quarta-feira, 3 de abril de 2013

Chico Bento: HQ "Parece Outro"



Publicada originalmente em Chico Bento nº 65 (Ed. Abril, 1985) e escrita pelo Mauricio de Sousa em 14 páginas, a história "Parece Outro" é um clássico da MSP. A começar pela capa que faz alusão à história, coisa que não era muito comum na época. Só em histórias importantes que mostrava a história de abertura nas capas dos gibis da Editora Abril, com exceção da revista do Cebolinha. 

Para quem não leu, a história "Parece Outro" mostra um Chico diferente após acordar numa certa manhã. Ele acorda, pela manhã, e não reconhece os próprios pais. Ele começa a falar português corretamente e estranha os próprios pais e a casa onde mora. Os pais ficam assustados vendo o filho daquele jeito.


Na verdade o que aconteceu foi que, por um dia, o espírito do Chico e o de um menino rico da cidade grande trocaram de corpo e viveram em realidades trocadas. Ou seja, o garoto rico está no corpo do Chico, e o Chico está no corpo do menino rico. Por um dia, o garoto rico passa a conviver com os pais do Chico no sítio e eles mostram ao menino a rotina do sítio, sem mordomias de geleia e "cornflakes" no café da manhã, banho com água encanada, ônibus pra ir pra escola, etc.


Aí depois de um dia cheio, com direito de até pegar inchada no roçado, ele vai dormir. No final, já no dia seguinte, tudo volta ao normal: o Chico volta a falar acaipirado como antes dizendo que teve um sonho maluco em que estava num casarão rico e ao mesmo tempo a mãe pensa: "Quem qué qui tenha sido, foi bão ter tratado ele como fio! Ele parecia tão percisado!"

Essa troca de corpos foi feita para ajudar o menino rico a dar valor às coisas simples da vida, já que dá pra entender que ele só dá valor aos bens materiais. Sendo que em nenhum momento da história aparece o Chico na casa do menino em que trocou o corpo.


Não fica claro se realmente aconteceu ou se foi um sonho do Chico, fica a dúvida se foi realmente uma "realidade paralela" que ele viveu por um dia ou não. O Maurício adorava fazer histórias assim que do nada acontecia algo e no outro dia voltava ao normal como se nada tivesse acontecido ficando a cargo do leitor a interpretar e tirar suas próprias conclusões se aquilo aconteceu ou não. Algo semelhante aconteceu também em Mônica nº 3 (Ed. Abril, 1970) na história "Quem tem medo da mini-Mônica" em que a Mônica acorda em forma de miniatura do nada e no dia seguinte volta ao normal, ficando a dúvida se ela encolheu de verdade ou não.


Só não gostei muito do aquadrinhamento dessa história "Parece outro" ter só 3 quadrinhos por página (em algumas só 2 quadrinhos). Embora para essa história até que não ficou ruim. Muitas histórias de 1985 colocavam aquadrinhamento desse jeito. À princípio, eu pensava que eram só nas histórias sérias, mas tem outras normais também com esse formato. Depois, eles pararam com isso e, ultimamente nos gibis, parecem que infelizmente estão retornando isso de 3 ou 4 quadrinhos por páginas. Nunca gostei porque fica parecendo que estão enchendo linguiça para fechar o gibi.


E muitas histórias do Chico Bento em 1985 têm esses temas sérios, com lição de moral, às vezes até emocionantes. Aliás, nem eram só do Chico, os outros personagens também tinham, mas do Chico eram mais frequentes. Quando criança eu também não gostava muito de histórias sérias assim. Na verdade, nem entendia direito. Sempre achei que gibi é pra diversão, ter apenas histórias que fazem a gente rir. Hoje, não mudo muito essa opinião de gibi tem que fazer rir, mas, de vez em quando, é bom histórias assim para gente pensar. E bem  ou mal, apesar de tudo, nessa história tem a fantasia de criança dele acordar do nada diferente e voltar ao normal no dia seguinte, sem nenhuma explicação. Isso é bom e boa sacada do Maurício. O leitor é quem decide o que aconteceu.

