar de algumas boas, clássicas, marcantes e especiais dela. Como por exemplo Põe-Te, Mesa! (MG # 9, Ed. Globo, 1989), onde é nela que acontece algo incrível: A Magali fica 32 dias sem parar de comer! NOSSA! E o pior de tudo é que a mesa era mágica. Mas isso não tem nada a ver. Só sei que é uma das melhores. Há também Cara de Pamonha (MG # 24, Ed. Globo, 1990), em que acho que é nela em que a é a estréia da Bruxa Xandra. Nessa aí, depois da Magali comer as maçãs da bruxa, ela come um bolo mágico que pode transformar a cara dela em comida. Principalmente em pamonha, segundo o título. Outra boa é A Mosca (MG # 16, Ed. Globo, 1990), que é parecida com aquele filme da Mosca. Nela, Magali troca seu corpo com uma mosca, por causa de uma máquina do Franjinha que não deu certo. Sabe, né, que as invenções do Franjinha nem sempre tem resultado. E enquanto a Maga-Mosca (LOL) ataca tudo que é comida, a Mosca no corpo da Magali causa a cidade em pânico. Acho que até os pais dela. Meio macabra a HQ, mas é muito boa. Recomendo também O Rapto da Tia Nena, que na verdade, não sei quando foi que ela foi publicada pela primeira vez, só sei que foi republicada no Almanaque da Magali # 16 (Ed. Globo, 1998). História clássica em que uns dois malvados sequestram a Tia Nena, por causa da boa comida que ela faz, e Magali, Mônica e Cebolinha tinham que salvá-la. Era até disponível no ex-Site da Turma da Mônica. E com certeza, uma que marcou bastante foi Os Novos Amigos da Magali (MG # 94, Ed. Globo, 1993), em que Magali abandona seus amigos e troca por novos amigos, deixando a turma toda triste, pensando que ela os esqueceram pra sempre. Entre esses novos amigos, sei que tem uma japinha e um magrela. Bem emocionante e com traços excelentes, é tão boa que até acho que iria virar desenho animado e também iria ser publicada no site. E essa é a minha lista de HQs clássicas da Magali. Espero que você goste, me fale se você as conhece, quais HQs que você acha que iriam virar desenho animado e que iriam ser publicadas no antigo site da Turma, falar pra mim se elas já foram republicadas e também me fale sobre essa história da Tia Nena, beleza? Um abraço pra ti, Marcos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, "O Rapto da Tia Nena" foi a hq de estreia dela nos gibis, foi publicada originalmente em Mônica #26 (Ed. Globo, 1989), no mês de estreia do gibi da Magali #1 (fevereiro/89).

      Todas as demais hqs eu conheço e são excelentes. Quando der, eu falo delas. todas elas foram republicadas nos almanaques da magali entre 1996 e 1998, menos a hq "Os Novos Amigos da Magali " q eu não sei quando foi republicada, talvez nos últimos almanaques dela da Globo, entre 2005 e 2006.

      Excluir
    2. Olha Marcos, a hq Os Novos Amigos da Magali foi republicado no Almanaque da Magali # 44 (Ed. Globo, 2004). Só pra corrigir, que não é entre 2005 ou 2006.

      Excluir
    3. Sim, eu não tenho almanaques dessa época, aí não sabia.

      Excluir
    4. Falando nisso, Marcos, a HQ do Perigo no Supermercado foi republicada no Almanaque da Magali # 28 (Globo, 2001) e acho que nunca mais republicaram. Parece que em 2001, ainda permitiam republicar HQs da turma com bandidos, hoje em dia nem pensar. E acredito que você não tem esse almanaque e nem sequer sabia que a HQ já foi republicada. Abraços!

      Excluir
    5. Eu sabia q havia sido republicada, mas nao sabia em qual almanaque.

      Excluir