Enfim, uma história do Chico Bento bem interessante e profunda. Um clássico. As imagens da postagem são trechos da histórias, e não é a história completa. Eu a li pela primeira vez quando foi republicada no Almanaque do Chico Bento nº 31 (Ed. Globo, 1995):

Almanaque do Chico Bento nº 31 - Ed. Globo, 1995

38 comentários:

  1. "O Maurício adorava fazer histórias assim"


    Eu percebi isso quando li minha coleção história, mas não me lembro se foi na 17 ou 18, onde tem uma história assim também, que a conclusão deixa o leitor a pensar, porque, na verdade, não mostra de fato o que é. Acho bacana isso. Hoje é tudo muito mastigadinho e explicadinho demais. Nada contra, só gosto mais dessa forma como você apontou.

    Abraços. Fabiano Caldeira.

    ResponderExcluir
  2. E, hoje, ele parece instruir seu artistas a escreverem porcaria. Vai entender...

    Sobre o enquadramento, acho até interessante quando são poucos por páginas, desde que haja bastante informação: desenhos detalhados e argumentos. Mas o que vemos hj em dia é isso que vc falou: "fica parecendo que estão enchendo linguiça para fechar o gibi".

    Tb concordo que, mesmo mostrando um matuto mal criado, algumas HQs nos surpreendiam com momentos "poéticos". Chico Bento é tudo de "bão".

    Ótima postagem. E esse final ambíguo e emblemáticos realmente foi bacana! Coisas mesmo do Maurício.

    Sabe se a arte tb é dele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo. lamentavel os gibis atualmente.

      Excluir
    2. Infelizmente o nível tá péssimo. nem compro mais.

      Excluir
  3. Achei curioso a D. Cotinha chamando o marido por "Tunico"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. devia ser um apelido carinhoso.

      Excluir
    2. o nome do seu Bento é Antonio Bento, daí ela chamar de "Tunico".

      Excluir
    3. Vai ver o carinha não tinha nome na época, então ia mudando, assim como a dona marocas.

      Excluir
    4. Sim, em cada história aparecia com um nome diferente até padronizarem. Igual também ao primo Zeca.

      Excluir
  4. Fabiano, não adianta,sem dúvida as hqs antigas é q são as melhores.

    Kleiton, não sei informar se a arte da hq é do Maurício, acredito q sim. Parece q quando ele fazia hqs ele gostava de fazer sozinho.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Kleiton, parece q o nome do seu Bento é Antonio Bento, daí ela chamar de "Tunico".

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Hum... realmente. Pode ser isso. Mas acho que nunca vi ninguém se dirigindo a ele assim... Deve ser raro...

    ResponderExcluir
  7. Tô besta com a qualidade da arte! Acho que vou entrar pro time dos "saudosistas-nostálgicos"... Não se vê mais essa qualidade e profundidade...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Rafael. Repare só no quadrinho inicial do galo cantando, e na hora do Chico e o pai voltando do roçado. Desenhos fantásticos q não existem mais. Seja bem vindo. Abraços

      Excluir
  8. Kleiton, foram poucas mesmo, a maioria das vezes só chamam de seu Bento memsmo.

    ResponderExcluir
  9. Sempre adorei essas estórias mais sérias, filosóficas. Talvez por isso o meu personagem favorito que não tinha revista seja o Astronauta.

    Essa em particular não é uma de minhas prediletas, mas é significante do mesmo jeito. Fico feliz que, de vez em quando, o Maurício (será ele ainda o autor dessas HQs?) publique essas pérolas em suas mensais, como o Rio da Vida.

    Estou pensando em escrever sobre isso em meu blog, agradeço pela inspiração.

    ResponderExcluir
  10. Ah, e creio que os dois, três quadros por página sejam para ressaltar a arte, para proporcionar melhor atenção do leitor aos magníficos detalhes do desenho, o qual é sensacional, e caiu como uma luva na HQ!

    ResponderExcluir
  11. Danil, o Maurício não escreve mais as histórias. parece q nem as do Horácio q era a única q ele continuou fazendo nos anos 90. Raramente tem hqs do Horácio ultimamente, mas quando tem não é ele q escreve.

    Os quadros por página para essa hq ficou muito bom, mas nas hqs atuais assim, acho mais é pra encher linguiça. Não é toda história q merece ser assim.

    Depois passa o endereço do seu blog pra eu ver. Abraços

    ResponderExcluir
  12. Poxa, o Maurício não escreve mais? Bem, pelo menos ainda tem gente competente o substituindo...

    O endereço de meu blog está logo abaixo, mas esteja ciente que ainda não publiquei nada relevante, a não ser as indicações de outros blogs.

    http://aniliquaga.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Tudo bem Danil, já dei uma olhada. Abraços

    ResponderExcluir
  14. Poxá que HQ ótima...nunca tinha visto..gostaria de ler completa..quem sabe um dia num almanaque do Chico da era panini!?....e que show de desenhos/traços! ;)

    Até, Xandro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acredito que republiquem na Panini porque eles não estão republicando hqs da Editora Abril. Vê q só republicam da Globo de 1987 em diante, q é uma coisa boa tbm.

      Essa hq é muito boa mesmo. Abraços

      Excluir
  15. Eu li essa HQ quando saiu em 1985 e fiquei meio angustiado...
    Nessa época era comum aparecer Deus, o diabo, HQs místicas, tem outra HQ sinistra dessa época, acho que é O Rezador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é resiak74 , em 1985 tinha várias hqs nesse estilo. Tudo muito filosófico. Era muito mesmo. São boas, mas prefiro hqs engraçadas do q sérias.

      Excluir
  16. Marcos, já que essa HQ do Chico Bento de 1985 é clássica, tem outro clássico da Ed. Abril de 1985 que bota essa HQ no chinelo. É uma história do Cebolinha chamada "O Deus Cebola" publicada em Cebolinha # 155 (Ed. Abril, 1985). Logo pela capa da edição, fazia alusão à história. Na história, como sempre o Cebolinha corre aprontando mais uma com a Mônica e cai num abismo e descobre uma escada invisível. Aí chega o Anjinho avisando a Mônica de que aquela "escada invisível" era a Escada da Ascensão Espiritual. Então conta que a escada, durante séculos os anjos costumavam usá-la pra elevar o nível espiritual. Aí um dia, um dos anjos resolveu descer para o inferno, e diz que o uso da escada foi proibido e que usam o Elevador Espiritual, que é muito mais moderno e descobre que o Cebolinha está usando a velha escada. E com isso, chega a parte arrepiante da HQ: o Cebolinha se transformando em Deus e se tornando mau! É muita coisa que acontece na história, que sei de poucas coisas: Que o Cascão e um diabo aparecem também na HQ, que o Cebolinha como sempre se dá mal no final e também sei que a HQ foi republicada no Almanaque do Cebolinha # 23 (Ed. Globo, 1993). Fale dessa HQ pra mim, por favor. Afinal, dá pra baixar a edição na Internet.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, "Deus cebola" eu tenho a revista original baixada na internet e tenho o Almanaque tbm. Quando der, falo sobre ela.

      Excluir
  17. Essa historinh do chico, acredito que seja a historinha mais fantastica de todas, me recordo de ler e ter adorado esse Gibi, cara sei la...mas parece q realmente tudo aquilo q era bom acabou, turma da monica teve seu tempo de ouro, e hoje em dia para acompanhar a nova juventude teve de ser modificada, nao critico acho q seria assim ou terminaria, tivemos sorte de conhecer a turminha antiga, os velhos enquadrinhamentos dos quadrinhos, ah...que saudade dessa turma antiga, mas fica registrado a saudade e as lembranças desse tempo da Turma da Monica, quanto ao Chico Bento, sem palavras sempre adorei todas suas historias...e a simplicidade dos roteiristas nas historias dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o jeito de fazer as hqs acompanham a geração de crianças atuais. As hqs dos anos 70 eram diferente dos anos 80, q eram diferente dos anos 90 e por ai vai.

      Só podiam eram ter menos preocupação com o politicamente correto e melhorar muito a arte q estão muito fracas.

      Essa hq do chico é excelente. Simples e boa ao mesmo tempo, como a maioria da época. Ah, valeu pelo elogio.

      Excluir
  18. esse aquadrinhamento das histórias do Chico Bento dos anos 80 até que eram bons, pois dava para detalhar melhor o cenário. E como eu disse antes, quando eu vejo as histórias assim, eu me sinto roça. Outras histórias assim, com traços excelentes como esta que eu gosto são: "Chuva na Roça" e "Era uma vez"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, tinham um fundo bem caprichado e mais detalhistas, e não eram só desenhos dos personagens. Eram muito bons os desenhos antigos.

      Excluir
  19. Só você pode se lembrar de uma história que me atormenta há décadas: um personagem da turma acorda, e seu quarto está no espaço, flutuando no meio do nada. Deve ser do fim dos anos 70/ início dos 80. Essa história é muito vaga na minha memória, mas lembro que morria de medo na infância, ela meio que representava a morte, na minha cabecinha pouco desenvolvida. Por acaso vc sabe qual história me refiro?
    Gostaria de sugerir um post sobre as historinhas mais adultas e existencialistas que eram mais constantes há muitos anos atrás (não só as do Horácio). Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ficou muito vago só isso, não lembra mais algum detalhe, qual foi o personagem? Leu em algum almanaque ou gibi convencional?

      De fato naquela época era comum histórias surreais,existenciais. Valeu pela sugestão. Se eu encontrar alguma bem legal, eu posto aqui.

      Abraço

      Excluir
  20. Não consigo lembrar qual era o personagem, mas lembro dele abrindo a janela, a porta e dando de cara com o nada, o mais absoluto vazio. Ele (ou ela) não conseguia compreender o que estava acontecendo, todo mundo tinha sumido. Tampouco lembro como termina a história, se era um pesadelo ou alucinação. Quando visitar a casa dos meus pais, farei uma varredura nos meus gibis antigos.
    Era um gibi convencional.
    A propósito, vc sabe se há alguma espécie de arquivo virtual, ou site que disponibilize historinhas mais antigas, e não essas porcarias atuais?
    Abraço, estou apaixonada e obcecada pelo seu site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembrei da história. É com a Mônica e se chama "A Mônica parou de crescer", uma história de aniversário dela que acontece isso com ela. Muito legal. Foi publicada originalmente em Mônica Nº 167 (Ed. Abril, 1984) e foi republicada no Almanaque da Mônica Nº 17 (Ed. Globo, 1990). A capa do almanaque é essa:

      http://arquivosturmadamonica.blogspot.com.br/2013/11/monica-hq-um-disfarce-perfeito.html

      Tem sites de downloads de gibis específicos, como o Issuu por exemplo. Que bom que está gostando do blog. Obrigado.

      Excluir
    2. Lembrei do gibi da monica sobre a cor azul

      Excluir
  21. Oi, eu li a muito tempo atrás, acho que pelo menos 20 anos atrás, uma história que o chico bento conversa com o anjo que avisa que ele vai morrer e ele tenta convencer o anjo que ele não pode morrer, ele fala que os pais dele vão sentir a falta dele, o anjo replica que os pais dele poderão ter outro filho. Vc por acaso já leu esta história? Tem esta história? gostaria de reler, mas não sei em que gibi procurar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não lembro dessa história, mas acho que já li sim. Se eu encontrar eu aviso.

      Excluir